Comentários de Marcia Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> Prelúdio, de Júlio Medaglia
>>> Soul Bossa Nova
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> A proposta libertária
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> A morte absoluta
>>> O Marceneiro e o Poeta
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> À Sua imagem e semelhança
Mais Recentes
>>> Espelho, Espelho Meu Existe Gerente Mais Eficaz Que Eu? de Ernest Dichter pela Madia (1989)
>>> Minha Primeira Paixão de Pedro Bandeira pela Ftd (1999)
>>> Governança de Ti de Ricardo Mansur pela Brasport (2007)
>>> Anglo Química - Caderno de Exercícios Ensino Médio 2ª Série 4 de Anglo - Sistema de Ensino pela Somos Educação (2018)
>>> Você é um Homem Mau, Sr. Gum! de Andy Stanton pela Galera Record (2008)
>>> Clientes. Com de Patricia Seybold pela Makron Books (2000)
>>> Ensaios Sobre a Embriaguez de Vicente de Britto Pereira pela Record (2013)
>>> Conexões Superinteressante de Freud ao Android e Outras 114 Liçõe de Vários Autores pela Abril (2016)
>>> A Escrava Isaura Coleção Grandes Mestres da Literatura Brasileira de Bernardo Joaquim da Silva Guimarães pela Escala
>>> O Guia Não Oficial de Mad Men de Jesse Mclean pela Best Seller (2011)
>>> A Lista de Natal de Richard Paul Evans pela Geração Editorial (2010)
>>> Exame de Ordem - Prática Processual Civil de Antonio Devechi pela Juruá (2008)
>>> Medicina Preventiva - Sexualidade de Alexandre Roberto Diogo de Oliveira pela Gbs
>>> 360º Produção de Texto - Caderno de Revisão de Vários Autores pela Ftd (2015)
>>> A Vida Após os Desastres: Seleções Incriveis da Natureza de Micheal Bright - Texto pela Readers Digest (2011)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini; Claudio Carina pela Globo Livros (2013)
>>> Colección Torre de Papel - las Vacaciones de Franz de Christine Nöstlinger pela Grupo Ed. Normal (2010)
>>> Fedro Fábulas de Não Identificado pela Átomo (2001)
>>> The Last Song de Nicholas Sparks pela Grand Central (2010)
>>> O Último Segredo do Templo de Paul Sussman pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil - 36.ª Edição de Antonio Luiz pela Saraiva (2006)
>>> Guerra a La Luz de las Velas de Daniel Alarcón pela Alfaguara (2006)
>>> Plt 222 - Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais de Petronio Garcia Martins pela Saraiva (2009)
>>> A Paixão Perigosa - por Que o Ciúme é tão Necessário Quanto o Amor e O de David M Bússola Phd pela Objetiva (2000)
>>> Tripé de Rodrigo Lacerda pela Ateliê (1999)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Quarta-feira, 23/1/2008
Comentários
Marcia Rocha


Nada mais brasileiro
Então a crônica é a bela mulata que derivou do casamento da literatura com o jornalismo! Nada mais brasileiro... e brejeiro. Adorei a foto da crônica.

[Sobre "Crônica, um gênero brasileiro"]

por Marcia Rocha
23/1/2008 às
17h47 201.79.53.250
 
senti falta de Julio Cortazar
Por falar em Borges, senti falta da menção ao argentino Julio Cortazar, que mesclou as bases do conto, estabelecidas por Poe, com o estatuto do fantástico de Borges, legando à literatura uma obra magistral. Vivendo na França, Cortazar elevou o prestígio da literatura latino-americana na Europa, a partir da fermentação intelectual de Paris em meados do século XX. Tradutor, assim como Baudelaire, assim como Machado e Borges, de obras de Poe, Cortazar é uma das melhores coisas já produzidas pelo talento sulamericano. Sugiro incluir aí na sua lista "A casa tomada", uma das mais geniais criações do autor.

[Sobre "Oficina intensiva em 10 contos"]

por Marcia Rocha
27/6/2007 às
09h37 201.79.17.183
 
novelas: à mercê do marketing
Isso mesmo, Luis. A telenovela, naquele tempo de O Bem Amado, parecia não estar tão comprometida com o merchandising e a estratificação mercadológica, nem com essa superficialíssima abordagem social; não queria "salvar" ninguém, apenas interessava-se por si mesma, pela qualidade do trabalho que fazia. Era tão viva e vibrante, tudo brasileiríssimo! A época foi tão marcante que alguns atores ainda evocam aquelas personas, como Lima Duarte, com seu sotaque engraçadíssimo. E o Dirceu Borboleta, inesquecível. É uma pena que a novela brasileira tenha estagnado à mercê do marketing indireto (e escrachado). Ninguém suporta mais ver isso. Assisti há anos atrás, em entrevista ao Sem Censura, Suzana Vieira e Lima Duarte dizerem que se sentiam envergonhados do seu público, de sempre fazerem o mesmo papel. E Lima Duarte já afirmava: o brasileiro está chorando as mesmas lágrimas há trinta anos. Eu duvido que ainda haja lágrimas para se chorar nas novelas, só se for de desapontamento...

[Sobre "Recordações de Sucupira"]

por Marcia Rocha
14/6/2007 às
11h54 201.8.103.68
 
Oh doce ócio...
Leitores acabam se traindo, e sempre falam de suas preferências e iniciações. Eu não posso me furtar às lembranças deliciosas da Luluzinha, do Gasparzinho e da incipiente Mônica, compradas de segunda mão na feira de quinta, um pouquinho velhas é verdade, por alguns tostões, mas que me fascinavam e me abriram a portinha do clube mais chique deste planeta: dos amantes do bom texto! Depois vieram Alencar, Machado, Amado, Borges, Cortázar, Shakespeare, tantos outros. Celebremos, pois, já que somos (nem) tantos, mas tão apaixonados! Ler é ótimo! Ler é contagioso e incurável! Oh doce ócio... abandonar-se às linhas de um Pessoa, de um Potter, que importa. Não gosto de jogar pedras, mas tirando Paulo Coelho, o insípido, vale tudo!

[Sobre "O desafio de formar leitores"]

por Marcia Rocha
8/6/2007 às
18h36 201.8.103.68
 
Descartes revisitado
Se você seguir a máxima de Descartes, corre o risco de entrar em outra ilusão, que é achar que só o que pensa existe. Um convite a revisar o conceito de pensar e o de existir. Exemplo: uma pedra não pensa (no sentido cartesiano mesmo), portanto ela não existe. Se nós a pensamos pedra, nós existimos, mas não ela. Mas ela está lá, existindo. Eu pergunto - como é possível que ela exista sem pensar. Talvez ela só exista em nós. Mas parece tão real! Ou: ela pode ter um pensar diferente do meu, tão excludente e preconceituoso, limitado à minha paupérrima percepção sensorial. A pergunta de Hamlet ricocheteia na cabeça - ser ou não ser! e faz a dobradinha - pensar ou não pensar! Sempre há uma pedra no meio do caminho... Cáspite!

[Sobre "Penso, logo existo"]

por Marcia Rocha
8/6/2007 às
18h14 201.8.103.68
 
Tupi or not tupi (C.D.A.)
Pesquisa super instigante, mas a gente precisa lembrar que o inglês tem, por sua vez, 60% de latim e 40% de outras misturas linguísticas. O latim que influenciou o inglês, por sua vez, já era o latim vulgar, derivado da língua culta. E assim vai... Falar de "controle" linguístico seria demonstrar uma enorme ingenuidade em relação ao processo da fala humana, cujo enigma de nascimento até agora, afinal de contas, ninguém conseguiu decifrar: se a fala constitui a realidade ou é por ela constituída, eis a questão (lembrando outra vez o bardo). Isto posto, fico pensando como seria a aplicação de uma possível (e inaplicabilíssima) lei. E me provoca o riso sua aplicação. Ser censurado por falar ou escrever uma palavra estrangeira é, no mínimo, andar na mais absoluta contramão da História, negar todos os princípios de comunicabilidade humana e tentar desperdiçar os benefícios da tecnologia que nos dá, na primeira vez de todos os tempos, a oportunidade de mergulhar na babélica torre...

[Sobre "Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?"]

por Marcia Rocha
1/5/2007 às
21h15 201.79.6.116
 
Kombão não, Big Brother
Este projeto bem que podia chamar-se o Big Brother das Letras, com direito a prêmio no final para ser dividido entre todas as personagens!

[Sobre "Kombão das Letras"]

por Marcia Rocha
28/3/2007 às
17h09 201.79.30.9
 
Filho não cura solidão
Se você tem dúvidas, este não é o momento. Aguarde até que a luz verde acenda; é mais seguro do que tentar uma maternidade fora do seu tempo. Hoje uma mulher pode esperar esse momento com mais tranquilidade. E lembre-se de que nem sempre o filho preenche a falta de companhia; isso representaria o perigo de se transferir ou escamotear um problema mais sério, ou - o que é pior - contaminar o ambiente familiar, gerando filhos depressivos e dependentes. É bom verificar o que realmente se tem em mente ao ter filhos, antes que descubramos tarde demais. Filho não cura solidão.

[Sobre "A hora certa para ser mãe"]

por Marcia Rocha
21/2/2007 às
20h32 201.79.25.7
 
Mediocridade não!
Paulo Coelho ainda não merece o prêmio Nobel, pelo que escreveu até agora, e nem nós merecemos ser representados por um escritor tão medíocre. Por favor, não nos envergonhem. Já chega de tanta enganação, de tanta roubalheira, de tanta armação. Paulo Coelho é apenas uma jogada de marketing, e nada mais.

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Marcia Rocha
29/12/2005 às
14h07 201.29.37.234
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Caixa de Pandora
Claudio Martins

(1995)



O Segredo da Lua
Yedda Pereira dos Santos
Heresis
(2007)



Gerir o Seu Tempo
Vários Autores
Texto & Grafia
(2016)



Só o Amor Consegue
Zibia Gasparetto
Vida & Consciência
(2013)



O Túmulo Número 4
Will Oursler
O Cruzeiro
(1947)



Comunicação Global o Poder da Influência
Lair Ribeiro
Objetiva
(1993)



Esperanca para a Familia - o Caminho para um Final Feliz
Willie e Elaine Oliver
Cpb
(2018)



Almanaque Temático Cascãon° 54
Mauricio de Sousa
Panini



Iracema
José de Alencar
Sol
(2004)



Tex Coleção Nº 93 - o Preço do Poder
G. L. Bonelli
Globo
(1994)





busca | avançada
58445 visitas/dia
1,8 milhão/mês