Digestivo Blogs

busca | avançada
26357 visitas/dia
870 mil/mês
Mais Recentes
>>> Windsor Marapendi apresenta Conexão Rio com convidado especial Celso Fonseca
>>> Rafa Castro Trio traz Jazz e MPB para a Série Tardes Musicais da Fundação Ema Klabin
>>> Índios são ​celebrados com exposição
>>> Debate na Livraria Travessa 'Brasil, um País Intolerante' #Colabora
>>> Inscrições abertas para palestra sobre o diário de Marco Polo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
>>> Minha finada TV analógica
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Vermelho (série: Sonetos)
>>> Os vãos nunca em vão
>>> O VERBO ALQUÍMICO
>>> Procissão
>>> Questionamento
>>> As 13 Razões Pra se Escolher a Vida!
>>> Black Mirror, nós e os outros
>>> Quadro negro
>>> Ilusão de ótica
>>> Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Roland Barthes e o prazer do texto
>>> Livro dos Homens
>>> Orquestra Sinfônica Tchaikovsky de Moscou
>>> Minha experiência com rádio
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Deus está morto: Severino para presidente
>>> Conselho ou Informação
>>> A teoria do caos
>>> Canarinho velho e pessimista
>>> Eu não acredito em pesquisa de opinião
Mais Recentes
>>> O Doente Imaginário - Comédia - NOVO
>>> As Várias Faces da Liberdade- Encontro e Diálogo Volume 12
>>> Análise Estrutural da Narrativa
>>> Direito Ambiental Brasileiro
>>> Curso de Linguística Geral
>>> Crítica de Ouvido
>>> Literatura Vitoriana e Educação Moralizante
>>> Vitória: Retrato da rainha como moça triste, esposa satisfeita, soberana triunfante, mãe castradora, viúva lastimosa, velha dama misantropa e avó da Europa
>>> Lewis Carroll Na Era Vitoriana - Outras Histórias de Alice
>>> A Volta do Parafuso seguido de Daisy Miller
>>> Frankenstein Ou O Prometeu Moderno
>>> Terra de Deus- O Significado das Terras bíblicas para os Planos e Propósitos de Deus
>>> Toxicomanias - Abordagem clínica
>>> Uma Real Leitora
>>> Manual de Caixas-Acústicas e Alto-Falantes
>>> Quem tem farelos?
>>> Chega de Tedio - A Mudança que Tornará o seu Trabalho Apaixonante
>>> A Proxima Grande Depressao - Como prosperar em Tempos de Turbulencia
>>> Tornando-se um Extraordinário Gerente
>>> Um Brinde à Economia - Como Buscar as Verdades sobre Investimentos nas Conversas do Dia-a-dia
>>> Vida e Edificação
>>> Crer, para quê.
>>> Gramática Completa para Concursos e Vestibulares
>>> Ecos do Futuro - 2a Parte
>>> O Terremoto Financeiro - A Primeira Crise Global do Século XXI
>>> Horizonte dos imortais
>>> Renúncia
>>> A Janela do Meio
>>> Apenas uma Sombra de Mulher
>>> A Missão de Freud- Uma análise de sua personalidade e influência
>>> A caminho do Abismo
>>> Senda de Espinhos
>>> Estrada de Damasco
>>> La Sagesse des Prophètes
>>> Os Caminhos do Amor
>>> Jesus Nem Deus Nem Homem
>>> Rumos Doutrinários
>>> Elos Doutrinários
>>> Os Sonhos Morrem Primeiro
>>> Adonai - novela iniciática do colégio dos magos
>>> Deixai vir a mim as criancinhas
>>> Um Jovem no Além
>>> A Vinganaça do Judeu
>>> Só o Amor Consegue
>>> Senzala
>>> Loucura e Obsessão
>>> Passáros Feridos
>>> Revista América Hispânica (Homenagem a A. Bioy Casares) - Nova
>>> Bíblia da Sedução
>>> O Emprego Ideal Existe !
BLOGS

Sábado, 22/4/2017
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Vermelho (série: Sonetos)

Em alameda livre, saltam meus cavalos
de carmim. Saltam com narinas afeitas
ao que vive ao redor da casa. E ao redor
dos limites do portão.

Eriçando a pele, meu cavalo de rosas
respira. Do mundo da fábula, chegou-me
este centauro de corolas abertas. Afoita cauda
correndo atrás do vermelho da crina.

À procura de pouso e fêmea,
meu cavalo do verão se olha
no lago das chuvas.

Lambendo a imagem desfeita,
ele ergue imenso falo. E a tarde
o amansa às horas de lascívia.

(Do livro O camaleão no jardim)

[Comente este Post]

Postado por Blog da Mirian
22/4/2017 às 11h17

 
Os vãos nunca em vão

Quanto
mais
amplo

o espaço


mais
amplificado
o eco

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
21/4/2017 às 12h22

 
O VERBO ALQUÍMICO

Contra todas as minhas expectativas, cheguei, para o bem ou para o mal, aos oitenta de idade, acredito que em plena lucidez, embora com as limitações impostas pelo tempo, de que ninguém, de resto, escapa.

Em contrapartida, esta longa jornada me propiciou um acúmulo de observações e percepções — o que se costuma chamar de experiência — e neste momento desejo falar sobre isso.

Talvez seja uma veleidade minha, não sei. Trata-se de uma visão pessoal e, portanto, de minha exclusiva responsabilidade. O fio condutor dessas reflexões foi uma frase do poeta e livre-pensador, recentemente falecido, Ferreira Gullar: “A arte existe porque a vida só não basta”, que logo se transformou num chavão, no melhor sentido, é claro.

A poesia é algo imaterial e onipresente. O problema consiste em saber e poder captá-la, e para tanto existe a arte, na mais ampla acepção da palavra; ela sim tem o condão de abrir as portas para o inefável, conduzindo o homem às intangíveis paragens do sublime, que bem pode ser comparado a outro mundo: o universo poético.

É ela, a arte, que nos tira do rés do chão onde vivemos, subjazendo, porém, fora de alcance do olhar pragmático daqueles que encaram a vida como uma competição de vale-tudo.

Como até hoje me dedico ao ofício escritural, tenho preferência por este meio de tentativa da expressão, que é o poema.

Será, pois, de poesia e de poemas que falarei.

Em minha época de estudante, quando nos ensinaram análise sintática, eram passados, como dever de casa e de provas de português, trechos de “Os lusíadas”. Para nós, ainda meninos, nos sentíamos mais perdidos do que de se tentássemos, por absurdo, decifrar a Pedra de Roseta. Aquele fraseado arrebicado, em ordem inversa, da épica camoniana, nos deixava loucos de raiva. Daí, na contramão do que viria depois, criei aversão à poesia.

Um dia, quando já ao término do ginásio, numa tarde modorrenta, resolvi abrir a antiga antologia escolar, e, guiado pelas mãos do acaso, deparei-me com um poema lírico de Camões, cujo título era motivo de zombaria entre os estudantes, por causa do cacófato: o soneto “Alma minha gentil”, que considero o mais belo e sublime dos países lusófonos, escrito com as tintas da dor pela perda da chinesa Dinamene, seu grande amor, num naufrágio em que não pôde salvá-la.

Há quem critique a cacofonia do primeiro verso do soneto camoniano, que, todavia, se sacralizou, a despeito daqueles que, em sua visão reducionista, tomaram a parte pelo todo.

Existem, por outro lado, os que sustentam que, à época da concepção do soneto, usava-se a palavra teta, ao invés de mama.

Há também os que afirmam ter Camões, muitas vezes, parafraseado seu mestre Petrarca, a quem se atribui a criação dos sonetos, mas a poesia, como consabido, é a arte da imitação. Conforme ressaltado pelo crítico italiano Pellizari — mencionado por Hernâni Cidade em seu livro “Luís de Camões, o lírico”, in Livraria Bertrand, 3ª ed., 1967 — este bem pode ser um exemplo emblemático dessa forma de arte: a paráfrase, não o decalque servil, mas um modo de, com elegância e fino estilo, prestar homenagem a outro imenso poeta.

Trata-se, ao fim e ao cabo, a meu ver, de controvérsias de somenos.

Quanto a mim, o soneto “Alma minha” me surpreendeu no contrapé. Foi uma espécie de choque de alta voltagem em meu espírito. Uma epifania. Estava diante da verdadeira poesia que me tomou de assalto e não me deixou mais, feito uma doença crônica benfazeja.

Embebi-me de poemas, lendo, relendo, treslendo poetas nossos, franceses, ingleses, russos etc., magnificamente traduzidos para o idioma pátrio. Compulsava erraticamente os livros e andava nas nuvens, embriagado de poesia.

Não sei se fruto da vocação ou da obstinação, surpreendi-me a escrever os primeiros versos. Foi dificultoso, mas prossegui.

Não cabe ao poeta julgar suas produções, e sim ao eventual leitor — ou como disse Baudelaire, no derradeiro verso do poema inaugural de seu livro “As flores do mal”, que lançou os fundamentos da poesia moderna, tornando o feio em belo: “leitor hipócrita, meu semelhante, meu irmão!” ou no francês de origem — hypocrite lecteur, mon semblable, mon frère!

A materialização da poesia num poema é como um salto metafísico: o poema chega de chofre e vai fluindo por si mesmo, como se proviesse do Inconsciente Coletivo, essa espécie de caixa-preta que todos carregam num ponto qualquer da mente, sem poder abri-la. Ali estão contidos os arquétipos, as imagens e signos remotos, decorrentes do passado pessoal e coletivo, nessa espécie de guardião avaro que somente, de vez em quando, os libera com extrema parcimônia, ensejando a feitura do poema.

Quem magistralmente definiu, numa só palavra, esse processo criativo foi ninguém menos que Fernando Pessoa ao batizar um de seus mais famosos poemas com o título de “Autopsicografia”.

O que se chama, correntiamente, de inspiração nada mais é que a “outridade”, a qual — segundo acentua o notável Nobel de literatura Octavio Paz — (...) “não está dentro, em nosso interior, nem atrás, como algo que surgisse subitamente do limo do passado; está, por assim dizer, adiante: é algo (ou melhor: alguém) que nos convida a sermos nós mesmos.” (“O arco e a lira”, traduzido por Olga Savary, Nova Fronteira, 1982).

Também Jorge Luis Borges observa que o autor deve interferir o mínimo possível na sua obra. Deve ser um escriba do Espírito ou da Musa, o que dá no mesmo. (“Nova antologia pessoal”, Ed. Sabiá, 1979).

Assim, a meu ver, o poeta se torna, por assim dizer, um médium de si próprio, ou seja, do “outro”, que nada mais é do que seu eu profundo, a quem dá vez e voz, daí surgindo o momento mágico da revelação poética, espelhado no poema.

Que tudo isso exalça e extasia, não há dúvida, mas não é maior que a vida, o enquanto em que duramos, meros transeuntes do tempo, nada mais.

A verdade é que, com o passar das décadas e o desgaste inevitável por ele causado, esses momentos vão rareando. Em geral, tem-se a disponibilidade que não se tinha antes, mas não se tem mais a faísca que ateia o fogo sagrado de Prometeu.

À medida que descemos a montanha pedregosa da vida com o sol pelas costas, e a visão crepuscular prenuncia o escuro do desconhecido, a natureza como que nos prepara: os sentidos vão, aos poucos, esmaecendo, o mundo vai perdendo as cores e as sinapses rateiam, numa espécie de anticlímax sem pompa nem circunstância.

Ayrton Pereira da Silva



[Comente este Post]

Postado por Impressões Digitais
14/4/2017 às 16h09

 
Procissão

Na Sexta-feira Santa eu peguei a tocha e fui pra frente da porta principal da Matriz de São Sebastião pra puxar a procissão. Diferente dos outros dias, a igreja era uma animação danada. Gente de todo lugar, muitos de longe. Achava legal, de batina e sobrepeliz, importante, todo mundo olhando, do lado dos padres o tempo inteiro. Nos outros dias, sem ninguém pra ajudar no altar, tinha que acordar cedo, mamãe me obrigava ir. O sacristão não podia ficar por conta do padre no altar. Toda hora tinha que sair pra fazer alguma coisa, principalmente pôr pra fora algum cachorro que entrasse na igreja, o que era o que mais irritava o padre. Num domingo, missa das nove, dando comunhão, apontou um peludo na porta lateral. O padre bateu o pé com tanta força pra assustá-lo que a Filha de Maria se engasgou com a hóstia.

Tocar sino era do que eu mais gostava. Dependurava na corda, tomava impulso e dava uma volta grande do lado de fora da torre, a cidade embaixo, as pessoas achatadas no chão. O Nosso Senhor dos Passos me dava medo: os olhos esbugalhados, a cabeleira de gente. Toda vez que passava perto, virava o rosto pro outro lado. A essa, onde os mortos recebiam as últimas bênção, me amedrontava também. Pior ainda era na quaresma quando cobriam as imagens com panos roxos.

Eu gostava da Sexta Feira Santa por causa da animação na igreja. Ficava impaciente pra chegar a hora da cerimônia, pra sair de casa, principalmente por causa do falatório da mamãe no ouvido. Tudo era proibido. Não podia jogar bola, gritar, nem brincar. Tudo era pecado. Os bares e a padaria não abriam. No rádio só música triste. Tinha que jejuar, a barriga roncava o tempo todo.

Umas duas horas antes da procissão, o sacristão saiu com a matraca pro adro da igreja e começou a tocar — dentro de pouco tempo o descendimento da cruz.

Entrei no quarto e comecei a me aprontar. Sentei na cama e vesti a calça curta branca. Tirei do criado-mudo duas gominhas, estiquei as meias e as prendi. Calcei o sapato de sola de pneu e, pra não suar debaixo da batina, vesti a camisa mais fina. Reparti o cabelo de lado e fui pra sala. Mamãe falou que estava cedo. Tinha muita coisa pra fazer antes da procissão — inventei. Eu queria ficar andando em volta da igreja, vendo o movimento.

z A sacristia estava cheia. Cheiro de vela, de flores, de paramento. Dona Mercês, que organizava tudo, disse pra ir me vestir. Fui até o armário e tirei três batinas azuis com cheiro de naftalina. A primeira pega-franga, a segunda largona. A terceira, ainda com pingos de vela da última procissão caiu bem. Vesti a sobrepeliz. Enfiei a mão debaixo da batina e peguei o espelhinho redondo com o retrato da Dorothy Lamour. Ajeitei o cabelo. Sorri com o canto da boca. Eu tinha certeza que as meninas iam ficar olhando pra mim.

Quando acabei, Dona Mercês me deu o turíbulo pra acender. Fiquei todo metido. O turíbulo tinha que ir junto do pálio com o Nosso Senhor Morto. Botei carvão até na boca e fiquei esperando pegar. Joguei incenso, a fumaça perfumou tudo em volta.

Na hora que fui entrando na sacristia, Dona Mercês pegou o turíbulo da minha mão e entregou pro filho dela. Baixei a cabeça e fiquei tirando os pingos de cera na batina com a unha. Depois não liguei mais. Quem levava a tocha também era importante porque puxava a procissão. Aí chegou o Zeca, começou a orientar os coroinhas, virou pra mim.

— Você vai andando encostado no meio-fio, sempre alinhado com a tocha que puxa a outra fila, prestando atenção no menino do crucifixo. Se ele parar você para. Se andar devagar você também anda. Não tira o olho dele.

Um dia até deu vontade de levar o crucifixo, mais importante, puxava a procissão, mas tinha medo de entrar numa rua errada e bagunçar tudo.

Passado um pouco o padre chegou suado, nervoso, reclamando do atraso da procissão. Logo em seguida a Nossa Senhora, a Madalena e a Verônica — todas de vestido comprido, carregando uns negócios que eu não sabia pra quê. A Nossa Senhora, de tão branca, parecia que tinha saído de um sanatório. Madalena, com um cabelo de todo tamanho, promessa pra sarar de uma doença de nome complicado, não ia cortar enquanto não ficasse boa. Contou pra minha irmã que queria fazer permanente pra agradar o namorado. A Verônica era a mais bonita. Conversava comigo, eu baixava a cabeça com vergonha. Tinha vez, do alto da construção do lado da sua casa eu ficava vendo ela tomar banho. Tão logo chegava do serviço, eu subia correndo as escadas, me escondia atrás de uma pilha de tijolo até se enrolar na toalha.

Saindo da igreja virei pra trás. Fiquei inchado vendo aquele povaréu todo me seguindo.

O vento leve de abril assustava as chamas das tochas.

Nesse dia a procissão não acabou.

A rua Juiz de Fora toda enfeitada. As luzes do casarão da Dona Druziana e uma toalha estendida na janela da casa do pessoal da carvoaria. Do alto do sobrado do Chiquinho a rama de uma samambaia descia até não poder mais. Na pensão, o parapeito coberto de flores. No Seu Juquinha um altar. O incenso, o manjericão, a arruda, as velas, os jardins das casas. Tudo bonito demais.

Virei a esquina na fábrica de bebida e entrei na Rua Tupis. A minha mão suava. Mais andava, mais forte batia o coração. Toalhas e flores que não acabavam. Em alguns locais a procissão parava pra ouvir o canto da Verônica. O silêncio aumentava. Sua voz corria as ruas, entrava nas casas e atravessava a minha garganta. Eu levantava a cabeça e comovido procurava qualquer coisa no céu. Então me dava vontade de ser um menino bom, de não desobedecer mamãe e prometer a mim mesmo nunca mais subir na construção e ficar olhando a Verônica tomar banho.

Quase chegando na igreja a procissão cresceu mais ainda. A lua rebentava pros lados da Serra da Piedade.

Em vez de entrar na igreja e seguir o rapaz do crucifixo, me veio na cabeça a vontade de fazer tudo de novo e passar pelos mesmos lugares que tinha passado. Toda vez que completava uma volta, parava em frente da igreja e tornava a caminhar. Fiz isso repetidas vezes. Fiquei dando volta sem até não poder mais. A procissão daquela sexta-feira nunca acabou.

[Comente este Post]

Postado por Blog de Anchieta Rocha
14/4/2017 às 11h47

 
Questionamento

Por maior que seja o espaço do meu caminhar no tempo, não será esse, suficientemente longo, para sanar as minhas indagações, minhas inquietudes e a minha busca a compreensão das verdades que me são questionáveis.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
13/4/2017 às 23h32

 
As 13 Razões Pra se Escolher a Vida!


Não é novidade que, desde que a série 13 Reasons For Why estreou na Netflix, está causando um alvoroço no mundo adolescente e adulto também, ao relevar o incomodo e silencioso mal que qualquer um pode sentir, mas ninguém fala.

Sim, pessoas! Essa série, que é uma adaptação do livro de Jay Asher fala abertamente sobre suicido, mostrando como a vida pode ser difícil, principalmente na adolescência, quando estamos formando nossa identidade e somos meio que tragados pelo ambiente em que vivemos.

Por isso amamos e odiamos com tanta intensidade nessa fase. A bobagem corre solta junto com as risadas, assim como o choro quase inexplicável pelo ídolo, pelo gatinho ou garota que nem olha na sua cara, por seus sonhos, por mais simples que sejam não darem certo... E olha que estou pegando leve, pois acredite quando digo que existem pessoas por aí com problemas grandes demais para imaginarmos!

Mas essas coisas, querendo ou não, acontecem conosco. Não importa, onde, como, porque, quem você seja... Ainda assim será humano, um ser insatisfeito por natureza, que em algum momento não se enquadrará no planeta, tendo dias nem tão perfeitos quanto aqueles vistos nos filmes.

Porém, saiba que escrevo com a propriedade de quem agora está prestes a fazer 33 anos, mas já foi uma adolescente CDF, bem desengonçada, sonhadora demais, que não sabia nada sobre o mundo e as pessoas, numa inocência que hoje me faz rir. E até agora ainda herda alguns momentos daquela garota, se perguntando como sobrevivi.

Então, no alto da minha sabedoria, de quem ainda se sente bem imatura em alguns momentos, mas já percebe com mais calma os rompantes da teenage, resolvi escrever os 13 motivos para escolher a vida e porque acho que todos, por mais difícil que seja, devem optar por ela. E lembre-se, se estiver precisando falar, sinta-se a vontade. Obrigado Netflix por mais esse incentivo de abalo as estruturas.

1 - Uma pessoa pode se sentir muito infeliz em qualquer idade da vida, mas na adolescência é mais comum devido a puberdade e outras transformações pra a vida adulta. Por causa disso, os sentimentos afloram e tudo fica MUITO COMPLICADO, desde a escolha do sapato perfeito pra aquela festa, até uma possível esnobada do crush. Eu sei que dói muito na hora, mas acredite quando digo que um dia vai passar. Parece superficial, mas às vezes, se você se der a oportunidade, periga de já tê-lo esquecido no final do mês com uma coisa bem nojenta que você viu ele fazendo ou até por uma versão melhorada com quem você esbarrou de repente. Escolha viver pra ter essa oportunidade.

2 - Porque por mais que não pareça, sempre tem alguém que se importa muito com você e sofrerá demais. Escolha viver pra que vocês tenham a chance de descobrir o quanto podem aprender juntos.

3 - Seu problema não é nada comparado com o de alguém. Sei que é difícil admitir, afinal você não é essa pessoa. Escolha viver pra ajudar alguém que precisa.

4 - Não dá pra fugir dos problemas, uma vez que a vida é uma circunferência. Quanto mais você acha que está se afastando, mais está indo de encontro a eles. Escolha viver pra encarar a vida de frente com coragem de lutar.

5 - Por simples curiosidade... A vida é louca em todos os ângulos e sentidos e apesar de achar que sabemos, de repente vira e muda tudo. Vai que... Escolha viver pra ser pego de surpresa.

6 - Pra mudar tudo radicalmente. Se não está contente, não tem jeito, dê um tempo, se reinvente, vá pra bem longe, viva outra vida, seja outra pessoa. Desde que não prejudique ninguém... Escolha viver pra viver outras vidas.

7 - Pra ficar muito puto. Se ajudar, se rebele e bote pra fora tudo o que está entalado. Escolha viver pra se rebelar contra o mundo.

8 - Faça aquilo que você sempre teve vontade. Existem pessoas presas em si mesmas com cabeças fervilhando de pensamentos e uma vida linda que não acontece porque estão paralisados. Escolha viver pra realizar um sonho.

9 - Decisões assim deixam pela metade coisas maravilhosas que poderiam ter acontecido com você e com outros aos quais você estava na cena. Escolha viver pra ser completa.

10 - A vida não é barganha! Tem muita gente querendo vida, mas esse produto milagroso do universo não está a venda, por isso cuide da sua. Escolha viver porque você pode.

11 - Lembrar de momentos que passaram, que fizeram você ser quem é hoje, por mais estranho que possa parecer, fez de você essa pessoa, a única que existe e que pode tomar as decisões. Escolha viver pra lembrar quem você é.

12 - Passe pela ponte, complete a caminhada e veja no que vai dar. Permita-se esperar os resultados. Escolha viver pra se tornar adulto.

13 - Escolha viver por todos esses porquês, por suas próprias razões e por outros 1000 que aparecerão durante a jornada. Nem tudo será fácil, afinal somos pessoas, é a vida, mas ao menos será, em muitos momentos doce, especial e divina.



[Comente este Post]

Postado por Blog de Camila Oliveira Santos
13/4/2017 às 20h05

 
Black Mirror, nós e os outros



Acredite. Eles formavam um jovem casal feliz. Ele morre, inesperadamente. Ela, grávida, é catapultada para um luto que não pode arrancar. Já vimos esse roteiro, certo? Literatura, cinema e televisão já nos deram essa imagem, inseparável, do romantismo e da dor.

Mas, em Black Mirror, a introdução dos aparatos técnicos que, propositalmente, parecem próximos a nós, tornam aqueles sentimentos, hoje, provocadoramente latentes. Identificamo-nos com o seriado porque ambos, sentimentos e técnica, nos constituem.

Imagino que deva haver muita controvérsia sobre Black Mirror. Imagino também que isso deva se dar, em grande parte, pelo modo como nós sempre lidamos com a técnica. Lembremos do impacto da fotografia quando do seu surgimento; para alguns, ela se assemelhava à bruxaria; para outros, talvez fosse até capaz de capturar a alma humana.

Há uma fina tela, ao mesmo tempo transparente e translúcida, entre capturar e exibir. Em certo sentido, essa é a pretensão da série. Em Black Mirror, a tecnologia é o meio através do qual as frestas da alma (psique) – nossa dimensão mais explicitamente visível porque subterraneamente casulosa – pretendem ser exibidas.

Psicose coletiva, sadismo, aceitação, narcisismo, repressão, obsessão, compulsão (vi finalmente uma série inteira, uma atitude – compulsiva? –, como sabemos, cada vez mais comum), voyeurismo, punição, culpa, fobia, perversão, finitude, projeção. São parte dos algoritmos psicanalíticos que compõem esse produto do entretenimento.



Podemos pensar que a série usa a velha forma de produzir cultura tomando temas sérios e diluindo-os para a persuasão. Mas, quem sabe, esse discurso entre cultura e mercado não deva unicamente ser pensado desse modo. Talvez possa ser pensado em uma complexidade que o conceba como parte desse mundo, como sua expressão, mercadológica, sim, mas que, mesmo como entretenimento, suscite algum tipo de espelho (speculum) sobre o qual se pode refletir.

Nessas produções isso pode ser uma assimilação desses temas (sérios e pop) como modo de identificação e fascínio, mas isso, inegavelmente, tem se tornado, hoje, um modo sofisticado de realizá-lo e, por que não dizer, uma maneira sedutora de nos colocar diante de alguns problemas candentes sobre os nossos Fahrenheit 451 (Truffaut, 1966).

Mesmo não sendo novidade na exibição desses sentimentos (neuroses), o seriado mostra essa condição que nos define dentro de relações humanas, adquirindo uma nova forma de vê-las. É o seu núcleo. Ver cada vez mais a si mesmo e o outro.

Se as novas tecnologias tornaram nosso “Eu” kitsch, nos capítulos da série, essa relação com a alma, quase nunca é redentora. Nessa clínica em telas estetizada, a narrativa não significa, necessariamente, “reflexo”, catarse.

Há, provavelmente, nesse modo de caracterização uma herança que sempre nos distancia, receosos, dessa técnica. Uma herança tecnofóbica, mas que, hoje, é inseparável de sua adoração, incontornavelmente, tecnófila. Perdemos o medo da câmera fotográfica, agora flutuamos augustos por entre essas luminosas e diáfanas telas-mundo, mas ainda somos temerosos do que elas podem revelar, como um espelho negro que pode ser estilhaçado.

Em outro contexto, escreve Umberto Eco (Sobre os espelhos e outros ensaios): “A magia dos espelhos consiste no fato de que sua extensividade-intrusividade não somente nos permite olhar melhor o mundo mas também ver-nos como nos veem os outros: trata-se de uma experiência única, e a espécie humana não conhece outras semelhantes”.

Talvez não conhecesse exclusivamente pela lógica do espelho de vidro, mas essa experiência se tonou ressonante nas caixas espelhadas que não param de ecoar. Talvez porque Eco, a ninfa, continue a lançar sua maldição sobre nós, e as palavras de Tirésias seguem a replicar o destino do belo Narciso vaticinando que ele, ao se conhecer, sucumbiria a si mesmo.

É o que faz a jovem que perde o marido. Sucumbe no seu “Eu”, sem poder deletá-lo. Compra um ciborgue, um simulacro, a imagem e semelhança do amante perdido. No início, ela o aceita, depois o repele, para, em seguida, confiná-lo no sótão, como algo a ser escondido e guardado. Narciso às avessas? Nem tanto.

Como nossos sentimentos, em um casulo, o hominídeo em bytes está, permanentemente, lá. Vez por outra poderá descer à vida, desde que não a incomode. A mãe, segue. É aniversário da filha, é a vida dando um jeito de seguir, com as neuroses, em frente. Pode parecer uma simulação, mas, na alma do contemporâneo, há uma fina tela, ao mesmo tempo transparente e translúcida, entre capturar e exibir.


Relivaldo Pinho é escritor, pesquisador e professor.


Texto publicado em O Liberal, 11 de abril de 2017, p. 2.

[Comente este Post]

Postado por Relivaldo Pinho
12/4/2017 à 00h32

 
Quadro negro

O vício
é pedagógico

Pari-passo
percorre-se

os meandros
do auto-engano

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
10/4/2017 às 19h28

 
Ilusão de ótica

Serpentinas
helicoidais
brilham
porque
oscilam
entre
sins e
nãos...
claro e
escuro

Bipolaridade
absoluta
do pulsar
das
correntezas

Logo,
bipolaridade
não é
doença
mas, antes
de tudo,
imanência

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
10/4/2017 às 08h00

 
Cada dia mais jovem - um retrato de minha mãe

Acordei com a sensação de ter dormido mais do que deveria. Ainda deitada, lembrei num sobressalto de que, nesse dia, estava fazendo oito anos que minha mãe se havia ido. "Que estranho, parece que já faz mais tempo", pensei comigo mesma, ainda sonolenta, esforçando-me mentalmente para confirmar contas e datas. Já com os pés firmes no chão, estanquei num susto: "Epa! Não faz somente oito, mas dezoito anos!" Refiz as contas e vi que, de fato, já se havia passado todo aquele tempo desde que mamãe e eu havíamos estado juntas pela última vez. Como foi que pude me enganar numa conta dessas - um erro de nada menos do que uma década inteira, a contar de uma data tão importante na minha vida?

O passar do tempo tem uma relatividade afetiva que nem todas as teorias einsteinianas são capazes de desvendar. Dez anos a mais ou a menos causam grande impacto em qualquer agenda pessoal, mas agora descobri que podem significar muito pouco no nosso calendário emocional.

Passei o dia pensando naquela mulher alegre, espontânea e bem humorada, que me trouxe ao mundo. Batizada como Maria do Carmo, era chamada pelos pais e pelos cinco irmãos de Carmita e, por muitos de seus amigos, conhecida simplesmente como Mariazinha.

Como era desejável entre as mulheres de sua geração, mamãe se casou cedo e engravidou logo em seguida, deixando o trabalho de secretária no recém-inaugurado Hospital dos Servidores do Estado para cuidar da família. Antes mesmo de meus pais completarem um ano de casados, eu já havia nascido. Poucos dias depois de completar meu primeiro ano de vida, minha irmã Angela nasceu. Não me lembro de nenhum dia de minha infância em que mamãe não estivesse lá ao nosso lado, disponível e atenta.

Mamãe era divertida. Gostava de participar das nossas brincadeiras e, muitas vezes, era mais "moleca" do que as próprias filhas. Lembro-me especialmente de uma noite em que papai estava dando plantão no hospital e, depois do jantar, mamãe colocou na "vitrola" um disco de marchinhas de carnaval que ela adorava. Ficamos as três dançando na sala, cantando alto e rindo às gargalhadas até tarde, muito além do horário previsto - jamais discutido ou negociável - da gente ir para a cama. Foi uma das melhores noites da minha infância.

Nas férias de verão, era ela quem nos levava todos os dias à praia. No mar, quando a gente insistia em avançar de encontro à rebentação, ela nos levava "até o fundo", onde as ondas nos davam imensos "caldos", dos quais emergíamos em risadas resfolegantes, os fundilhos de nossos maiôs pesados de areia.

Às vezes mamãe deixava à mostra seu lado inseguro - o que, aos olhos de uma filha, tinha um efeito intrigante. Orgulhava-se, por exemplo, de ter passado "de primeira" no exame para obter a carteira de motorista, mas depois disso jamais teve coragem de dirigir um carro sozinha.

O prazer de cozinhar lhe veio mais tarde na vida, já com as filhas casadas, e mudou a rotina da família. Mamãe preparava almoços caprichados nos fins de semana, em geral com pratos que lhe traziam boas lembranças da infância no Maranhão. Farinha d'água, molho de pimenta ardida e doce de sapoti eram motivo de intermináveis conversas à mesa. Ninguém fazia fritada de camarão ou caruru melhor do que ela.

A chegada dos quatro netos encheu sua vida de novas cores e alegrias. Bordou carinhosamente lindos tapetes arraiolos para os quartos dos bebês, pintou camisetas com estampas engraçadas, jogou Mico Preto e biriba com a garotada, assistiu dezenas de vezes ao musical Noviça Rebelde em videocassete e às aventuras dos Trapalhões e do Sítio do Picapau Amarelo na TV. O banho na banheira da vovó era outra atividade memorável na rotina familiar das crianças.

Com o passar dos anos, vieram problemas de saúde e preocupações diversas que, aos poucos, invadiram seu coração. Poucas semanas depois de completar setenta anos de idade, ela faleceu de repente, sem tempo para se despedir nem dar trabalho a ninguém. Recebi a notícia inesperada pelo telefone de minha casa na Flórida, bem na hora do jantar. Não tive tempo a perder, nem mesmo para absorver a ideia completamente absurda de que minha mãe tinha morrido naquele dia. Joguei apressadamente algumas roupas na mala e rumei direto ao aeroporto. Em pouco mais de duas horas, já estava a bordo do avião que me levaria ao Rio de Janeiro, justo a tempo para o enterro. Sozinha e no escuro, viajando a noite inteira acordada, pude finalmente fazer uma parada interior para, emocionalmente exausta, tentar absorver o que estava acontecendo ao meu redor.

Tudo isso aconteceu há exatos dezoito anos. Ou seriam mesmo só oito? De qualquer maneira, que diferença faz medir o tempo de calendário com precisão absoluta, quando o tempo do coração faz o que bem entender?

De repente me dou conta de um fato curioso: à medida que o tempo avança, a lembrança que tenho de minha mãe vai-se modificando. Rugas e lágrimas dissolvem-se aos poucos na minha memória até desaparecerem por completo. E mamãe se torna cada dia mais jovem, mais bonita e mais feliz.





Essa transformação gradual, tão delicada e bem vinda, me tranquiliza o coração.

[Comente este Post]

Postado por Blog da Monipin
9/4/2017 às 11h52

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



QUE DIABLE SUIS-JE VENUE FAIRE SUR CETTE TERRE?
GHISLAINE SAINT-PIERRE LANCTÔT
FRANCE CÔTÉ
(2001)
R$ 49,80



MLLE.FIFI
GUY DE MAUPASSANT
TRES
(1974)
R$ 7,50



DA POBREZA AO PODER
JAMES ALLEN
PENSAMENTO
R$ 10,00



REVISTA MÁSCARA - VANGUARDIA - POSMODERNISNO, PERFORMANCE, HAPPENING
EDGARD CEBALLOS (ED.)
ESCENOLOGIA
(1994)
R$ 50,00



RASTRO DA FÉ
MARTHA HUMBARD
BETÂNIA
(1980)
R$ 49,90
+ frete grátis



O UNIVERSO EM UM ÁTOMO
DALAI LAMA
EDIOURO
(2012)
R$ 40,00



DIÁLOGOS COM O ANJO
GITTA MALLASZ
VOZES
(2011)
R$ 21,30



JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO - CONTOS CLÁSSICOS EM QUADRINHOS
BLAKE A. HOENA
CIRANDA CULTURAL
(2009)
R$ 15,00



PROCESSO DE CONHECIMENTO - CURSO DE PROCESSO CIVIL V.2
MARINONI LUIZ GUILHERME ARENHART SERGIO CRUZ
RT
(2008)
R$ 60,00




>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lane Vasquez
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
26357 visitas/dia
870 mil/mês