Comentários de I. Boris vinha | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 10/11/2008
Comentários
I. Boris vinha


E viva o estrangeirismo!
A qual 'língua portuguesa' se refere a nossa colunista? Pode haver uma 'língua lusitana', mas essa foi falada só nos primeiros dias após o descobrimento... e essa nem os próprios lusos conhecem mais. De 1501 em diante, os habitantes da Terra de Santa Cruz, Vera Cruz, e depois do Pau Vermelho, falaram mesmo foi o Tupi, o Guarany, o Tupinambá e o Botucudo. Misturam tudo e deu no que deu, uma língua, digamos, abrasileirada. E graças ao Criador assim ocorreu, porque ficamos plenos em novo conhecimento linguístico, evoluimos nas palavras e aumentamos nossas frases... E graças aos franceses, aos holandenses, aos negros africanos, os escravos da vez, a nossa lingua brasileira aumentou em qualidade, em sons e variedades. Deus nos livre se continuássemos somente com a modesta língua lusa... já pensou se hoje disséssemos: "Maria,onde está o puto que estava acá na bicha?" E só queríamos perguntar: "Maria, onde o menino que estava aqui na fila?" Que coisa parva, ó pá!

[Sobre "Vamos fazer o português entrar na moda!"]

por I. Boris vinha
http://www.sitedoslivros.com
10/11/2008 às
09h48 201.6.165.185
 
Por isso gosto de você, Pilar
Por isso gosto de você, Pilar Fazito, e nem a conheço pessoalmente. Simplesmente admiro o que você pensa, como escreve, mesmo que nem tudo o que escreva seja o que você pensa. E pode crer, são poucas as pessoas que admiro, não que eu seja o máximo, o melhor, e tão pouco sou do contra ou um cara chato, posso ser intransigente com as mediocridades, desconstrutor das beocidades e dos que se acham, alguns ruinzinhos nos seus místeres, mas heróis da moçada... Você parece-me verdadeira, coloca, em parte, seus personagens como seu alter-ego. E todos que escrevem ou tentam escrever, sem dúvida, são os alter-egos dos seus personagens; é dificil separar o real do irreal quando se textua ficção, pelo menos é assim que me sinto ao tentar escrever. Quase sempre o autor derrama no papel o que sente, de fato, intimamente, mesmo que minta no contexto e diga que o personagem é outro, não ele. Como dizer em um texto que sente a maior atração pela amiga, diz que é um amigo que está sentindo...

[Sobre "O escritor está nu"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
7/10/2008 às
09h32 201.6.165.185
 
O macho pretensioso...
Entre as poucas fêmeas citadas em compêndios literários, podemos destacar a Simone de Beauvoir; ela acordou da inércia que os machos, por medo, as colocaram no contexto antroposófico e assim contou "suas verdades". Mas muitas mulheres são responsáveis pelo baixo conceito e pelos preconceitos que quiseram fazer da fêmea um ser inferior, desde a criação do Povo Adâmico. Poucas elogiam outras mulheres e deixam que todas as imagens literárias, filosóficas, venham a público através dos homens. O macho não entende nem sobre ele, o que dirá sobre as fêmeas! Alguns escritores, homens ou mulheres, os que escrevem baboseiras infantilizadas e adocicadas, mostram como a fêmea é meiguinha, bobinha, amantezinha e traída constantemente. Por que não mostram a verdadeira mulher, a heroína, a lutadora? Sem dúvida a situação dela já foi pior, mas a fêmea está entendendo seu verdadeiro lugar. Como superior que é, não pretenderá espezinhar o macho inferior, conviverá com ele e tentará humanizá-lo...

[Sobre "O centenário do Castor"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
11/8/2008 às
09h08 201.6.165.185
 
Nosso triste contraste
Mesmo que não queiramos cristalizar conceitos, como pede a colunista, é difícil não nos compararmos com os visitados. É difícil não constatarmos, contristos, os nossos contrastes. Às vezes, mesmo sendo de um continente pouco evoluído culturalmente, resultado do caldo dos parcos ensinamentos que os nossos descobridores e colonizadores nos deram para beber, conseguimos nos sentir até superiores... Se não acredita, é só visitar o Zimbábue, o Niger, a Nigéria, e lá verá que já saímos, pelo menos, da barbárie. Entretanto, sentimos-nos tão pequenos culturalmente e constatamos que a nossa educação é imensamente precária, quando visitamos a Paris da nossa prosadora. Sentimo-nos envergonhados ao passarmos pelo Jardin de Tuileries, vizinho do Louvre, por exemplo, e notamos que eles lêem livros (de papel) sentados em cadeiras soltas pelos arredores, colocadas ali pela prefeitura. Aí constatamos nosso triste contraste. Não temos livros nos nossos jardins e as cadeiras, se soltas, seriam roubadas.

[Sobre "France, mode d'emploi"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
14/4/2008 às
09h59 201.6.179.159
 
o papel ficará na lembrança
O novo substituirá o velho! Tudo se transforma, nada se cria, e isso já dizia o Lavoisier, o cientista morto pelo louco, o esquizofrênico Robespierre. Há pouco mais de 120 anos, temos a luz elétrica, antes era só candeeiro, era um atraso danado! Há menos de 20 anos poucos conseguiam escrever em máquinas de escrever (isso não é redundância, é a pura verdade). Agora já escrevemos no computador e ficamos todos metidos e profetas. Tudo muda, e o jornalismo mudará também para a Internet, o jornal de papel ficará na lembrança, mas as empresas jornalísticas aumentarão a divulgação na rede e ficarão mais ricas. Entretanto, aniquilarão com 99% dos bloguinhos de hoje. Blog não é jornalismo, muito menos editor da boa literatura. Também passará. E o livros de papel nunca terão fim; ler na tela deixa cego, vesgo, bobo e beocizado; é só ver o que se escreve por aí, pensando que são escritores... Nada como ler um livro, folha por folha, sossegado, embaixo de uma árvore frondosa, sem neura digital.

[Sobre "Blog precisa ser jornalismo?"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
9/4/2008 às
09h25 201.6.178.11
 
Não dá para pensar em livros!
Livro no sul do planeta é luxo, amigo escritor! Países onde a cultura é péssima, a saúde é intolerável, a educação é terrível... onde o povo almeja ascender a uma nova classe social só para comprar uma TV fininha, dessas bonitonas com tela plana, um aparelho que toca CD, ir às lojas populares e empapuçar-se de móveis de gosto discutível e pagá-los em 120 prestações mensais... Não dá para pensar em livros! O povo não tem hábito para a literatura, nem quem o incentive. O negócio é Big Amigos, é programa onde as bundas abundam, é revistinha de sacanagem. Lógico, esses são os países da bola, da pinga, da favela, da criança que rouba e mata, da criança que morre desaverganhadamente, do carnaval, da bunda abundando; pelo menos é o que divulgam por aí! Depois, já viram o preço do livro? É coisa de luxo, amigo escritor! Se o povo comprar livros a esses preços, não sobra para pagar as 120 prestações da TV fininha, a bonitona com tela plana! Que tal um incentivo dos órgãos culturais?

[Sobre "A mídia e os escritores"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
7/4/2008 às
09h11 201.6.178.11
 
Deixem Deus quieto!
Mesmo que não existisse, de tanto que se fala em Deus ultimamente, ele passaria a existir. É, mais ou menos, como Papai Noel, sabemos que o velho não existe, mas é como se existisse; ficou impregnado no subconsciente, se tornou uma pessoa conhecida... gente nossa! Agora, ficar dissertando sobre Deus não nos leva a nada. Será, por muito tempo ainda, só filosofia, e filosofia é a arte de especular. Como entendê-lo se ninguém sabe se é O ou A. Acreditamos que não tenha gênero, nem número e muito menos grau. -Ah! E não é branquinho de olhos verdes como querem alguns... Somos demasiadamente pequenos e involuídos para querermos entendê-lo(a). Quanto mais se fala, mais se arruma encrenca com o defensor do indefensável. E se alguém o matou, não foi Nietzsche e nenhum outro filósofo, foi, de fato, o Darwin, quando enunciou que viemos do símio sem rabo, passando pela linda ameba ancestral... Deixemo-lo(a) quieto(a), até porque Ele(a) tem ódio mortal de quem fica enchendo o seu sagrado saco.

[Sobre "Deus 3.0"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
2/4/2008 às
12h41 201.6.178.11
 
apaixonados, bobinhos, melosos
Ser poeta é ser um SER iluminado! Isso não é redundância, é a constatação da verdade, pelo menos a minha. Entretanto, não sou o dono da verdade, gostaria de ser, mas passo longe dela. Por isso, não há necessidade de comentarem a respeito e de me esculacharem; já que é isso o que acontece na Internet. Se a verdade não for a que comungamos, já metemos o pau no que disse a sua verdade. E isso também é so a constatação da pura realidade. Agora, poeta mesmo são poucos; têm que ser iluminado, tudo bem? Poetas quase todos já fomos, principalmente quando somos jovens, apaixonados, bobinhos, melosos e donos da verdade! Quase todos os estudantes de letras, de comunicação, são "poetas"; escrevem os dramas por quais passam e nos contam os sentimentos que passarão um dia. Muitas poesias perdem a razão de ser, por isso! Quem não fez um poeminha para a namorada? Quem não escreveu um monte de versos, os que estão nas gavetas, esperando a boa vontade de algum editor? Mas poetas mesmo são poucos.

[Sobre "Sóbrio, discreto e cauto"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
20/3/2008 às
14h07 201.6.178.11
 
Teoria da evolução religiosa
É! Ultimamente todos queremos discutir sobre religião, principalmente aqui no Digestivo Cultural! Que bom! Mas por que alguém discutiria os textos bíblicos, se religião não se discute? Por que comentar sobre a divindade? Por que? -perguntariam. Ora, porque religião deve, sim, ser discutida, deve ser até atualizada, senão, os ensinamentos escritos em épocas de pouca informação cultural, moral e de ética, deixarão de ser bons e escravizarão os seguidores ao-pé-da-letra e continuarão a transmitir ensinamentos que atrapalham a evolução lógica da humanidade. Religião e política escravizam mesmo o humano, como dizia o Nietzsche, quando muitos entenderam que ele queria matar Deus. Deus deve, sim, ser o nosso criador, mas começou pela ameba, nossa ancestral. O melhor que temos a fazer é não continuar uma ameba! Ecumenismo é o melhor que há! Um Deus só e os profetas como ajudantes. Mas cuidemos-nos, passamos de espíritas para agnósticos e depois para ateus. É a evolução! Evoluímos sempre!

[Sobre "Sobre o Caminho e o Fim"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
20/3/2008 às
11h41 201.6.178.11
 
Por que, hein?
Chega a ser deprimente, desagradável, mas precisamos concordar com a Jurema Finamour, quando ela afirma em "Pablo e Don Pablo", como nos ensina o colunista Daniel Lopes: "Estamos cansados de oportunistas fantasiados de santos." Nossa, como existem falsos heróis, falsos santos, falsos profetas, falsos humanos! E, cada vez mais, quanto mais lemos e vivemos, mais nos deprimimos com o que vemos e ouvimos. Não queria dizer isso, mas o meio literário, mais que outros meios culturais, é repleto de vaidosos egocêntricos e com as máscaras referidas pela Jurema. Ninguém ajuda ninguém, cada um cuida do seu, muitas vezes execra o colega pretenso escritor, divide as oportunidades e sempre puxa a sardinha para o seu braseiro! Salvo raras exceções. Por que é assim, hein? E o que vemos de verborragia sobre os outros, não é brincadeira, alguns apoderam-se das incorporações literárias e nos inundam, também, com os seus falsos-fecundos conhecimentos. Principalmente pela Internet! Por que, hein?

[Sobre "Neruda, oportunista fantasiado de santo"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
18/3/2008 às
11h34 201.6.178.11
 
medo da superioridade feminina
Primeiro, a fêmea nunca foi o segundo sexo! Segundo, isso é a própria caracterização do machismo inferior. Filósofos, sociólogos, psicólogos, antropólogos, já falaram sobre a mulher. E em muitos comentários utilizaram uma verborragia filosófica inútil... diríamos até que se parece mais com uma diarréia filosófica! Quantas besteiras falaram e falam das fêmeas superiores! Porque a mulher era subjugada, era a dona do lar, era incapaz, enfim, era nada! Infelizmente, os autores e colunistas que se dedicaram a prosar e prosear sobre as fêmeas, sempre acentuaram a inferioridade feminina inventada. Tudo por medo da sua superioridade! Criou-se, assim, uma falsa impressão da fêmea, falou-se tanto da coitadinha que o conceito se arraigou no subconsciente dos machos retrógrados e de algumas fêmeas masculinizadas; agora está difícil para ela tirar esses estigmas das costas. Ficar falando nas diferenças de gênero é concordar com o preconceito e afirmar a ignorância do conceituador...

[Sobre "A verdade que as mulheres contam"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
17/3/2008 às
09h38 201.6.178.11
 
Vamos estar falando português
Pobre Saramago, pobre Camões, pobre idioma português! Deu azar de ser falado em nosso país bonito, mas pobre em corpo, mente, alma e ignorante por natureza. Também, ninguém liga para educação desse nosso povo mesclado, é ou não é? No início eram só os degredados, os que, por serem excluídos da vida social européia, já não sabiam falar bem o idioma da terrinha, depois miscigenaram-se com os índios e colocaram palavras de indígenas no nosso vocabulário, e ainda, depois, vieram os escravos que trouxeram palavras de suas tribos. Que mistura, hein, fizemos com a língua dos cajos, ó pá! Mas o pior não é isso... Ruim mesmo são os brasileirinhos atuais, os que já estão grunindo, daqui a pouco poderão até voltar para as árvores e imitar os antepassados monos, gritando pretensas palavras na involução constante. Dá no saco ouvir mocinhas, mocinhos, estudantes e até alguns jornalistas, dizerem: - Vamos estar falando português! Isso sim é o fim do idioma!

[Sobre "A língua nossa de cada dia"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
5/3/2008 às
10h06 201.52.244.48
 
Ser ateu ou agnóstico?
Eis a questão! O ateu diz na cara que não acredita, já o agnóstico tem dúvidas. Entretanto, já ouvimos ateus dizendo em horas de apuro: - Livra-me, meu deus! (Deus com minúscula porque o Deus dele é um pouco menor.) Já o agnóstico diz: - Não afirmo que o açuçar é doce, mas que parece doce, parece! (Coloca a divindade em dúvida.) Como comentamos em um Digestivo passado, religião e política nos aprisionam nas amarras filosóficas, e por essas filosofias ficamos na dúvida se somos ateus ou agnósticos... Na religião, o humano cria os seus céus e faz o seu próprio inferno, e não sabe que o céu e o inferno estão ao seu lado... é só escolher o seu! Para ficar bem com todos, em uma hipocrisia que caracteriza o humano, digo que sou ecumênico, assim saio bem na foto! Agora, se Deus existe, ele não é O nem A, não tem gênero, número nem grau. Não mata e não manda matar... e não é tão branquinho como querem as... igrejas brancas. Deve ser só uma Energia Singular e não tem dono!

[Sobre "Dançando com Shiva"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
5/3/2008 às
08h48 201.52.244.48
 
escravidão intelectual
O Guga, quando escreve, deixa resquícios do seu pensamento por bastante tempo. Estou comentando um texto seu de janeiro recém-passado. É que esse assunto me interessa muito, gosto disso, até escrevi um livro, ainda não publicado, como sempre, sobre a intrigante dúvida humana. Penso que religião, política, sexo e outros temas que são feitos tabus, devem sim ser discutidos, analisados e se possível renovados e melhorados. Caso contrário, seremos sempre os acomodados. O Richard Dawkins escreveu um livro bom, apesar de muito longo; outros já falaram sobre isso e estão corretos, precisamos alertar para os grilhões religiosos que nos prendem e nos escravizam, como faz a política. Política e religião são os maiores responsáveis pela escravidão intelectual dos humanos. Em tudo há essas amarras! Acredito, juro, que a Bíblia deveria ser reescrita, tirando o ranço dos ensinamentos errôneos e brutos ditados pelos escritores religiosos, antigos e ignorantes, até pelo tempo em que viveram...

[Sobre "Ciclones sobre a cruz"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
3/3/2008 às
11h24 201.52.247.134
 
dão o tapa e escondem a pata
Rapaz, pensei que fosse somente eu que pretendesse desmistificar as inverdades contadas para a humanidade! Quer dizer, tento desmistificar contando as minhas verdades, e nem sempre nossas verdades são as verdadeiras, é ou não é? Mas se a gente fala, desmistifica os falsos e pseudos, quase sempre nos execram, dizem que somos isso e aquilo, um cara chato, infeliz, mal amado, negativista; execram, mas se escondem atrás de suas mediocridades e pretensas erudições; são como gatos, dão o tapa e escondem a pata! Só não queremos ser hipócritas! Mas que tem um monte de falsos intelectuais enchendo o saco, tanto o do Rafael como o nosso, com as suas ejaculações eruditas, por aí, tem... como tem! O fulano faz um cursinho de letras qualquer, de jornalismo, lê uns livros e já se acha o escritor, o autor erudito, o crítico literário, o rei do óbvio, (O Nelson Rodigues está certo!). Depois vai para a FLIP e se pavonea, mostrando que é o bom. Parabéns, Rafael! Quanto mais desmistificadores, melhor!

[Sobre "A literatura e seus efeitos"]

por I. Boris Vinha
http://www.sitedoslivros.com
29/2/2008 às
09h46 201.52.247.134
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MENINO E O ALAZÃO
JOHN STEINBECK
RECORD
(1980)
R$ 7,90



OLHAR FEMININO - HISTÓRIAS DE VIDA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
CÍNTIA IEIRA SOUTO, MÁRCIA DE LA TORRE, PATRÍCIA SANSEVERINO ORG.
MEMORIAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO
(2005)
R$ 9,00



FORMAS DE PENSAR O DESENHO - DESENVOLVIMENTO DO GRAFISMO INFANTIL
DERDYK,EDITH
ZOUK
(2010)
R$ 28,00



SERVIÇO SOCIAL, RELIGIÃO E MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL
FARIA, LUCI (ORGANIZADOR)
GRAMMA
(2010)
R$ 30,00



A FARSA
CHRISTOPHER REICH; FERNANDA ABREU
ARQUEIRO
(2008)
R$ 6,00



COMO A ÁGUA QUE CORRE
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 8,50



CONEXAO CABO FRIO ESCANDLO NO ITAMARATY
GILBERTO DIMENSTEIN
BRASILIENSE
R$ 6,00



A MALDIÇÃO DOS KENNEDY
EDWARD KLEIN
EDIOURO
(2004)
R$ 20,00



NÃO MATEM AS FLORES
J. M. SIMMEL
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 6,90



SINOPSES JURÍDICAS VOLUME 2 : DIREITO DE FAMÍLIA
CARLOS ROBERTO GONÇALVES
SARAIVA
(2000)
R$ 7,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês