Digestivo Blogs

busca | avançada
69289 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Minicursos na PUC Minas
>>> 7 de Setembro
>>> Dublinenses
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Villa-Lobos tinha dias de tirano
>>> Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo
>>> White Blues Boys
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
Mais Recentes
>>> Livro de Uma Sogra – Obra Completa Nº 5 de Aluísio Azevedo pela Waldré (1982)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1992)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Abril (1979)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Abril (1979)
>>> Decamerão (2 volumes) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1981)
>>> Relações entre a Igreja e o Estado de Rafael Llano Cifuentes pela José Olympio (1989)
>>> A Interpretação do Homem de Renato Kehl pela Francisco Alves (1951)
>>> Envelheça Sorrindo de Renato Kehl pela Francisco Alves (1949)
>>> O Milagre de Lourdes de Ruth Cranston pela Melhoramentos (1955)
>>> Diário de um pároco de aldeia de Georges Bernanos pela Agir (1964)
>>> A Doutrina Social da Igreja de G. C. Rutten, O. P. pela Agir (1947)
>>> Maria e o Evangelho de Jean Galot pela Aster (1961)
>>> O que sobrou do paraíso? de Jean Delumeau pela Companhia das letras (2003)
>>> Senhores de engenho, judeus em Pernambuco colonial 1542-1654 de José Alexandre Ribemboim pela 20-20 Comunicação (2002)
>>> Os magnatas do tráfico negreiro de José Gonçalves Salvador pela Pioneira, Edusp (1981)
>>> A comunidade judaico-cristã de Mateus de Anthony J. Saldarini pela Paulinas (2000)
>>> A Formação da Terra - Biblioteca Salvat de Grandes Temas de Vários Colaboradores pela Salvat (1979)
>>> As origens do Novo Testamento de C. F. D. Moule pela Paulinas (1979)
>>> Mártires do coliseu romano de Emma Leslie pela Aeebar (1984)
>>> Filosofia para entender teologia de Diogenes Allen e Eric Springsted pela Paulus, Academia cristã (2011)
>>> Nigella Bites de Nigella Lawson pela Ediouro (2019)
>>> Minidicionário da Língua Portuguesa de Francisco da Silveira Bueno pela FTD (1996)
>>> Desenho Técnico de Thomas E. French pela Globo (1958)
>>> Métodos de Ensaios nas Indústrias de Celulose e Papel de Alfred Halward e Outro pela Brusco
>>> Minha Vida na Estrada de Gloria Steinem pela Bertrand Brasil (2017)
>>> Quantitative Analysis de V. Alexeyer pela Mir
>>> Pulp Technology and Treatment For Paper de James d'A. Clark pela Miller Freeman (1978)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 47 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 46 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 43 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 41 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 40 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 39 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 38 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Cinco Minutos e a Viuvinha de José de Alencar pela Ciranda Cultural / W. Bucb (2009)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 37 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 36 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 35 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 34 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Fim de Fernanda Torres pela Companhia das Letras (2013)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 33 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 32 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 31 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Cinco Minutos e a Viuvinha de José de Alencar pela Ática (2002)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 30 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 29 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> Cardiologia Baseada em Relatos de Casos de Carlos V. Serrano Jr.; Flávio Tarasoutchi; Outros pela Manole (2006)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 28 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 27 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
>>> A Bíblia mais Bela do Mundo 26 de Pe. Antônio Charbel pela Abril (1965)
BLOGS

Terça-feira, 17/11/2020
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
O poder da história

Vivo um misto de apreensão e ansiedade. A apreensão vem da época em que vivemos, dura época. Não bastasse esse vírus que está acabando com vidas, tanto aquelas que partem como aquelas que ficam, ainda teremos uma disputa política cheia de revés. Espero que um dos casos (epidemia ou eleição) não anule o outro, prestemos atenção. A ansiedade vem da minha necessidade, desde pequeno, de ir ao cinema. Claro, não o farei até que surja uma vacina funcional, mas fica a expectativa de que isso ocorra logo.

Enquanto o dia não vem, fico entre o filmes que tenho em DVD e aqueles que são exibidos nos canais de TV. Falando nisso, gostei muito do que foi exibido em Gramado esse ano, achei Todos os Mortos (Caetano Gotardo e Marco Dutra, 2020) um filme sensacional, mas King Kong em Asunción (Camilo Cavalcante, 2020) fez por merecer o prêmio. Mas em uma retrospectiva de filmes que foram exibidos em Berlim (?), Assisti Não Estou Lá, de Todd Haynes, lançado em 2007. Gosto muito de Bob Dylan, principalmente no início de sua carreira, ver o filme, com brilhante atuação de Cate Blanchett, deu mais gosto a minha admiração.

Porém, Não Estou Lá traz uma certa melancolia. Embora aparentasse uma vida sossegada, como ele mesmo disse “um homem é um sucesso se pula da cama de manhã e vai dormir à noite, e, nesse meio tempo, faz o que gosta”, a vida Dylan sempre foi uma luta, hora contra o governo e o militarismo, outras vezes contra a sociedade. O fato é que no filme de Haynes existe um existencialismo aterrador, que tenta transmitir tudo o que o cantor passou em todos seus anos de existência, desde a sua infância até sua morte. Para aqueles que prestarem mais atenção aos detalhes, é um filme pesado, Mas essencial para quem gosta de um bom filme.

Mas como o filme é bom, deixou aquela sensação de frieza, a dita melancolia. Já sem muita esperança no mundo em que vemos (novamente!) acontecer tudo aquilo a que Dylan lutava contra, decidi seguir uma dica e assisti Wiñaypacha, filme peruano dirigido por Óscar Catacora. Esse possui um valor cultural e antropológico, apresentando um casal de idosos que vivem em uma região remota dos Andes. Uma produção sensível, que se não anima por sua história, bem escrita, porém triste, nos encanta com sua beleza de cenários e cores. Os protagonistas são em suas vidas aquilo mesmo que é mostrado pela câmera e mesmo sem saber até então o que era cinema, atuam de maneira primorosa.

Em poucas horas vivi um misto de emoções. Passei de um revolucionário a um homem sossegado do campo, um astro do folk a um traidor popular. Ainda enfrentei a solidão de uma montanha isolada e vi a magia de uma cultura que, infelizmente, morre a cinco mil metros de altura.

Isso é o que faz o cinema ser tão importante na vida de tantas pessoas. Um filme pode ser usado como um meio para muitas coisas. Pode despertar esse misto de emoções, ser usado como um protesto ou despertar a curiosidade cultural e/ou social de um povo. Uma história, se bem escrita, tem esse poder e hoje em dia descobrimos que podemos vê-la em qualquer lugar, claro que a tela grande é sempre a melhor opção, e que independente da situação, sempre vamos precisar delas.

[Comente este Post]

Postado por A Lanterna Mágica
17/11/2020 às 07h00

 
Caraminholas

Caraminholas tem,
Quem cabeça tem,
Em desuso,
sem uso e,
sem ninguém.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
2/11/2020 às 16h58

 
ETC. E TAL

Ana

de longe

me espia

do cimo da ventania.

Suas palavras

caladas

me cortam

feito navalha.

Mora nos ventos

não fala

mas seu retrato se traça

em cada nuvem que passa.

Me recrimina

a poesia

aonde afogo

os meus dias.

Do destempo

me contempla

com seus olhos de cristal.

Pergunto qual seu mistério

zangada ela não responde

e volta a me olhar de distante

com seu olhar de vitral

— Ana etc. e tal.


Ayrton Pereira da Silva

[Comente este Post]

Postado por Impressões Digitais
1/11/2020 às 16h32

 
Acalanto para a alma

Eu quero um lugar aonde haja vida,
Que os sonhos tornem-se reais,
Um refúgio de acalanto para a alma,
Recanto único no silêncio e no deslumbre.

Cristalino no sussurrar da brisa,
Na ventania que tange e deita o matagal,
Na sombra exposta pelas copas dos arbustos,
Nas águas que deslizam em seus regatos.

Um lugar para ouvir a sinfonia da passarada,
Sob a sombra, ouvir o silêncio sem pavor,
A beleza das rosas e o perfume do jasmim,
Vislumbrando tua imagem na mente transfigurada.

Do amor rompante, pela silhueta deslumbrada,
Nesse canto de recantos incontestes,
Despindo vagarosamente as tuas vestes
Num leito ilusório, teu corpo sobre flores e cetim.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/11/2020 às 12h39

 
Desde que o mundo é mundo

O homem se faz corrupto,
Porque assim, não nasceu,
Em um momento oportuno,
Do caráter, ele esqueceu,
Houve uma oportunidade,
Por certo se corrompeu.

Herodes era um corrupto,
Pilatos lavou as mãos,
Barrabás o criminoso,
Também deu o seu quinhão,
O homem veio ao mundo,
E trouxe a corrupção.

Não se pode generalizar,
Pois, sempre há exceção,
A humanidade é corrupta,
Mesmo antes de Platão,
Jesus foi incorruptível,
E morreu ao lado do ladrão.

É da natureza humana,
Deus lhe deu essa tutela,
Somos parte da boiada,
Mas, não precisa estar nela,
Escolha o seu modo de sê,
Aconselho sair dessa esparrela.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/11/2020 às 11h48

 
O velho suborno

A corrupção é uma praga que vem desde os primórdios da humanidade. Sugere o mesmo tempo da vida humana na terra. É um termo em voga no mundo inteiro e o Brasil não estar à margem dessa desventura humana.

A história nos mostra ao longo de seu percurso, nos vários níveis de governos, atos de subornos dos governantes, dos líderes tribais, dos líderes religiosos, dos empresários e porque não, parte da sociedade, nos seus países, suas cidades, suas tribos e suas entidades sociais.

Hoje, o “toma lá, dá cá” é parte integrante de qualquer governo no mundo. Por mais que seja combatida, a corrupção parece erva daninha, insiste e persiste em enraizar-se na sociedade, nas organizações públicas ou privadas. Sejam: na economia, na saúde, na educação, no meio ambiente, na infraestrutura, entre outras tantas áreas de atuação organizacional.

A corrupção é um ato, que comina com o esvaziamento econômico do Estado e da população em geral. Não poupa ninguém, crianças, jovens e adultos, mesmo os corruptos e corruptores.

Com o suborno vem a falência das empresas, desempregos, escassez de recursos, descréditos internos e externos, inflação e o descontrole econômico e financeiro das nações.

A corrupção existe desde que o mundo é mundo e, nele o homem habita.

Ora, se a corrupção existe desde sempre, se ela não poupa ninguém, vamos continuar corrompendo e sendo corrompidos? Claro que não. É necessário empenhar-se para estancar essa praga, que deforma a humanidade do ponto de vista ética e moral. O homem e tão somente o homem pode derrotar esse mal inerente a raça humana.

Oh! Isso é muito difícil! Sim é difícil, mas não impossível. Você está fazendo o quê para ajudar a diminuir a propagação dessa prática escabrosa? Ou você é daqueles que falam e apontam os outros, mas não olha para dentro de si mesmo, terminando por fazer o que falam e o que apontam?

Entendi. Você não procurou, mas a oportunidade apareceu, logo, “farinha pouca meu pirão primeiro”. A corrupção é da natureza humana. Mas não precisa ser corrupto ou corromper, simplesmente por sê humano.

Devemos combater o bom combate. A estrutura familiar é o começo de tudo. Vejo na formação do caráter, no aprimoramento dos valores, individuais e coletivos, de indivíduos e famílias, o alicerce para uma sociedade mais justa e menos individualista.

Dizem: “Onde passa um boi, passa uma boiada”. Mas, não necessariamente é preciso estar no meio da boiada. É uma questão de princípio interno, vontade de sê você mesmo e nunca o que a sociedade massificada lhe impõe. Os instintos primitivos podem e devem ser modificados, através, de aprendizagem, conhecimentos e adequações às boas práticas para o bem estar de todos.

Segundo a transparência internacional, em 2015, os dois países mais corruptos eram a Coreia do Norte e a Somália e os dois países menos corruptos eram a Dinamarca e a Finlândia. O Brasil estava na 76ª posição. Pergunto: é a delimitação territorial que é corrupta? Lógico que não. São seus dirigentes, seus empresários e parte da sua população vigente.

Por que há países mais e países menos corruptos? Porque esse flagelo está ligado a evolução humana, a cultura mais aprofundada, mais interiorizada. Os mais evoluídos, enxergam e primam pelo bem estar da coletividade, do todo e nunca da individualidade. Os menos evoluídos são do tipo,”Mateus, primeiro os meus”. Preciso traduzir? Lógico que não.

O suborno ou corrupção, escraviza o homem, numa das práticas mais odiosas do mundo. Mata indiretamente, corroem as bases de uma democracia, sucumbe com a saúde, com a educação, com a segurança e com o bem estar da população de qualquer nação acometida dessa lepra humana.

Fiquemos atentos a esse mal maior. A corrupção não acaba assim tão fácil, como apregoa os políticos mal informados. Falam isso apenas para esconderem seus próprios atos de corrupção, subornos, juntos aos seu asseclas. Fiquem de olho, sem omitir-se jamais, diante dos ali babás de plantão. Os países estão cheios deles e o Brasil não foge a regra.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/11/2020 às 11h17

 
Normal!

Nem você, nem eu e ninguém,
Aceita esse novo normal para a vida.
Eu quero, você quer e todos querem,
A nossa normalidade perdida.
Mas onde perdemos o nosso normal?
Quão infame esse tempo doentio,
Perdemos a nossa face, o nosso sorriso,
A sensatez e o equilíbrio da alma.
Eu quero, você quer, todos nós queremos,
O normal da palavra ontem.
Ela, pois, é passado,
O tempo não nos fala do amanhã,
E mesmo assim eu grito,
Você grita e todos gritam.
E que esse grito não seja uma palavra vã.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
7/10/2020 às 17h45

 
Os bons companheiros, 30 anos




“Quando a polícia siciliana finalmente quebrou a máfia no começo dos anos 90, prenderam alguém – esqueço o nome dele, mas era o segundo no comando – e um repórter italiano perguntou para ele se havia algum filme fiel sobre aquele mundo. E ele disse: ‘Ah, ‘Os bons companheiros’, na cena em que o cara diz ‘Você acha que eu sou engraçado?’. Porque essa é a vida que a gente leva. Você pode estar sorrindo e rindo num segundo e [estala os dedos] numa fração de segundo está numa situação em que pode perder a vida”.

Esse depoimento de Martin Scorsese é a melhor descrição e metáfora de seu filme, “Os bons companheiros” (“Goodfellas”), lançado em 1990. Um filme que se tornaria, como outros do diretor , um ícone do cinema por, dentre tantos motivos, a inventividade da linguagem e da representação.

Talvez, inventividade não seja a palavra certa. A película do diretor norte-americano é mais do que isso. Ela faz parte de um gênero e, ao mesmo tempo, o subverte; é linear, não sendo previsível; é sobre o poder, mas quem atira sempre é o instinto.



A trajetória de Henry Hill ( Ray Liotta ) de menino a homem encantado com o mundo da máfia, nos é mostrada em uma narração que parece nos trazer os elementos perfeitos de mais uma história de gangsters. Mas Scorsese não se trai.

“Pensei no filme como uma espécie de ataque” (“Conversas com Scorsese”, de Richard Schickel), diz ele. Essa fúria é a grande marca desse frenesi imagético. Scorsese quer que o espectador, como Joe Pesci (Tommy), sinta o coice da Magnum 44 romper, inesperadamente e, ao mesmo tempo, em slow motion, paralisar você. Pow! Pow!

Isso pode parecer um elogio à violência gratuita e, como nos filmes conhecidos de gangsters, transmitir uma sensação de onipotência e glamour. Mas o filme não é apenas um contraponto desse gênero. Ele é, principalmente, a ascensão e derrocada desse mundo. Não é uma tragédia, e não é uma expiação.

Aqui, o padrão não é “O poderoso chefão” , e sim o belo e, esse sim, trágico, “Inimigo público nº 1” (1931), de William A. Wellman , com a interpretação que projetou James Cagney para a glória.



Scorsese conta sobre o espanto da plateia ao exibir o filme para o elenco do seu “O aviador” (2005). O que impressiona, diz o diretor, é seu aspecto violento, mas de uma violência que mais se oculta do que se mostra.

Sob esse aspecto, “Goodfellas” seria exatamente o oposto do filme de 1931. Mas, o que está em jogo, além da exibição dessa violência “escondida”, é, como em os “Os bons companheiros”, ambos os protagonistas mergulham (não submergem, é diferente) nessa vida impulsiva e se deleitam com o poder. É, demasiadamente, humano.



É isso que confere à essa obra um de seus fascínios. Esse filme não apenas quebra a ideia do gênero filmes de gangsteres, como se convencionou mencionar. É a mão do narrador que confere a ele o status de obra de arte.

Como diz Edward Buscombe em “A ideia de gênero no cinema americano”, “a principal justificação do gênero não é a de que permite a diretores meramente competentes fazer bons filmes (embora possamos estar agradecidos por isso), mas a de que permite a bons diretores tornarem-se melhores ainda”.

Scorsese, como sempre, imprime sua mão, para lembrar uma expressão de Walter Benjamin utilizada aqui, provavelmente, de modo indevido, na argila de sua experiência. Sua história é a de ítalo-americanos, mas seu filme é sobre o viver indomável.

Na edição especial em DVD do filme, Thelma Schonmaker, sua montadora, ilustra, em sentido próximo, esse aspecto. Diz ela: “esse foi um daqueles filmes que montamos como um cavalo. Foi tão bem escrito e moldado por Pileggi (autor do livro, “Wiseguy”, que deu origem ao filme e também roteirista da película junto com Scorsese) e Marty (Scorsese), que tinha sua própria energia, sua própria força. Enquanto Marty o criava, já sabíamos que seria incrível. Era muito forte e tinha muito ritmo”.



Força e ritmo. É a síntese dessa linguagem que atravessa todo o filme. A cena dos corpos exibidos em diferentes lugares é guiada pela música; o close em Jimmy Conway (Robert De Niro) no balcão destaca seu contido cinismo. Sim, forma e conteúdo. É impressionante que, hoje, isso pareça, cada vez mais, algo raro.

Basta ver, por exemplo, outras duas sequências icônicas, a da entrada de Henry no Copacabana em uma única tomada usando uma steadicam (novidade na época) e o final frenético do neurótico personagem. Inventividade não é a palavra certa.

“Os bons companheiros”, como grandes obras, foi tão imitado, copiado, citado e, como sempre, na maioria das vezes, das piores formas, que, talvez, jovens cinéfilos acreditem que Tarantino tenha criado o contraponto imagem/trilha sonora.



A clássica cena, “Você me acha engraçado?” em que Joe Pesci e Ray Liotta improvisam só pôde ser realizada exatamente porque forma, conteúdo e ritmo formam um único elemento fílmico.

Inimitável, porque moldado em força e ritmo, a obra prima de Scorsese ainda espanta, encanta e vibra. Como a vida na qual “você pode estar sorrindo e rindo num segundo e [estala os dedos] numa fração de segundo está numa situação em que pode perder a vida”.


Este texto foi publicado em 27/09/2020 no Diário Online

Relivaldo Pinho é autor de, dentre outros livros, Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia, ed.ufpa.
Site: Relivaldo Pinho
[email protected]

[Comente este Post]

Postado por Relivaldo Pinho
7/10/2020 às 16h23

 
Briga de foice no escuro

Lutar sem
conhecer
o
adversário

A peleja,
somos eu
e meu
pensamento

E estamos
conversados...

[Comente este Post]

Postado por Metáforas do Zé
7/10/2020 às 15h01

 
Alma nua

Lembrei os sonhos tão somente,
Os sonhos de um mundo irreal.
Um mundo habitado pela mente,
Inclemente com a razão ideal.

Qual será o ideal da reminiscência?
Saberias tu narrar a contento?
Ai de ti! A mim, não me cabe,
Não tenho o tal discernimento.

Se o sonho teu é um desalento,
Transtorno à vida, aquela que é tua.
Desnuda-te das vestes fugazes,
Retém em ti a pureza da alma nua.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
5/10/2020 às 23h41

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENCICLOPÉDIA DOS MUSEUS - UFFIZI - FLORENÇA
VÁRIOS AUTORES
MIRADOR INTERNACIONAL
(1968)
R$ 22,00



ECONOMIA & MERCADOS INTRODUÇÃO À ECONOMIA E AO MARKETING
SÉRGIO GUIMARÃES
ÁTICA
(1988)
R$ 12,00



TUDO SOBRE CANÁRIOS
MAURO DE MELLO MATTOS
EDIOURO
(1987)
R$ 17,00



DONA CASMURRA E SEU TIGRÃO
IVAN JAF
ÁTICA
(2017)
R$ 24,00



HEP7A DE RESPEITO - CORINTHIANS C. BRASILEIRO 2017
DANIEL AUGUSTO JR.
ONZE CULTURAL
(2017)
R$ 65,87



TEX ALMANAQUE Nº36
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(2008)
R$ 10,00



DICIONÁRIO DE NOMES
ALFREDO SCOTTINI
EKO
(1999)
R$ 20,75



GUIA DE MESTRES E DOUTORES DA EDUCAÇÃO PÚBLICA FUNDAMENTAL DA
PREFEITURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
CREP
(2001)
R$ 26,28



A VERDADE DA VIDA VOL 7
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-EI
(1995)
R$ 21,84



TARÔ DE MARSELHA - MANUAL PRÁTICO - COM 22 CARTAS ARCANOS MAIORES
ADEMIR BARBOSA JUNIOR
ANUBIS
(2015)
R$ 80,95




>>> A Lanterna Mágica
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Haelmo Coelho de Almeida
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de Isaac Rincaweski
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lourival Holanda
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Ezequiel Sena, BLOG
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
69289 visitas/dia
2,0 milhão/mês