Digestivo Blogs

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
>>> Cisne Negro
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
Mais Recentes
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
>>> Romântico, sedutor e anarquista -Como e por que ler Jorge Amado de Ana Maria Machado pela Companhia Das Letras (2014)
>>> Easy English - Book One - 6a Edição de Nelsi M. de Jesus pela Eden
>>> Dieta das 8 horas de David Zinczenko - Peter Moore pela Sextante (2014)
>>> Law And Ecology The Rise of The Ecosystem Regime de Richard O. Broks/Ross Jones/Ross A.Virgínia pela Asgate Publishing (2002)
>>> Perguntas Perfeitas, Respostas Perfeitas de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupãda e Bob Cohen pela Bbt (1999)
>>> The Book Thief de Markus Zusak pela Knopf (2007)
>>> O processo civilizador 2: formação do estado e civilização de Norbert Elias pela Zahar (2019)
>>> O Livro das Coisas Perdidas de John Connolly pela Bertrand Brasil (2006)
>>> O Avesso e o Direito de Albert Camus pela Record (1996)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> A Semiologia de Pierre Guiraud pela Editorial Presença (1973)
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2020)
>>> Alta Fidelidade de Nick Hornby pela Rocco (1995)
>>> Fonte Viva de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2003)
>>> Cozinha de Estar - Receitas Práticas para Receber de Rita Lobo pela Paralela (2012)
>>> Uma janela em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das letras (2001)
BLOGS

Quarta-feira, 7/10/2020
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Normal!

Nem você, nem eu e ninguém,
Aceita esse novo normal para a vida.
Eu quero, você quer e todos querem,
A nossa normalidade perdida.
Mas onde perdemos o nosso normal?
Quão infame esse tempo doentio,
Perdemos a nossa face, o nosso sorriso,
A sensatez e o equilíbrio da alma.
Eu quero, você quer, todos nós queremos,
O normal da palavra ontem.
Ela, pois, é passado,
O tempo não nos fala do amanhã,
E mesmo assim eu grito,
Você grita e todos gritam.
E que esse grito não seja uma palavra vã.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
7/10/2020 às 17h45

 
Os bons companheiros, 30 anos




“Quando a polícia siciliana finalmente quebrou a máfia no começo dos anos 90, prenderam alguém – esqueço o nome dele, mas era o segundo no comando – e um repórter italiano perguntou para ele se havia algum filme fiel sobre aquele mundo. E ele disse: ‘Ah, ‘Os bons companheiros’, na cena em que o cara diz ‘Você acha que eu sou engraçado?’. Porque essa é a vida que a gente leva. Você pode estar sorrindo e rindo num segundo e [estala os dedos] numa fração de segundo está numa situação em que pode perder a vida”.

Esse depoimento de Martin Scorsese é a melhor descrição e metáfora de seu filme, “Os bons companheiros” (“Goodfellas”), lançado em 1990. Um filme que se tornaria, como outros do diretor , um ícone do cinema por, dentre tantos motivos, a inventividade da linguagem e da representação.

Talvez, inventividade não seja a palavra certa. A película do diretor norte-americano é mais do que isso. Ela faz parte de um gênero e, ao mesmo tempo, o subverte; é linear, não sendo previsível; é sobre o poder, mas quem atira sempre é o instinto.



A trajetória de Henry Hill ( Ray Liotta ) de menino a homem encantado com o mundo da máfia, nos é mostrada em uma narração que parece nos trazer os elementos perfeitos de mais uma história de gangsters. Mas Scorsese não se trai.

“Pensei no filme como uma espécie de ataque” (“Conversas com Scorsese”, de Richard Schickel), diz ele. Essa fúria é a grande marca desse frenesi imagético. Scorsese quer que o espectador, como Joe Pesci (Tommy), sinta o coice da Magnum 44 romper, inesperadamente e, ao mesmo tempo, em slow motion, paralisar você. Pow! Pow!

Isso pode parecer um elogio à violência gratuita e, como nos filmes conhecidos de gangsters, transmitir uma sensação de onipotência e glamour. Mas o filme não é apenas um contraponto desse gênero. Ele é, principalmente, a ascensão e derrocada desse mundo. Não é uma tragédia, e não é uma expiação.

Aqui, o padrão não é “O poderoso chefão” , e sim o belo e, esse sim, trágico, “Inimigo público nº 1” (1931), de William A. Wellman , com a interpretação que projetou James Cagney para a glória.



Scorsese conta sobre o espanto da plateia ao exibir o filme para o elenco do seu “O aviador” (2005). O que impressiona, diz o diretor, é seu aspecto violento, mas de uma violência que mais se oculta do que se mostra.

Sob esse aspecto, “Goodfellas” seria exatamente o oposto do filme de 1931. Mas, o que está em jogo, além da exibição dessa violência “escondida”, é, como em os “Os bons companheiros”, ambos os protagonistas mergulham (não submergem, é diferente) nessa vida impulsiva e se deleitam com o poder. É, demasiadamente, humano.



É isso que confere à essa obra um de seus fascínios. Esse filme não apenas quebra a ideia do gênero filmes de gangsteres, como se convencionou mencionar. É a mão do narrador que confere a ele o status de obra de arte.

Como diz Edward Buscombe em “A ideia de gênero no cinema americano”, “a principal justificação do gênero não é a de que permite a diretores meramente competentes fazer bons filmes (embora possamos estar agradecidos por isso), mas a de que permite a bons diretores tornarem-se melhores ainda”.

Scorsese, como sempre, imprime sua mão, para lembrar uma expressão de Walter Benjamin utilizada aqui, provavelmente, de modo indevido, na argila de sua experiência. Sua história é a de ítalo-americanos, mas seu filme é sobre o viver indomável.

Na edição especial em DVD do filme, Thelma Schonmaker, sua montadora, ilustra, em sentido próximo, esse aspecto. Diz ela: “esse foi um daqueles filmes que montamos como um cavalo. Foi tão bem escrito e moldado por Pileggi (autor do livro, “Wiseguy”, que deu origem ao filme e também roteirista da película junto com Scorsese) e Marty (Scorsese), que tinha sua própria energia, sua própria força. Enquanto Marty o criava, já sabíamos que seria incrível. Era muito forte e tinha muito ritmo”.



Força e ritmo. É a síntese dessa linguagem que atravessa todo o filme. A cena dos corpos exibidos em diferentes lugares é guiada pela música; o close em Jimmy Conway (Robert De Niro) no balcão destaca seu contido cinismo. Sim, forma e conteúdo. É impressionante que, hoje, isso pareça, cada vez mais, algo raro.

Basta ver, por exemplo, outras duas sequências icônicas, a da entrada de Henry no Copacabana em uma única tomada usando uma steadicam (novidade na época) e o final frenético do neurótico personagem. Inventividade não é a palavra certa.

“Os bons companheiros”, como grandes obras, foi tão imitado, copiado, citado e, como sempre, na maioria das vezes, das piores formas, que, talvez, jovens cinéfilos acreditem que Tarantino tenha criado o contraponto imagem/trilha sonora.



A clássica cena, “Você me acha engraçado?” em que Joe Pesci e Ray Liotta improvisam só pôde ser realizada exatamente porque forma, conteúdo e ritmo formam um único elemento fílmico.

Inimitável, porque moldado em força e ritmo, a obra prima de Scorsese ainda espanta, encanta e vibra. Como a vida na qual “você pode estar sorrindo e rindo num segundo e [estala os dedos] numa fração de segundo está numa situação em que pode perder a vida”.


Este texto foi publicado em 27/09/2020 no Diário Online

Relivaldo Pinho é autor de, dentre outros livros, Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia, ed.ufpa.
Site: Relivaldo Pinho
[email protected]

[Comente este Post]

Postado por Relivaldo Pinho
7/10/2020 às 16h23

 
Briga de foice no escuro

Lutar sem
conhecer
o
adversário

A peleja,
somos eu
e meu
pensamento

E estamos
conversados...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
7/10/2020 às 15h01

 
Alma nua

Lembrei os sonhos tão somente,
Os sonhos de um mundo irreal.
Um mundo habitado pela mente,
Inclemente com a razão ideal.

Qual será o ideal da reminiscência?
Saberias tu narrar a contento?
Ai de ti! A mim, não me cabe,
Não tenho o tal discernimento.

Se o sonho teu é um desalento,
Transtorno à vida, aquela que é tua.
Desnuda-te das vestes fugazes,
Retém em ti a pureza da alma nua.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
5/10/2020 às 23h41

 
Perplexo!

O Brasil vive a pandemia do Covid-19,
Vive uma endêmica corrupção política,
Passa por um descrédito internacional;
Mas o governo não aceita a crítica,
Perplexidade de um povo: vida e morte.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/10/2020 às 18h01

 
Orgulho da minha terra

Quantas saudades eu sinto
Nas lembranças engavetadas,
Do meu vovô e vovó,
Da minha mãe muito amada,
Do meu pai empreendedor,
Das flores e do beija-flor,
Do campo e da passarada.

No campo, minha primeira morada,
A minha escola também,
Dos versos que escrevi,
Ao gorjear de um vem-vem,
Do pôr do sol escaldante,
Desse, eu continuo amante,
A natureza propicia o bem.

Nas lembranças vou muito além,
Das coisas ligada ao meu torrão,
Do cafezal na florada,
Do sisal e do açafrão,
Das noturnas farinhadas,
Folia de rei com a moçada,
Das noites de luar do meu sertão.

Pulsa forte o musculo do coração,
Ao lembrar dos terços e das novenas,
No São João a fogueira crepitando,
Em junho, de Santo Antonio a trezena,
Em maio, terço a virgem Maria,
Reinava a paz e a alegria,
Vizinhança se contava as dezenas.

Hoje, segurando a minha pena,
Transcrevo o que a mente dita,
Na várzea o verde do arrozal,
O fumo, uma plantação bonita,
Pessoas a colherem o algodão,
Ensacados sobre fila ao chão,
Pelo ser que na terra acredita.

A chuva era a lágrima bendita,
Caindo das nuvens em profusão,
Logo os córregos se formavam,
Corriam terra abaixo em direção,
Ao rio que da serra despencava,
O açude, enchia e transbordava,
Dando vida a toda vegetação.

O homem sentia compaixão,
Do outro, o menos afortunado,
Lhe concedia água e alimento,
E isso era de bom agrado,
Diante de Deus o onipotente,
A fé sempre foi onipresente,
E assim também eu fui criado.

Hoje, não posso ficar calado,
Diante da tamanha exploração,
Da terra que me deu tanta nobreza,
Bons costumes e a boa educação,
Paro e penso com um imenso cuidado,
Se hoje, sou eu bem-aventurado,
Orgulho-me ao pisar sobre esse chão.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/10/2020 às 15h28

 
Assim ainda caminha a humanidade

Lá em 1956, George Stevens lançava um dos maiores clássicos de sua carreira. Carreira essa interessante, onde figuram filmes como Um Lugar ao Sol (1951) e Os Brutos Também Amam (1953). Giant (Assim Caminha a Humanidade, no Brasil) é uma adaptação do best seller homônimo de Edna Ferber, do qual Stevens teve um grande trabalho para comprar os direitos, mesmo antes do livro ficar famoso. Assim como nos outros dois filmes mencionados, o diretor trabalha a visão comportamental do cidadão norte americano da época, o que sempre causou problemas tanto para ele, quanto para a autora do livro. Podemos dizer que os texanos ficaram ultrajados vendo todo o seu machismo e racismo sendo expostos para o mundo inteiro.

A narrativa percorre três gerações de uma família texana tradicional. Começando com Bick (Rock Hudson) que vai até o leste do país para comprar um cavalo reprodutor e acaba voltando casado com Leslie (Elizabeth Taylor), uma mulher sensível para os parâmetros de sua terra, mas que aprende rápido e se torna tão dura como os texanos, isso sem perder sua amabilidade. Taylor está sensacional em cena, sua personagem é uma mulher decidida e que sempre levanta questões conservadoras, sempre mostrando que embora estivesse casada, era uma mulher independente e dona de si.

O lado oposto de sua personalidade é Luz (Mercedes McCambridge), irmã de Bick, Luz é uma solteirona, feita aos moldes sulistas, daquelas que toca o gado e colhe a plantação. É interessante ver a diferença dessas duas personagens em relação a ideia que a história traz, como uma quebra de tabu, isso lá nos anos 1950.

Entre o casal está um personagem que se tornou um ícone do cinema, Jett Rink. Interpretado por James Dean, o personagem tem um papel importante na vida do casal e como um personagem na crítica que o diretor procura apresentar. Rink é um empregado diferente dos outros, embora trabalhe para Bick, é um dos poucos que é texano. Sua vida não é fácil, o que lhe garante o emprego é o carinho que Luz tem por ele. Esse carinho vira um pequeno pedaço de terra, que Luz deixa para o rapaz depois que morre, decorrente a um acidente de cavalo. Rink encontra petróleo e, a partir daí, passa a ser uma pedra no sapato de Bick.

Quando falamos sobre Assim Caminha a Humanidade, precisamos falar sobre a cena em que o juiz da região vai apresentar o testamento de Luz. Os homens mais importantes estão reunidos, todos para convencerem Jett a aceitar o dinheiro que equivale ao dobro do valor do terreno. Mas em uma das cenas mais memoráveis de James Dean, quiçá do cinema, ele recusa e vai embora.

Com essa narração genérica, muitas coisas acontecem nesse meio tempo e posteriormente, mas posso dizer que assim ainda caminha a humanidade. No filme, vemos todos esses problemas sociais, que podem ser associados a cultura do lugar/época, mas tudo evolui e sempre esperamos que seja para melhor. Isso acontece no decorrer da história de Ferber, Bick só passa a ser herói, aos olhos de Leslie, quando se levanta e discute, briga e apanha de um cozinheiro de lanchonete, racista.

Porém, 68 anos depois (o livro foi lançado em 1952), vivemos um retrocesso e parece que nada aprendemos com o passado. O mundo continua tão duro para aqueles que buscam acabar com esses problemas sociais quanto era naquele Texas. Isso faz parecer que estamos parados no tempo, estagnados. Mesmo com tantas Leslies atuando fortemente por mudanças, raramente temos Bicks dispostos a aprenderem que nem tudo é o que era e que não precisam ser.

Enquanto vejo o fascismo covardemente no sopé da porta, imagino se seria possível convidá-los para assistir uma cena ou outra de Assim Caminha a Humanidade (como aquelas em que Leslie "discute" sobre negócios ou que Bick briga na lanchonete). O cinema, assim como outros meios de cultura, tem muito a nos ensinar, talvez por isso ele seja tão temido por aqueles que possuem o poder. Mas, sabendo a incapacidade de um diálogo coerente com essas pessoas, a gente segue indo, esperando fazer jus ao que pregamos.

[Comente este Post]

Postado por A Lanterna Mágica
27/9/2020 às 12h49

 
Três tempos

Eu tenho três mudas de roupa de cama. Uma pra faculdade no fim de semana, outra pra casa e a terceira pra roça onde dou aula. Minha aflição de noite é acordar e não saber em que lugar estou. Tem vez que levanto, me assusto com as sombras, volto pra cama, o sono tarda. As estradas passando debaixo da Kombi não me saem da cabeça. Já falei que no dia em que estiver com o diploma na mão, eu não quero saber de mais nada. Vou trabalhar num banco ou numa repartição. Nunca pensei em ser professora. Quando vi já estava dando aula. Cada sala de aula, uma, nem mesa pra assentar. E quanto mais no mato pior. As coisas mais tristes, igual numa escola dum lugarejo onde eu tinha que botar comida na boca dum menino pequeno que a irmã levava pra aula porque eles não tinham ninguém no mundo.

Eu falo que não aguento mais, só na hora da raiva, depois esqueço. Tem coisas que dão no nervo: a notícia dum aluno que larga da escola pra panha do café, ou a menina na TV pegando errado no lápis.

Tudo começou ainda de pequena na fazenda dando aula pras bonecas de palha que eu fazia. Até esquecia de comer. Tinha vez, mamãe aparecia com um prato dum agrado dizendo pra soltar as crianças pro recreio. Todo dia eu sentava, fazia a chamada, passava um pito num e noutro e começava. A aula que assistia de manhã, eu repetia pra elas. Os nomes eram os mesmos dos meus colegas.

No ginásio comecei a dar reforço pros irmãos e pros vizinhos. Quando vi estava terminando o magistério. Mas o pior foram as viagens pra faculdade. Num fim de semana a Kombi estragou e a gente ficou um tempão esperando socorro. Se chovia forte, a estrada virava um mingau, as ribanceiras, só Deus. Tinha vez, se não descia pra empurrar, passava a noite na estrada. Um dia na subida da serra perto de onde o padre Júlio Maria morreu, o barranco veio abaixo, por pouco não pega a Kombi.

Na faculdade, era a conta de chegar e engolir um lanche. Depois da aula a sala virava dormitório. A turma amontoava as carteiras nos cantos e espalhava os colchões. No sábado, o dia inteiro, as horas custavam a passar. Voltava pra casa, batia na cama e não via mais nada. No domingo, a mãe, agrado e carinho. O pai, apesar da resistência — não queria que eu fizesse faculdade, lugar de mulher é em casa, sempre dizia —, entendia a minha obstinação e mesmo carrancudo não deixava de me olhar com ternura.

No primeiro dia de aula na roça, na hora de dormir, jurei que não ficava naquela escola: a sala de chão batido, as carteiras sem encostos, nem quadro direito. Ali eu não botava mais os pés. Na hora de voltar pra casa pra pegar a Kombi pra faculdade na sexta-feira, um aluno que não tinha falado nada desde o primeiro dia, nem com os colegas, chegou perto, tocou o meu braço, perguntou: “Televisão é bonito, professora?” Eu sentei no ônibus, baixei a cabeça, fiquei com raiva de mim e jurei que nunca ia abandonar os meninos.

Todo ano é a mesma coisa: os rios enchem, transbordam os açudes, as jabuticabas estufam. As crianças entram na escola, afeiçoam-se a mim, trazem flores do mato, me abraçam, desaparecem duma hora pra outra. Chegam outras ocupando os lugares das que foram, tudo tão transitório, tão rápido. Eu não sei quando isso tudo vai acabar, se vai acabar.

[Comente este Post]

Postado por Blog de Anchieta Rocha
12/9/2020 às 16h10

 
Matéria subtil

Nem tudo
o que se tange
ou nos tange
é visível...

Absorve-se brisas
assim como
quem se musifica

Música & Brisa
absorvem o corpo
e o corpo
absorve o espírito

O espírito absorve
O que fica.

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
10/9/2020 às 12h25

 
Poder & Tensão

Nas ondas do mar, nas ondas sonoras, nas ondas de ventos, nas ondas da emoção, nas ondas magnéticas,... é por onde anda a humanidade... Sem ondas o mundo desanda...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
8/9/2020 às 21h47

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM GUIA PARA A VIDA DAS GAROTAS
KATIE MEIER
NOVO SÉCULO
(2006)
R$ 7,50



DEBATES 6 - FIM DO POVO JUDEU
GEORGES FRIEDMANN
PERSPECTIVA
(1969)
R$ 6,90



MULHERES CHEIAS DE GRAÇA
PE. FABIO DE MELO
EDIOURO
(2018)
R$ 12,00



100 DICAS INFALÍVEIS PARA EMAGRECER E SE MANTER EM FORMA
FRED A STUTMAN E M D
SEXTANTE
(2007)
R$ 5,00



4A. MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA AMBIENTAL
VÁRIOS AUTORES
ECOFALANTE
(2015)
R$ 10,00



UM JEITO VESGO DE SER
ALCIENE RIBEIRO LEITE
DO BRASIL
(1988)
R$ 5,00



MENSAGEIRO DE SANTA RITA - ABRIL Nº387
NÃO INFORMADO
NÃO INFORMADA
(1965)
R$ 10,00



CULTURA NEGRA E IDEOLOGIA DO RECALQUE
MARCO AURÉLIO LUZ
PALLAS
(2011)
R$ 20,90



O SENHOR É MEU PASTOR
LEONARDO BOFFF
SEXTANTE
(2004)
R$ 8,00



MULHERES OUSADAS CHEGAM MAIS LONGE
LOIS P FRANKEL
GENTE
(2005)
R$ 5,00




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês