Comentários de daniela sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Mestres da dança de MG, Marlene Silva e Henry Netto são homenageados em 17 e 18 de março
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Modernismo e Modernidade
>>> O último a sair que apague a luz
>>> Entretenimento dá dinheiro, sim!
>>> Teatro para todos
>>> Creating a profitable startup
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> Itaúnas não será esquecida e nem Bento
Mais Recentes
>>> O Patinho Feio Clássicos Ilustrados de Mauricio de Sousa pela Girassol (2016)
>>> O Que São Multinacionais de Bernardo Kucinski pela Brasiliense
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austin pela Lafonte (2020)
>>> Alice no País das Maravilhas de Lewis Caroll pela Scipione
>>> O Ouro de Midas de Adriana Bernardino pela Ftd
>>> Dom Quixote (capa Verde) de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural
>>> Siga Seu Coração de Andrew Matthews pela Sextante (2007)
>>> Desabrochar de Emoções- Poemas de Esther Sterenberg pela Esther Sterenberg
>>> O Verde Que Vale Ouro de Daniel C. Esty; Andrew Winston pela Campus (2008)
>>> Os Sonhos Que Alimentam a Vida de José Gregori pela Jaboticaba
>>> Conexão de Maria Aparecida Martins pela Vida e Consciência (2001)
>>> Sem Pecado de Ana Miranda pela Companhia das Letras (1993)
>>> Que Saudade, Snoopy! de Charles M. Schulz pela Conrad
>>> A Rebelião da Pontuação de William Tucci pela Scipione (2008)
>>> Histórias do Pooh de Disney pela Publications International (2009)
>>> Quem Mexeu no Meu Queijo? de Spencer Johnson pela Record (1998)
>>> A Farsa de Christopher Reich; Fernanda Abreu pela Arqueiro (2008)
>>> A Galeria da Fama dos Cientistas Malucos de Daniel H. Wilson pela Cultrix (2011)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1980)
>>> A Most Wanted Man de John Le Carré pela Hodder and Stoughton
>>> Noite na Taverna de álvares de Azevedo pela Ediouro
>>> The 17 Day Diet de Dr. Mike Moreno pela Free Press (2010)
>>> Lava Jato de Vladimir Netto pela Primeira Pessoa (2016)
>>> The Phantom of the Opera de Jennifer Bassett pela Oxford
>>> Necessidades Humanas Subsídios À Crítica dos Mínimos Sociais de Potyara a P Pereira pela Cortez (2000)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 6/2/2002
Comentários
daniela sandler


Bzzzzzzzzzzz
Adri, daqui destas paragens nevadas e fleumáticas, fiquei devaneando ao ler sua coluna, com uma espécie de saudade do futuro, já que nunca pulei carnaval. Mas que maravilha, nas suas palavras, esta quarta de fogo (hoje!). Só não tenho certeza quanto à sua proposta de que o poder público deveria investir nas Muriçocas. Será que isso não iria torná-las "oficiais" demais, institucionalizadas, big business? Será que no fim não virariam mais um produto cultural para consumo comercial (e elitizado)? Ou será que fiquei cética demais?

[Sobre "De Tambaú ao Rio Sanhauá*"]

por daniela sandler
6/2/2002 às
19h26 64.12.107.38
 
perguntinha
rafael, antes de mais nada, o que significa "pegar pilha"?

[Sobre "Somos diferentes. E daí? "]

por daniela sandler
30/1/2002 às
19h40 152.163.205.79
 
a gente somos...
Em resposta à questão da utilidade: Ainda que a gente usasse “função” como critério, encontraríamos utilidade em tudo – ou em nada, porque o “útil” depende de nossos parâmetros e das circunstâncias também. A utilidade de Mozart, ou de alguém que escreve sobre, estuda ou escuta Mozart, pode não ser óbvia, mas isso não quer dizer inexistente. Nem tudo pode ser útil para todos sempre. E, por fim, uma coisa (útil) não exclui outra coisa (útil).

[Sobre "ô ô"]

por dani sandler
26/1/2002 às
22h41 64.12.107.44
 
show!
Dri, Poderosa, vitaminada a sua crítica! A-d-o-r-e-i a história da subversão da segregação (à qual estamos, infelizmente, acostumados). Depois de descrever os absurdos sócio-espaciais do show, a sua narração do momento anárquico da Rita é climática! Fiquei até emocionada. Aliás, não há nada de errado com suas descrições espaciais (e olha que sou, ou fui, arquiteta!). Deu pra visualizar tudo, da treliça da cobertura às cadeiras de lona – e ficou mais claro q muita revista especializada. Quero umas cadeiras de lona também! (sem ácaros, por favor!)

[Sobre "Aqui, ali, em qualquer lugar perto do palco"]

por dani sandler
26/1/2002 às
22h34 64.12.107.44
 
vão-se os buracos
...ficam os livros também, claro. Faz um tempão, li em algum lugar (não lembro autor, referência, nada) uma passagem sobre o "valor", ou a razão, da arte. O autor deixava a pergunta "para que serve arte" sem resposta, e começava a falar das coisas vitais da sobrevivência. Para que a gente trabalha? Para ganhar dinheiro. Para que a gente ganha dinheiro? Para comer. Para que a gente come, faz higiene, vai ao médico, constrói casa etc. etc.? Para sobreviver. E para que a gente sobrevive??? Para que o trabalho todo de manter a carcaça viva? Só por instinto? E o que nos faz humanos, então? A resposta do autor, claro, era esta: a arte. Vivemos para poder produzir e participar da cultura. Também ouço muita teoria do buraco de rua, na forma daquele sorriso amarelo quando tento explicar meu doutorado em "Estudos Culturais e Visuais". Que bom que nem todo mundo caiu na armadilha do buraco de rua - senão, a gente ia mesmo pro buraco!!!

[Sobre "Teoria do Buraco de Rua"]

por dani sandler
26/1/2002 às
21h40 64.12.107.44
 
resposta
Caro Jardel, Seu comentário tocou num ponto importante não só do meu texto, mas da arte de uma forma geral. Por isso, minha resposta será um pouco longa. Concordo que a forma comunica sentido - talvez outros textos meus deixem isso mais claro. Mas isso não significa que o formalismo esteja acima de críticas. A julgar de declarações do próprio diretor, Luiz Fernando Carvalho, _Lavoura Arcaica_ preocupa-se com questões que vão além do lirismo formal. O diretor é sensível à complexidade emocional dos personagens, às suas contradições, ao envolvimento entre as pessoas e sua herança cultural, seu contexto familiar e natural. Restaurando um modo de ver, a atenção a minúcias, o tempo lento, o filme opõe-se à dessensibilização "videoclipe", mas não apenas no que esta tem de formal. A intensidade dramática, de sentimentos e de palavras (a riqueza da linguagem, das falas) não pode ser reduzida às imagens ou ao conceito de beleza, e creio que apreciar _Lavoura Arcaica_ apenas por seus méritos estéticos não faz jus à intenção artística ou comunicativa da obra. É pelo fato mesmo de o filme colocar tão intensamente o sofrimento de André (desde a primeira cena) que vi-me incomodada pelos momentos de estetização, em especial o desfecho, como se esses momentos traíssem a profundidade alcançada em outros trechos. A iluminação que a arte pode nos fornecer não está necessariamente no prazer estético, na apreciação da beleza, numa experiência sensorial diferente – pode estar na incongruência, no desconforto, no questionamento pessoal ou social. _Limite_ difere de _Lavoura Arcaica_ em sua qualidade “formalista”. Em primeiro lugar, a rejeição do conteúdo, a atenção à forma e ao suporte, e a tendência à abstração tinham um significado muito diferente no começo do século, quando os movimentos modernistas (em todas as áreas) exploraram essas vias expressivas como crítica e comentário à arte precedente, à academia, à sociedade. Hoje em dia, ser formalista não envolve o mesmo risco, não requer a mesma audácia, e – pior – não significa necessariamente postura crítica. É fácil fazer um quadro abstrato que será pouco mais que papel de parede – ou um audiovisual que não causará espanto na MTV. _Limite_ é às vezes criticado por ser formalista demais, permitindo um “vale-tudo” interpretativo. Pessoalmente, discordo dessas críticas (e gosto muito do filme), mas acho importante ver como as obras podem nos fornecer, elas mesmas, as pistas de sua fruição. Essa fruição não é necessariamente intelectual, não significa sempre entendimento racional ou cerebral – há outras formas de insight e “comunicação” artística. Talvez por isso você tenha entendido meu texto como “mental”. Acho também que você teve a impressão (imprecisa) de que rejeitei _Lavoura Arcaica_ como um todo. Ora, foi justamente por ter sido tocada profundamente pelo filme que lhe dediquei esforço e atenção. É desnecessário dizer que crítica não significa elogio, e que atentar para os problemas não exclui apreciar as qualidades. Foi o que quis dizer com meu comentário sobre a “perfeição”, ao fim do texto.

[Sobre "Virtudes e pecados (lavoura arcaica)"]

por daniela sandler
12/1/2002 às
18h27 200.191.65.147
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Fome Com a Vontade de Comer
Monique Deheinzelin
Vozes
(2001)
R$ 12,00



Você é uma Bênção
Anselm Grun
Ideias & Letras
(2009)
R$ 6,21



O Patinho Feio
Hans Christian Andersen
ática
(1993)
R$ 6,00



Congreso En Granada
L. de Miguel; A. Santos
Edelsa
(2002)
R$ 15,00



In Search Of a Missing Friend A1 - With Audio CD And Booklet
Simpson,Maureen - HUB
HUB Editorial
(2009)
R$ 20,00



Veja. Educação do futuro agora. Edição 2341 - nº40
Vários
Abril
(2013)
R$ 22,30
+ frete grátis



A Jornada - Esperança e Alegria Em Deus
Rodrigo Silveira de Almeida Leitão
Z3
(2012)
R$ 11,00



A Guerra de Trincheiras
Varios
Folha de S. Paulo
(2014)
R$ 5,00



Rosângela Rennó: Depoimento
Rosângela Rennó
C Arte
(2003)
R$ 23,00



Técnica de Redação. o Que É Preciso Saber para Bem Escrever
Lucilia H do Carmo Garcez
Martins Fontes
(2002)
R$ 47,50





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês