Bar azul - a fotografia de Luiz Braga | Relivaldo Pinho

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
BLOGS >>> Posts

Sexta-feira, 11/3/2016
Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
Relivaldo Pinho

+ de 1000 Acessos

Há uma fotografia de Luiz Braga chamada Bar azul. Em um pequeno bar uma mulher olha pela janela enquanto uma criança, tentando equilibrar-se sobre uma mesa, tenta tocá-la. Ao lado, passam automóveis que, pela velocidade, vemos apenas as silhuetas. O bar, feito de madeira, com alguns indícios de alvenaria e pintado em azul com detalhes em vermelho, tem ainda a imagem de uma paisagem na parte superior de uma das paredes. Uma mesa e algumas cadeiras preenchem o centro. A paisagem parece ser de uma periferia da Amazônia, de Belém do Pará.

Toda e qualquer imagem pode suscitar várias interpretações. Essa não é diferente. Quando vi pela primeira vez, pensei que a imagem poderia servir como uma metáfora da região amazônica. Uma, se quisermos, metáfora-síntese.

A mulher na janela simbolizaria, junto com o ambiente, o habitante amazônico que contempla a realidade com um misto de desinteresse (essa seria a palavra correta?) e impotência diante da velocidade do progresso que passa. Progresso que contrasta com seu ethos que parece apenas lhe dizer respeito de modo circunstancial. Um existir, ao mesmo tempo, inevitável e inalcançável.

Pensando desse modo, estamos próximos do que Benjamin discute em Pequena história da fotografia[1] sobre as possibilidades da fotografia nos revelar, ou suscitar, outras maneiras de observarmos a realidade. Mais especificamente, estamos próximos de sua argumentação sobre o que ele denominou de “inconsciente ótico” e da busca, por parte do espectador, da “centelha do acaso”, que nem a técnica e perícia do fotógrafo podem eliminar.

O espectador estaria sempre em busca “do aqui e agora, com a qual a realidade chamuscou a imagem, de procurar o lugar imperceptível em que o futuro se aninha hoje em minutos únicos, há muito extintos, e com tanta eloquência que podemos descobri-lo, olhando para trás” [2]. É exatamente esse exortar da fotografia que se liga ao modo de vermos Bar azul.

Vemos ali uma certa metáfora de uma realidade. Não a realidade direta ou documental, e sim a realidade sugerida pelo nosso olhar e pelo olhar da imagem. Olhar da imagem porque a fotografia de Luiz Braga não tem um rosto nítido, não se trata de um retrato, está muito mais próxima de uma caracterização social (circunstancialmente existencial), do que de um registro documental ou personalístico.

Daí, talvez, podermos falar que a imagem proporciona uma certa reificação. Dito de outro modo: é só por meio da construção imagética, a do fotógrafo e a nossa (espectador), de nossa forma de organizar a mensagem, os signos, da mímesis da imagem, é que podemos voltar à própria realidade. Um antigo conceito filosófico ladeia essa idéia: verossimilhança.

Se de um lado a fotografia está ligada à habilidade do fotógrafo, de outro ela se separa de sua técnica quando o olhar humano diferencia-se do olhar da câmera. “O inconsciente ótico” está ligado a essa forma da realidade surgir na imagem, forma muitas vezes não programada ou manifesta, mas que revela um outro real, “latente”.

A técnica nesse momento se alia à magia como diria Benjamin. À magia de fazer explodir em um relâmpago, em um flash, uma realidade - ou um “tempo histórico linear e vazio”, na terminologia Benjaminiana. Talvez esse ressurgir do real esteja em Bar azul. A imagem não serve para jornais, nem para álbuns de família. Não é índice imanente de um “fato”/“real”, e sim tem a capacidade de suscitar vários — sociais/ antropológicos.

Já se disse que a fotografia de Luiz Braga vai além, ou não está subjugada a esse propósito social e que igualmente ela recria a realidade esteticamente. Isso não está incorreto, mas é preciso lembrar que a possibilidade da fotografia está ligada a esse desraizar da realidade para nela se integrar de outro modo, através de outra forma.

A imagem de Bar azul é do fotógrafo. Deixa de ser quando se comunica com nossa tentativa de encontrar os vestígios do real, quando esses vestígios são tomados como um instantâneo. Talvez se os carros estivessem parados e não parecessem como relâmpagos não teríamos a mesma noção ou “eficácia” simbólica da imagem, talvez se eles não se contrastassem com a quietude da mulher na janela e com a “fisiognomia” da infância cambaleante não poderíamos fazer tantas ilações. Eis a representação mágica da realidade que a técnica pode proporcionar.

“Evidentemente - diz Luiz Braga - que meus personagens não vivem no paraíso. Mas estão em paz com o seu ambiente. É minha intenção assumir em relação a meus personagens a mesma naturalidade com que sou tratado por eles” [3]. Paz e naturalidade poderiam ser os adjetivos mais perceptíveis em Bar azul. Aí entra o leitor da imagem, que por ser imagem “aberta” lhe sugere polissemias. Não contente com o que ela mostra gostaria de saber o que aquela mulher estava pensando naquele momento, como foi seu dia? Será que espera algo, ou será que apenas olha, gasta o tempo?

Benjamin louva o surrealismo e mais especificamente a fotografia de Atget porque “nessas obras, a fotografia surrealista prepara uma saudável alienação do homem com relação ao seu mundo ambiente. Ela liberta para o olhar politicamente educado o espaço em que toda a intimidade cede lugar à iluminação dos pormenores[4]”.

A alienação de Luiz Braga se assemelha a esse procedimento. As imagens de Atget renunciam aos lugares características da cidade, lugares tão visitados pelo olhar do turista; olhar que, em muitos momentos, paira sobre a Amazônia, o olhar de quem apenas passa. A fotografia de Braga tenta escapar desse olhar quando “ressignifica” a paisagem da região. O bar azul não é o Teatro da Paz e mesmo ao lado do teatro podemos ter vários bares azuis. Essa é a reorganização estética que por vezes surpreende mesmo os nativos, que, em geral, já possuem a “atrofia” no olhar.

Daí um certo caminho a ser percorrido entre olhar a imagem como conhecimento referencial, imediato, típico do jornalismo, dos cartões postais e do retrato e olhar a imagem do Bar que parece conduzir ao reconhecimento da paisagem[5]. A banalidade da cena se desfaz quando a câmera entra. O real se formaliza com a presença da luz que lança seu artifício para ressignificá-lo.

Os vestígios do real fazem parte dessas indagações, da possibilidade de reorganizar algo, que sabemos impossível, que pode surgir de uma imagem, de um relâmpago como um flash, do tempo agora (Jetzeit). Ou no instante da foto no qual a criança se move para tentar se equilibrar, o que provoca um efeito na imagem. Efeito artificial que sempre apagamos das fotos porque “chamuscam”[6] a imagem com o real. É exatamente isso que não pode ser apagado de Bar azul.


[1] BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas. 7 ed. São Paulo: Brasilense, 1994, p. 91-107. [2] BENJAMIN, 1994, p. 94. [3] BRAGA, Luiz. Uma Amazônia intimista. Disponível em: http://www.luizbraga.fot.br . Acesso em: 10 dez. 2007. [4] BENJAMIN, 1994, p. 102. [5] Ver a nota 4 do texto: Retrato, imagem, fisiognomia: Walter Benjamin e a fotografia. In: CHAVES, Ernani. No limiar do moderno: estudos sobre Friedrich Nietzsche e Walter Benjamin. Belém: Paka-Tatu, 2003. [6] BENJAMIN, 1994, p. 94.

Bibliografia consultada:

LISSOVSKY, Maurício. Sob o signo do “clic”: fotografia e história em Walter Benjamin. In: BIANCO, Bela Feldman; LEITE, Mirian L. Moreira (Orgs). Desafios da imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas ciências sociais. Campinas-SP: Papirus, 1998. SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

Uma versão deste texto foi publicada em Relivaldo Pinho


Postado por Relivaldo Pinho
Em 11/3/2016 às 05h27


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês