Comentários de Ana Couto | Digestivo Cultural

busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sombras Persas (VIII)
>>> 8 de Agosto #digestivo10anos
>>> Situação da poesia hoje
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> United States of Brazil
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> A Onda, de Dennis Gansel
>>> E eu comprei um iPod; e a minha vida mudou
>>> Literatura, Interação e Interatividade
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Fator de esquecimento de Paulo Vieira pela Gente (2020)
>>> Contos e crônicas de Machado de Assis pela Malê (2019)
>>> O cérebro humano: suas capacidades e funções de Isaac Asimov pela Hemus (1997)
>>> Introdução ao pensamento sociológico de Anna Maria de Castro, Edmundo F. Dias pela Eldorado (1980)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2006)
>>> Declínio e queda do império Romano de Edward Gibbon pela Companhia das letras (1989)
>>> O Livro dos Ressignificados de Akapoeta pela Paralela (2017)
>>> O Sucesso é ser Feliz de Roberto Shinyashiki pela Gente (1997)
>>> Alice's Adventures in Wonderland and Through the Looking Glass de Lewis Carroll pela Barnes & Noble Classics (2004)
>>> História da prostituição: Uma interpretação cultural de Lujo Bassermann pela Civilização brasileira (1997)
>>> Quando surge a criança- Tomo 1 de Françoise Dolto pela Papirus (1996)
>>> I In U Eu Em Tu de Laurie Anderson pela Ccbb (2011)
>>> A droga do amor de Pedro Bandeira pela Moderna (1993)
>>> As pequenas memórias de José Saramago pela Companhia das letras (2021)
>>> O Círio Perfeito - Memórias 6 de Pedro Nava pela Nova Fronteira (1983)
>>> Isto não é um cachimbo de Michael Foucault pela Paz & Terra (2014)
>>> O Cristão Diante da Critica Contemporânea de André Dartigues pela Paulinas (1975)
>>> O dom de voar de Richard Bach pela Record (1974)
>>> O Tigre Adormecido de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (1997)
>>> Curso Básico de Yoga de Sandra Garcia pela Iracema (1971)
>>> La Ronde et Autres Faits Divers de J. M. G. Le Clézio pela Galimard (1996)
>>> O reino dos mestres: A traição da jurema na umbanda nordestina de Luiz Assunção pela Pallas (2020)
>>> A Crítica de Ana Cristina Cesar em Escritos no Rio de Cristiana Tiradentes Boaventura pela Usp (2008)
>>> Curso de Legislação Social - Direito do Trabalho de Domingos Sávio Zainaghi pela Atlas Jurídico (2007)
>>> Como Fazer a sua Estrela Brilhar de Prof. Flávio de Almeida pela I. B. e. (1998)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Terça-feira, 20/4/2004
Comentários
Ana Couto


Simplista
Ao longo do texto vc repete exaustivamente a expressão “Não sei se me explico bem” (ou um equivalente). Vc se explica, o problema é que seu ponto de vista é batido. Como batida é a juventude que num festival vaiou Tom Jobim e Chico Buarque, porque essa juventude queria o harmonicamente paupérrimo Vandré. Falar mal de Roberto Carlos hoje em dia é chutar um cachorro que, se não está morto, está moribundo. E a quem interessa isso? Ele tem um peso histórico. E não era dele “a única música possível da época”. No mesmo período os Mutantes tocavam suas guitarras e viajavam com suas drogas, como os jovens de Londres ou São Francisco. E Jorge Ben fundia samba com guitarras. Não eram políticos, eram músicos. Não estavam a fim de fomentar luta armada, mas de viver. Como a grande maioria da população brasileira. E quanto a sua referência a ‘Jesus Cristo’ o “gospel de corações ocos”, é bom lembrar que Maria Bethânia, uma das musas do show Opinião, o regravou poucos anos depois.

[Sobre "O Rei Roberto Carlos e a Ditadura"]

por Ana Couto
20/4/2004 às
11h33 200.151.15.117
 
Betinho/Boff x Campos/Francis
Lá veio um leitor citar aquele francês socialista e mau-caráter: “Se esses professorezinhos que escrevem coisas ilegíveis no jornal, de tão cultas, é claro, tivessem lido um pouco de Sartre, saberiam perfeitamente que o verdadeiro intelectual é aquele que dedica o seu avantajado intelecto às causas populares. Pois bem! O Brasil precisa disso” Isso quer dizer que Betinho e Boff são mais importantes pro pensamento brasileiro que Roberto Campos e Paulo Francis?

[Sobre "Contra os intelectuais"]

por Ana Couto
30/1/2004 às
14h03 200.151.62.83
 
esclarecendo
Kathe Kollwitz perdeu um filho de 18 anos na primeira guerra mundial, daí talvez tenha vindo sua morbidez.

[Sobre "Dicas Culturais: Lúcio Alves e Kathe Kollwitz"]

por Ana Couto
16/1/2004 às
02h18 200.151.121.226
 
discordo
Este trecho de seu texto é um absurdo: ”Vejam que a injustiça está dos dois lados – nos marginais, por não haver oportunidades nem perspectivas de melhora...” Justifica a marginalidade como conseqüência da pobreza, quando há milhões de pobres que vivem honestamente, sem optar pelo crime. Este é um erro comum na intelectualidade brasileira. Conheço trabalhadores que moram na Cidade de Deus, e que passaram a ser (muito mais) marginalizados por causa daquele filme, que mostra os moradores como criminosos.

[Sobre "Radiografia de um matador brasileiro"]

por Ana Couto
22/8/2003 às
09h08 200.216.31.232
 
Comparando ouro a miçangas.
Sua explicação do que significa entropia é desnecessária e mostra que vc não teve capacidade para entender sequer a crítica que estava sendo feita. Se em meu comentário acima eu destaco como clichê o uso de tal termo, logicamente não é por que ele me cause estranheza, justamente o contrário: é algo mais batido que perguntar a uma mulher qual o telefone do cachorrinho. Respondendo a sua questão, eu tenho uma boa biblioteca de arte. Mas vc não respondeu a minha: consegue desenhar um ser humano de forma adequada? Um cão? Pinta uma natureza morta? Se a resposta é não, como só pode se esperar de alguém que é ingênuo a ponto de idolatrar Pollock, eu sugiro a vc estudar um pouco desenho, há interessantes exemplos ao longo dos últimos 3000 anos de história da arte pré-Pollock. Só pra contextualizar, quando Shakespeare terminava A Tempestade, a ópera tinha acabado de nascer na Itália, Caravaggio tinha morrido há um ano, El Greco tinha acabado de pintar o Laocconte e Rubens pintava os Quatro Filósofos. Não há nada no século XX que possa ser comparado a este contexto - e misturar o patético Pollock nesta massa só faria sentido se o objetivo do texto fosse humilhá-lo. Não se compara ouro a miçangas.

[Sobre "O último Shakespeare"]

por Ana Couto
8/12/2002 à
01h39 200.216.30.7
 
Relativismo cultural barato
Em primeiro lugar acho errado falar de pinturas que não são lá muito conhecidas sem colocar uma reprodução delas ou indicar um link para tal. Em segundo é uma piada comparar um dos maiores artistas de todos os tempos com um pintor sem técnica, produto de uma forte campanha de marketing – sugiro a leitura do ensaio “Jack the dripper” de Affonso Romano de Sant`anna. Destaco um trecho de seu texto abaixo que é um exemplo de uso excessivo de jargões intelectualóides – com a inefável menção à entropia, citada em 9 de cada 10 textos sobre arte contemporânea – que não dizem nada, e para quem trabalha com pintura e desenho deixa claro que o autor não tem prática em nenhuma das duas matérias: “Porém, podemos descobrir evidências esmagadoras de acidente e deslocamento, uma mal contida representação de uma potencialidade caótica, de impulsos anárquicos para uma dissolução e uma desordem que se espalham implicitamente no espaço infinito além da borda da tela. Em qualquer direção, estamos contemplando não tanto uma representação de coisas na natureza, quanto uma representação do fenômeno da própria natureza. A disposição da tinta pela superfície foi determinada por suas energias, tornando-se ela própria uma imagem do paradoxo inelutável da natureza - sua proliferação irreprimível de formas e ritmos diferenciados e sua resistível tendência à entropia.” E por último, ao se falar de um navio, não se deve dizer população, (“O objetivo desta tempestade é naufragar um navio e levar sua população à ilha onde habitam Próspero e sua filha. Para tanto, Próspero mobiliza as terríveis forças da natureza e alcança seu objetivo.”)o mais adequado é tripulação.

[Sobre "O último Shakespeare"]

por Ana Couto
7/12/2002 às
03h37 200.216.31.220
 
Interessante texto
Interessante texto. Mas se Matisse não criou algo tão inovador quanto o cubismo, me parece que foi mais honesto ao longo da carreira, enquanto Picasso montou uma linha de produção e fez muitas coisas descartáveis.

[Sobre "Matisse e Picasso, lado a lado"]

por Ana Couto
21/11/2002 às
22h46 200.216.30.178
 
meias verdades
Só agora li este texto. Bom, vc esqueceu o escultor Bernini, Lampedusa, Umberto Eco, e muitos outros. Mas nos concentremos apenas em sua primeira frase: “Há um lobby italiano no mundo, e no Brasil, que chega a ser quase mais poderoso do que o famoso lobby israelense.” Vc sabe que isso não é verdade. Porque em todo o cinema americano há muito mais espaço para indivíduos do segundo grupo citado por vc. Porque Roberto Benigni com aquele filminho idiota – e ainda assim bem melhor que o Central do Brasil – pra ganhar o Oscar teve que falar do Holocausto. Assim como Spielberg, que apesar de ser da “comunidade” e ter revitalizado o cinema de entretenimento e rendido milhões para a indústria não era levado em consideração e só o passou a ser a partir de A Lista de Schindler. Agora, por que vc não cutuca a verdadeira onça com sua curta vara?

[Sobre "Grandes Carcamanos da História"]

por Ana Couto
20/11/2002 à
01h21 200.216.31.102
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia da Doutrina Espírita
Vários Autores
Alto Astral
(2012)



O Palácio Encantado da Mediunidade
Rafael A. Ranieri
Lake
(2010)



Manual do Concurso Público Didática Direta e Fácil Informática
Rodney José Idankas
Master
(2000)



Irmandade da Adaga Negra, Vol. 7 - Amante Vingado - 1ª Edição
J. R. Ward
Digerati
(2011)



Celebrações Espirituais - 1ª Edição
Maggie Oman Shannon
Pensamento
(2009)



Odisséia
Homeroe Roberto Lacerda (adap.)
Scipione
(2001)



Umbanda Gira! - 1ª Edição
Gisela Darruda
Pallas
(2010)



O Verdadeiro Segredo
Omair Cordeiro
Omair Cordeiro Apoio Wca
(2015)



Minhas Vivências na Palestina, no Egito e na Índia
Huberto Rohden
Alvorada
(1980)



Seis Estudos Sobre " Ser e Tempo " - 5ª Edição
Ernildo Stein
Vozes
(2014)





busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês