Hoje é dia de Maria | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O amor que choveu
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meus livros, meus tablets e eu
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> Jardim da Infância
>>> A arte como destino do ser
>>> Essa tal de Dança Contemporânea
>>> O soldado absoluto
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
Mais Recentes
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
>>> Do-In: Primeiros Socorros - Vol. 2 de Juracy Cançado pela Ground (1983)
>>> Do-In: Livro dos Primeiros Socorros - Vol. 1 de Juracy Campos L. Cançado pela Ground (1984)
>>> Amor em São Petersburgo de Heinz G. Konsalik pela Bestbolso (2009)
>>> Buenos Aires de A a Z de Luis Fernando Oliveira Araújo pela Artes e Ofícios (2008)
>>> A Posse da Terra de Cândida Vilares Gancho pela Ática (1991)
>>> O Escolhido (Jurupari) de Francisco Brasileiro pela Clube do Livro (1970)
>>> O Planeta do Sr. Sammler de Saul Bellow pela Abril Cultural (1982)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Brasiliense (1983)
>>> Liberdade Sem Medo (Summerhill) de A. S. Neill pela Ibrasa (1980)
>>> Otimismo em Gotas de R. O. Dantas pela Otimismo (1977)
>>> Portugal: Lembranças de uma Vida de Alberto Mosa pela Elevação (1999)
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela José Olympio (2010)
>>> Não Deixe Para Depois O Que Você Pode Fazer Agora de Rita Emmett pela Sextante (2003)
>>> Não Leve a Vida Tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> Telensino Inglês Básico I vol. 1 de Suely Mesquita Cossenza pela Ministério do Exército (1997)
>>> Estrutura do Direito Penal de Luiz Vicente Cernicchiaro pela José Buschetsky (1976)
>>> Lineamenti Di Storia e de Letteratura Italiana Ed Europea, 2:... de Sambugar- Ermini pela Nuova Italia, Milano (1997)
>>> Novelas/ Raul Pompeia Obras - Volume I de Raul Pompeias/ (org.: Autografo: Afrânio Coutinho) pela Civilização Brasileira/olac (1981)
>>> A Síntese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Fac. de Filosofia de Assis / S (1966)
>>> O Fundamento de Validade do Direito - Kant e Kelsen de Alexandre Travessione Gomes pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Aspectos da Higiene Hospitalar de Hélio Lopes (Engenheiro) pela Impr. Oficial/ Belo Horizonte (2019)
>>> Fundamento da Investigação Literaria de Eduardo Portella/ Autografado pela Rosa dos tempos/ RJ. (1974)
>>> A Amazônia Misteriosa (Formato original) de Gastão Cruls pela Organização Simões: Rj. (1953)
>>> Comunicação Alternativa e Movimentos Sociais na Amazonia Ocidental de Pedro Vicente Costa Sobrinho (Autografado) pela Ed. Univ. Ufpb; João Pessoa (2001)
>>> Emoções Amazônicas: Guia Fotográfico-... dos Ecossistemas Amazônicos de Francisco Ritta Bernardino pela Photoamazonica (1998)
>>> Reumatismo e Artrite: Tratamento Médico e Cuidados Caseiros... de John H. Bland pela Ibrasa (1962)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> A Invasão Farmacêutica de Dupuy e Karsenty pela Graal/ RJ. (1979)
>>> Mosaico Crítico: Ensaios Sobre Literatura Contemporânea de Georg Otte - Silvana Pessôa de Oliveira/ Org. pela Autêntica/ Belo Hte. (1999)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> A Dança da Serpente: a Revolução Silenciosa de Bárbara Heliodora de Sebastião Martins pela Ed. Lê/ Belo Horizonte (1996)
>>> Liga da Justiça "A Guerra da Trindade" de Geoff Johns pela Panini Books (2017)
>>> Star Wars "Episódio IV: Uma Nova Esperança" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Terras do Sem Fim de Jorge Amado pela Martins (1964)
>>> Star Wars "Episódio V: O Império Contra-Ataca" de Disney/ Lucasfilm pela Panini Books (2018)
>>> Star Wars: Ascensão da Força Sombria; Trilogia Thrawn Livro 2 de Timothy Zahn pela Panini Books (2018)
>>> Superman "Universo DC Renascimento" Vol. 2 de K. Perkins pela Panini Books (2018)
>>> The Walking Dead: Segurança Atrás das Grades de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Direito e Relações Internacionais de Vicente Marotta Rangel pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> O Cão: 1000 Perguntas, 1000 Respostas de Théo Gygas pela Discubra (1987)
>>> Follow Up do Recém-Nascido de Alto Risco de Sonia Maria B. Lopes e José Maria de A. Lopes pela Medsi (1999)
>>> The Walking Dead: Os mais íntimos desejos Vol. 4 de Robert Kirkman pela Panini Books (2018)
>>> Torneio de Campeões "Coleção Histórica" de Marvel pela Panini Books (2017)
>>> Escalpo "Edição de Luxo" Livro 2 de Jason; Aaron pela Panini Books/ Vertigo (2018)
>>> Batman "O príncipe encantado das Trevas" Livro 1 de Marini pela Panini Books (2018)
>>> Universo X de Marvel pela Panini Books (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/10/2005
Hoje é dia de Maria
Marcelo Maroldi

+ de 11000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Hoje é dia de Maria. Iniciou-se a segunda jornada da menina. Quando esta coluna for publicada, a jornada já estará encerrada. As crianças de bem não puderam assisti-la, pois o dia da menina começa muito tarde, quando nossas crianças já dormem o sono dos pequenos, bem antes da minissérie invadir minha televisão. Alguns adultos dormem também, o dia da Maria não os atrai. Os intelectuais também não assistem, só gente burra vê TV. É uma pena... coitado do Câmara Cascudo. Todos os dias deveriam ser dias de Maria. Esse foi, certamente, o melhor programa que assisti em toda a minha vida.

Hoje estou com muita dificuldade em escrever essa coluna. Mas não importa!, hoje é dia de Maroldi, eu preciso escrever... Em 30-40 minutos essa coluna necessariamente deve estar finalizada. Essa semana eu selecionei vários assuntos para comentar, e esse deve ser o mal dos escritores menores: não saberem selecionar um tema.Tem tanta coisa interessante acontecendo por aí, meu Deus, como decidir? Minha cabeça gira, eu não sei o que fazer. De novo.

A primeira jornada da minissérie foi no início deste ano e, apenas agora, muitos meses depois, encontrei alguém que a tenha assistido, além de mim. Embora o ibope tenha sido alto (cerca de 30 pontos), eu não encontrava representantes desse ibope. Ninguém tinha assistido, parecia. Em principio, pensava eu, só pessoas com algum nível cultural - e, portanto, social - se interessariam pela minissérie, afinal, é um produto tão diferente dos produtos televisivos tradicionais que consome a massa, como novelas e programas de auditório. Além disso, na região sudeste do país, pelo menos, o folclore e cultura popular é quase que totalmente ignorado. Por aqui, praticamente ninguém se interessa por literatura de cordel, por literatura regionalista fantasiosa (com exceção dos "consagrados"), ninguém se importa muito com a cultura popular nordestina, a matéria-prima da minissérie. Outra coisa: uma minissérie desse tipo, recheada de poesia, música (cantigas, na verdade) e fantasia não é o tipo de produto que costuma atrair grandes platéias. Tinha tudo, portanto, para ser um fracasso de "bilheteria" (aliás, a Globo esperava isso também) e um sucesso de crítica. Os poucos que assistissem iriam gostar. E, então, acabaria ali o espetáculo, a jornada da Maria. Mas, não foi isso que ocorreu. Felizmente.

É, não houve fracasso, e agora estou pensando no primeiro episódio dessa segunda jornada, a da confirmação do sucesso. Eu gostei tanto daquele pato, marreco, ou o que for aquele bicho! Vejam só: ele queria muito, muito saber voar, até se esborrachou no chão tentando... Mas a menina Maria, sapientíssima, explicou para ele que pato não sabe voar mesmo, não tem jeito, algumas coisas não são para todos! Ela talvez pudesse ter dito que "a pessoa é para o que nasce"... Pato é assim, não voa. Quem nasceu para Paulo Coelho jamais será Érico Veríssimo, seu pato, sinto muito. Aceite a sua condição de pato, seu pato.

Com o sucesso de público, a Globo resolve lançar a segunda jornada. Aproveitadores!, pensei. Bom, eles estão corretos, a Globo é uma empresa e precisa ser lucrativa, fazendo produtos que gerem dinheiro. Eles não são aproveitadores!, pensei. Mas, então, duvido que vão conseguir manter o mesmo nível do primeiro. Na primeira jornada, palpitou um amigo meu, havia novidade, havia surpresa, esse era o encanto. Na segunda, também, não caiu o nível. Os atores foram mantidos, evidente. Eles são parte fundamental de um triunvirato demolidor: história, cenário e interpretação. Os cenários são belíssimos, incríveis mesmo. Para começo de conversa, eles são intencionalmente artificiais, não reproduzem fielmente o nosso mundo. É justamente o contrário: ele acentua os detalhes artificiais (na primeira jornada, por exemplo, via-se os fios que conduziam os pássaros voando), mas que fazem parte do imaginário, naquele contexto. Eles evidenciam as fantasias do cenário. Funciona como um reforço intermitente do conto de fadas. A interpretação completa a fantasia. Os sinais propositadamente exagerados, os gestos repetitivos, às vezes forçados, a entonação da voz, o figurino, tudo é perfeito. Mesmo quando os atores cantam - e estes não são cantores - não há uma preocupação extrema em "consertar" a voz de quem canta, é tudo muito natural. É por isso, inclusive, que algumas vezes o som não é perfeito e deixa a desejar. Por vezes chega a ser difícil entender o que se fala ou canta.

A minha coluna não pode ser artificial como o cenário da minissérie, embora eu o seja quando escrevo. Ora, eu sou um escritor, posso mentir quanto quiser, não devo satisfação pra ninguém. Eu quero mentir! Quero escrever absurdos tão grandes que vão me achar um gênio! Se eu não puder ser artificial, de que vale a minha escrita? Mas, mas, bem, aqui é jornalismo, aqui é diferente. Preciso falar a verdade, ainda que inúmeros jornalistas não o façam. Eu preciso inovar, feito a minissérie. Não posso ser mais um. É sempre (muito) mais fácil escrever o trivial, o comum, escrever sobre algo que outros já falaram, já escreveram. A novidade exige talento,coragem. Verdade!, a Globo foi ousada em produzir a minissérie... devo admitir. A minha ousadia vou guardar mais um pouco.

A história é o eixo central da trama. Diferentemente de novelas, por exemplo, que se apóiam mais em celebridades do que no enredo, mais na beleza dos atores que na narrativa, nos diálogos. É fantasia pura, ao estilo infantil (confirma isso o fato de ter sido escolhida a semana da criança para passar a série, embora as crianças não a estejam vendo). Como a idéia central da maioria dos contos de fadas, sempre existe uma mensagem a ser transmitida. Eu não vou arriscar dizer qual é esta mensagem, até mesmo porque este tipo de mensagem é totalmente subjetiva, cada um entende como quiser, e elas são inúmeras no Hoje é dia de Maria.

Eu adoro conto de fadas, em especial se houver menos fadas e mais contos. Embora haja vários psicólogos que os critiquem, eu não ligo! Ainda mais agora, nessa era de superproduções Hollywoodianas, os caras fazem cada coisa, meu amigo! Mas eu gosto mais dos livros de contos de fadas. Aqueles desenhinhos bonitinhos, as letras grandes, é tudo ótimo! Foi a minha porta de entrada para a literatura, e suponho que para outras pessoas também. Eu lembro que o primeiro livro que eu peguei em uma biblioteca na minha vida era um livro de histórias infantis, feito as da Maria. Mas eu não li, não sabia ler... Fiquei olhando as figuras e pensando se um dia iria conseguir decifrá-los. Mas eu logo vi que eu gostava de fantasia, de mundos que não parecem existir, de animais que falam, bonecos mentirosos, viagens para outros mundos, todas essas invenções malucas que alguns chamam de magia.

Hoje é dia de Maria justifica ter em casa uma televisão. Não irei retomar aquela velha discussão sobre televisão e nem mencionar os que não a assistem por dizerem que nela só temos lixo. Hoje é dia de Maria desmente essas pessoas, fez valer a pena ficar acordado até mais tarde e fez eu me orgulhar da nossa cultura e da nossa criatividade.

Eu não assisto muito a televisão, ainda que sempre escreva sobre ela. Às vezes, tem umas coisas excelentes, como a minissérie que foi o mote dessa coluna. Ah, a minissérie foi sensacional, como é bom sonhar. Sonhos feitos de histórias inacreditáveis e jamais acordar para o mundo feio e cinza. Eu queria sonhar mais. Só sonhar.

Suspiro

Estou cansado demais para escrever alguma coisa. Eu tenho que fechar os olhos, respirar longamente e torcer por algum suspiro aparecer. Somente um ruído poético já me serve. O ar inspirado irriga a mente. Qualquer semente de poesia, de nostalgia ou esperança, melancolia ou alegria, verdade ou mentira. Eu sou o que eu escrevo, se não minto. Mas eu minto, e ainda sou o que escrevo. Eu sempre me autorizo ser o que não sou. E finjo não ser o que sou quando quero adormecer. É durante a noite que a taquicardia se apresenta. Eu abro os olhos para afastá-la. Conheço bem sua imagem. Caço a palavra, já alcancei o sentimento. As letras vão se juntando. Às vezes me sinto bobo, mas não é sempre. Às vezes me sinto importante, mas não é sempre. As horas passam para o mundo. O tempo nunca existiu para mim. Eu me refugio em mim mesmo. Eu me distraio me escondendo de mim. Quando eu me acho já é tarde. É sempre tarde depois que o sol se põe. Enquanto o galo não cantar ainda posso ser eu mesmo. Depois não! Lavo a cara para ser mais ordinário. Comum mesmo. E visto a farda transparente sobre a roupa. As palavras estão distantes agora. Até penso que nunca as tive. Passei pela noite como quem passa pela rua deserta...Talvez tenha escrito as palavras mentirosas.

Marcelo Maroldi
São Carlos, 17/10/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
04. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos
05. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton de Celso A. Uequed Pitol


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2005
16h28min
Também fiquei fascinado com Hoje é Dia de Maria. Nunca vi nada algo assim na televisão brasileira, tão ambicioso, luxuriante, caprichado, atrevido. Visualmente é irretocável. A música de Tim Rescala é sofisticada, repleta de instrumentos como trompa, oboé e violinos, cheia de climas e crescendos adequados. A trama mistura conto de fadas, Dom Quixote, Homero, Chaplin, Fellini, Bíblia e literatura de cordel. Há várias cenas fantásticas, muito bem dramatizadas. Como no primeiro capítulo, quando Osmar Prado "ressuscita" a boneca vivida por Inês Peixoto. Ou Maria conversando com seu pai através da chama de um fósforo. Ou quando Dom Chicote é julgado em praça pública, numa cena que mistura circo e paranóia comunista: ele reclama da falta de poesia no mundo, a câmara abre e aparece a equipe de filmagem, como se a lição do personagem se estendesse para quem fez a série e também para o telespectador. O tempo todo a série fica no limiar entre onírico e real, urbano e rural, humano e cruel. A direção de Luiz Fernando Carvalho utiliza todos os meios possíveis. Nenhum, nenhum ângulo é óbvio. A edição abusa de efeitos de fast e slow, da possibilidade da repetição como recurso. E o mais incrível é que, ao contrário de quase cem por cento do que passa na telinha hoje, a série não é sentimental, moralista ou edificante. Em uma conversa com amigos surgiu a idéia de que Hoje é Dia de Maria poderia ter sido feita para o cinema. Discordo. Uma rara chance de ver inteligência na televisão não pode ser desperdiçada. Parabéns pelo texto, Marcelo.
[Leia outros Comentários de Jonas Lopes]
18/10/2005
08h56min
Marcelo, também assisti à primeira exibição de Hoje é Dia de Maria. E como você, simplesmente, me encantei. A riqueza dentro da simplicidade; a realidade com sutileza; o sonho na intensidade dos anseios. O elenco mais que especial. ATORES! Encantadores de imaginação. À segunda jornada não consegui assistir. O único pecado da Globo foi exibir uma maravilha dessas tão tarde. Acho até que eles poderiam substituir o programinha da Xuxa por seriados como Hoje é Dia de Maria. Há tantos contos a serem acrescentados às nossas vidas... muito do que aqueles desenhos e quadros insignificantes. Se precisarem de um abaixo assinado de fã desse espetáculo, contem comigo. Adriana Nogueira, fã do D. Cult.
[Leia outros Comentários de Adriana Nogueira]
19/10/2005
13h34min
Caro escritor Marcelo Maroldi, seu texto sobre a minissérie foi maravilhoso descreve tudo o que eu senti ao assistir a tamanha beleza, realmente como vc mesmo disse, esta série fez valer a pena ter televisão em casa, parabéns 'a Rede Globo, Regina/Unicamp
[Leia outros Comentários de Regina]
29/10/2005
11h15min
em casa ficamos acordadas para ver a microsérie. São horas ganhas em beleza, que enfeitam o sono.
[Leia outros Comentários de Simone]
6/11/2005
02h55min
Meu Adorável Mentiroso! A mentira só tem utilidade na criação de sonhos. É um ensaio que de tanto ser amado acaba virando e revirando a realidade. Sou bem burrinha também pois vi e achei genial O dia de Maria, principalmente a mímica, e a introdução das explosões da guerra que me fez cair dos sonhos cor-de-rosa, das fadas ingênuas para um cenário ultra real, quase profético. Não sei se me fiz entender, pois não sei e não posso mentir, já que não sou escritora. Gostei da primeira e fiquei feito pateta diante dos cenários da segunda. Concordo em tudo que diz sobre a série. Outro programa genial foi Ética, da 2 filmes, transmitido ha' vários anos na TV Educativa: Marilena Chauí e José Américo Motta Pessanha deram um show. As fitas são vendidas na Fundação Anchieta. Se tiver oportunidade não deixe de ver. Você deve ser uma pessoa linda, pelo jeito gostoso de "mentir" e agradar! E não pare de me contar seus sonhos! Uma bobina de mentiras lhe desejo todo dia. Um grande abraço, Adheir
[Leia outros Comentários de Adheir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEX ESPECIAL COLORIDA 2 - OS BANDIDOS DA NEBLINA
RUJU E COSSU
MYTHOS
(2013)
R$ 12,00



OUSADIA NA FÉ NOVENA
E. BADRY
VERBO DIVINO
(1971)
R$ 15,00



OS SEGREDOS DE ANJOS E DEMONIOS
DAN BURSTEIN & ARNE DE KEIJZER
SEXTANTE
(2005)
R$ 15,17



DIÁLOGO POSTO À PROVA DEBATE ENTRE CATÓLICOS E COMUNISTAS ITALIANOS
MÁRIO GOZZINI / SALVATORE DI MARCO
PAZ E TERRA
(1968)
R$ 20,00



USOS DO SOLO E IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS
JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



RAGTIME
E. L. DOCTOROW
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 6,00



O SACERDOTE HOJE; O RELIGIOSO HOJE
PE. ENRICO PEPE; PE GERMANO VAN DER MEER, SVD
ESTÚDIO MARIÁPOLIOS
(1982)
R$ 28,28



MUITAS VIDAS, UM AMOR
RENATO MODESTO
LÚMEN
(2010)
R$ 9,20



GERENCIAMENTO DA CARREIRA DO EXECUTIVO BRASILEIRO: UMA CIÊNCIA EXATA
THOMAS A. CASE PH. D. /JOAQUIM MARIA BOTELHO
CATHO
(2001)
R$ 4,00



ACONTECIMENTO E EXPERIÊNCIA NO TRABALHO FILOSÓFICO COM CRIANÇAS
MAXIMILIANO VALERIO LÓPEZ
AUTÊNTICA
R$ 44,90





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês