Comentários do IP 200.194.102.154 | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> A terra das oportunidades
Mais Recentes
>>> Desculpe a Nossa Falha de Ricardo Ramos pela Scipione (1988)
>>> Jeitos de ser de Beatriz Monteiro da Cunha pela Evoluir (1999)
>>> Poder Pode Mas... Não Deve de Barbara Virginia pela Grafikor (1986)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> O Vôo Imperial 109 de Richard Doyle pela Record (1982)
>>> Noivo por encomenda de Peggy Daniels pela Nova Cultural (2009)
>>> Modelos Internacionais de Educação Superior - Eua, França e Alemanha de Reginaldo C. Moraes; Maitá de Paula e Silva pela Unesp (2017)
>>> Procura Meu Rosto de William A. Barry pela Loyola
>>> Planeta Nº 53 - a Jovem Revolucionária Se Tornou Monja Budista de Revista Planeta pela Tres (1977)
>>> Lisola Delle Voci e La Spiaggia Di Falesà de Robert Louis Stevenson pela Tascabili Newton (1993)
>>> Jorge Rachid Bussab de Jacob Klintowitz pela Marprint (1983)
>>> Curso de Iniciação Logosófica de Carlos Bernardo Gonzalez Pecotche pela Logosofica (2009)
>>> O Retrato de Dorian Gray - Clássicos da Literatura Universal de Oscar Wilde -trad. Marina Guaspari pela Ediouro (1998)
>>> Balas de Estado - Edição Completa e Comentada de Machado de Assis pela Annablume (1998)
>>> Fantastic Four - Quarteto Fantastico - Vol. 2 no 3 - Importada de Jim Lee; Brando Choi; Ron Lim pela Marvel - Americana (1997)
>>> Deitada na Escuridão de William Styron pela Circulo do Livro (1992)
>>> Professoras Em Cena de Beatriz Kulisz pela Mediaçao (2004)
>>> Casa da Chris de Chris Campos pela Record (2004)
>>> Satisfação Garantida de Tony Hsieh pela Thomas Nelson Brasil (2010)
>>> Life, on the Line de Grant Achatz; Nick Kokonas pela Penguin Usa (2012)
>>> Justice League Vol. 6: Injustice League (the New 52) de Geoff Johns pela Dc Comics (2015)
>>> Casas de Família de Denis Tillinac pela A Girafa (2005)
>>> The Films of Peter Lorre de Stephen D. Youngkin; James Bigwood pela Citadel (1982)
>>> Globalização na América Latina: Integração Solidária de Clóvis Brigadão - Coord. pela Funag (1997)
>>> Os Mortos Tambem Contam de Miguel Méndez pela Escrituras (2002)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Terça-feira, 6/8/2002
Comentários
200.194.102.154


Desconto
Olá, Grande Alexandre Na adolescência me ensinaram o seguinte: namore uma mulher magra, pois se você chegar a se casar com ela, terá a mulher ideal. O fato é que elas costumam engordar depois do casamento. Então é bom dar o desconto quando ainda são jovens. Quanto à relação que se estabelece entre leitor e personagem, acontece algo perigoso comigo: envolvo-me facilmente na atmosfera do texto. Mordi até sangrar os lábios enquanto lia O Processo. Raskólnikov me lançou numa turbilhão angustiante. Orwel me deixou sem fôlego com a opressão de 1984. O vôo de passarola ao lado de Baltasar Sete-Sóis e Blimunda me fez sentir no rosto a suave brisa da liberdade (apesar de Memorial do Convento ter sido escrito por um comunista). Enfim... como é bom esse negócio de ler, né?

[Sobre "Amando quem não existe"]

por Rogério Macedo
6/8/2002 às
15h45 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
No jardim da infância
Ôpa, Rafael Sempre fui ruim em escrever num "estilo absurdo". E foi isso que tentei fazer escrevendo com espanto "Então foi Fídias quem descobriu o belo?". Senti-me, como resultado dessa inaptidão, um menino no jardim da infância recebendo uma lição óbvia demais para um adulto: "Rogério, a beleza já existia antes de Fídias". Mea culpa. E até o próximo texto. Abraço

[Sobre "Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa"]

por Rogério
26/6/2002 às
13h52 200.194.102.154
(+) Rogério no Digestivo...
 
Descoberta da beleza
Então foi o Fídias quem descobriu o belo! Ou ao menos o racionalizou, né? Aproximar-se dos padrões da natureza, eis o critério. Parabéns pelo excelente texto, Rafael! Um abraço P.S. Achei que você fosse mencionar o Aleph do Borges quando se referiu ao alfa e achei que fosse mencionar a Biblioteca de Babel quando falou sobre constante de Champernowne. Você considera esses textos manjados demais?

[Sobre "Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa"]

por Rogério Prado
25/6/2002 às
17h10 200.194.102.154
(+) Rogério Prado no Digestivo...
 
Ops!
Corrigindo para evitar dupla interpretação: "E se EU fosse o gerente da loja"

[Sobre "Arte é entropia"]

por Rogério Prado
23/6/2002 às
10h04 200.194.102.154
(+) Rogério Prado no Digestivo...
 
Navio pirata é pior que bomba
Olá, Gian O Cleiton jogou areia na engrenagem. Iconoclasta, cometeu uma "suave loucura". Não foi necessário colocar uma bomba de fabricação caseira na porta da bienal. E se fosse o gerente da loja, teria preferido a bomba mesmo, pois o navio pirata fez muito mais estrago. Parabéns pelo texto.

[Sobre "Arte é entropia"]

por Rogério Prado
23/6/2002 às
09h43 200.194.102.154
(+) Rogério Prado no Digestivo...
 
O Economista
Impressões que surgiram depois da leitura dos posts (importante dizer, sou cearense e moro no Ceará) 1. A carga horária oficial de trabalho no Brasil é igual em todos os Estados da Federação, logo todos os brasileiros no mercado formal trabalham muito, o que torna nossa miséria um objeto no mínimo misterioso (pelo menos para quem não quer enxergar a voracidade estatal). 2. Se não me engano, metade dos trabalhadores brasileiros vive na informalidade. E esse número aumenta nas regiões menos desenvolvidas. Talvez isso cause a ilusão de que o nordestino trabalha pouco. Eu julgo essa fuga para a informalidade como um ato heróico de quem, forçado pela impossibilidade de ser inserido no mercado de trabalho e por incapacidade técnica (na maioria das vezes por analfabetismo mesmo) quer arriscar seu dinheirinho em pequenas empreitadas ao mesmo tempo em que foge da histórica e voraz regulamentação trabalhista e da burocracia estatal que costuma cobrar altos preços (as sinecuras são bem remuneradas, sabemos), inibidora maior da iniciativa privada. 3. Como se pode depreender facilmente da leitura dos dois posts anteriores, não sou nenhum economista, mas minha tibieza nesse assunto não valida automaticamente as idéias inversas às minhas. 4. E onde quero chegar: vejo como uma falácia da exclusão a associação que se faz entre "povo festeiro" e "povo preguiçoso". Acho que o povo nordestino é festeiro, mas não é preguiçoso. Um povo preguiçoso não abandonaria sua terra e sua família para se meter na grande empreitada que é formar o grande exército da construção civil que ajudou a erguer o Sudeste. O trabalho braçal pesado não é coisa de preguiçoso. 5. Isso não quer dizer que o nordestino não seja festeiro. E que mal há em ser festeiro? Nenhum. Mas o nordestino é festeiro DEMAIS. Há cinco milhões de carnavais por ano aqui. Por mim não haveria nenhum. Tradição por tradição, nordestina mesmo é a festa junina (ontem, nas nuvens, comi bolo de batata doce). E tem a vantagem de ocorrer somente em Junho, ao contrário dos malditos carnavais. 6. O Dennis está errado quando faz essa associação (talvez involuntária) 7. O Dennis está certo quando diz que as festas aqui são cretinas. 8. Que Jorge Amado é um ícone literário, não resta a menor dúvida. Mas isso não transforma sua literatura em texto sagrado nem seu autor em paradigma literário. Pode até ser que seja (não posso afirmar nada, pois li somente um livro, e logo da fase cacaueira), mas não apostaria nisso enquanto não lesse as outras obras (a acreditar na opinião de quem diz que quem leu uma obra da fase cacaueira leu todas, até poderia arriscar um veredicto). Dizem que as obras de início de carreira eram boas, depois passou a patinar eternamente na pasta de cacau. 9. Não vou dizer que os membros da Academia sejam analfabetos. Mas que a ABL é bizarra, não há a menor dúvida! Escrever e ler são, por natureza, atos solitários, opostos a reuniões e sessões de rapapés. 10. A música popular brasileira sem os baianos perderia e ganharia ao mesmo tempo. O mesmo aconteceria com a música brasileira sem os gaúchos, sem os paraenses, sem os maranhenses, sem os mineiros, etc. O mesmo aconteceria com a música mundial sem o Brasil: perderia e ganharia ao mesmo tempo. O mesmo aconteceria com a música interplanetária sem a Terra: ganharia e perderia ao mesmo tempo. Agora, a filosofia brasileira sem o Caetano Veloso muito ganharia. 11. Eu sou que nem político: também gosto de sentir o povo. De preferência de mini-saia e peitinho empinado.

[Sobre "Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco"]

por Rogério
17/6/2002 às
13h20 200.194.102.154
(+) Rogério no Digestivo...
 
Eu quero.
Morar na Dinamarca? Cadê as passagens, cadê as passagens?

[Sobre "Torço para quem eu quiser"]

por Rogério
7/6/2002 às
21h06 200.194.102.154
(+) Rogério no Digestivo...
 
Vergonha
Rapaz! Fiquei com uma vergonha imensa de ser o grande chato ranzinza que sou. Parabéns, Alexandre. E obrigado por me apresentar o barrigudo e narigudo Lear.

[Sobre "A Guerra contra a Chatice"]

por Rogério Prado
7/6/2002 às
13h24 200.194.102.154
(+) Rogério Prado no Digestivo...
 
Futebolcentrismo
Gosto de futebol. Mas só de futebol. Explico: nos últimos anos a TV conduziu o interesse do público para fora das quatro linhas. Mostra-se a mãe do Vampeta na cozinha, a mulher do Romário passeando com as crianças, o Ronaldinho levando a Ferrari para passear, etc. Não há como não considerar isso uma manifestação inequívoca da estupidez generalizada: publico e produtores de TV não têm mais aonde descer em termos de tolice e banalidade. Futebol, em condições normais de saúde mental, deve ser considerado como um lazer, um entretenimento, um passatempo que está no mesmo nível do ioiô. Se um sujeito bate no outro ou considera alienígena qualquer um que não se mate ou não mate por um time de futebol, então mande-o conversar com um mecânico da mente. O cara tá com a escala de valores danificada. A mídia estúpida viu um filão que poderia florescer através da receptividade ilimitada comum aos iletrados. O futebol deixou de ser apenas uma componente do orgulho de ser brasileiro, algo que sabíamos fazer bem. Passou a ser também um negócio e aí a habilidade que um sujeito tem com a bola no pé passou a ser coisa secundária. Com uma mídia estúpida (pois feita por estúpidos) dominando os caminhos do futebol, os subprodutos pipocaram: comentarista de arbitragem (um imbecil que passa o jogo inteiro explicando regras de arbitragem que já são do conhecimento de 100 milhões de brasileiros) e comentarista para as táticas elaboradas pelos técnicos. Essas duas espécies de cometarista foram os responsáveis por eu ter sido considerado doido pela vizinha que chegou a minha casa e me viu assistindo a uma partida de futebol com o volume da TV no zero. É essa a minha vingaça: volume zero. Futebol prá mim é noventa minutos mesmo. Assisto apenas a partir do instante em que o sujeito bate o centro e, quando o jogo tá bom, vou até o apito final, com um intervalo de economia de energia de quinze minutos entre os dois tempos. O resto é tolice. Os técnicos são um capítulo à parte. Hoje são tratados como gênios da estratégia, no mesmo nível de um Napoleão ou de um Saladino. A imprensa infla o ego desses sujeitos que mal sabem falar e esquece que o Feola (antigo técnico da seleção brasileira) dormia no banco de reservas enquanto o Brasil metia a sola nos adversários. Mas isso faz parte de um tempo em que bastava saber jogar futebol para ganhar um torneio. Hoje é requisito ter um idiota gesticulando na beira do campo, de preferência vestido de paletó. Só idiotas vão a campos de futebol vestidos de paletó. Técnico de basquete muda o jogo numa substituição antes de 5 segundos para acabara a partida. Mas técnico de futebol é uma figura que detém aproximadamente, segundo meus cálculos, 0.003% de participação no desempenho de um time. Já ouvi o Carlos Alberto Torres dizer que aqueles gritos e gestos do treinador na beira do campo é coisa pras câmeras. Não exisitia antes que a TV desse tanta atenção a essas figurinhas medíocres. O próprio Carlos Alberto, que já foi técnico e jogador, disse que os jogadores não ouvem nada do que o imbecil grita na beira do campo. E quando ouvem não entendem o que querem dizer aqueles gritos e gestos. E quando entendem não acatam, fazem de conta que não ouviram. Como disse no início, gosto de futebol. Mas para mim o sistema solar não é futebolcêntrico, como os Luxemburgos querem fazer parecer.

[Sobre "Como não gostar de futebol no país do futebol"]

por Rogério Macedo
5/6/2002 às
15h50 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
Vou lá.
Obrigado pela dica, Rafael. Já tinha ouvido falar no Luiz Gê, mas nunca fui atrás de ver o que o cara tem a dizer. Vou passar por lá e dar uma conferida. Se tiver desenho dele, melhor ainda. abraço

[Sobre "Música do acaso"]

por Rogério Macedo
4/6/2002 às
18h40 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
Fera
Olá, Rafael Sou leitor do Laerte há muito tempo e fiquei contente em ler a coluna de hoje. O Laerte é uma fera mesmo. Enquanto lia esse texto fui me lembrando de diversas tirinhas. Por exemplo: Gato: Mas por que eu preciso saber onde fica o ponto "G"? Gata: Prá saber o que fazer na hora "H". Gato: E o que eu tenho que fazer na hora "H"? Gata: Botar os pingos nos "I"s. E o Fagundes digladiando com o seu mais feroz concorrente, um sujeito chamado Alceu Dispor, e o Síndico dizendo que jamais enconstaria o dedo numa criança para depois colocar o pé para que um menininho tropeçasse na escada, e o General dizendo "o importante não é vencer, mas humilhar o derrotado". O Laerte é uma usina de criação, um humorista fino, um cara que tem "sacadas geniais" no mesmo nível de um Aparício Torelli. Abraço e parabéns pelo texto.

[Sobre "Música do acaso"]

por Rogério Macedo
4/6/2002 às
14h27 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
Homem hightech
Lembrei-me de um texto do Millor, que dizia mais ou menos o seguinte: trinfará a sociedade que mantiver congelado o último homem que souber fazer conta na ponta do lápis, pois quando todos os computadores entrarem em pane ele será descongelado e será o senhor do mundo. Me parece de uma estupidez imensa a tecnologia-pela-teconologia, o sujeito que quer o último modelo de computador portátil não porque o seu atual não lhe esteja servindo, mas porque o último é o mais recente. E acho que o japonês (não só ele, claro) representa muito bem esse papel do homem hightech, como se a teconologia não fosse apenas um meio, mas o paradigma a ser seguido e, nos casos extremos, incorporado, sob pena de exclusão do mundo dito "avançado".

[Sobre "Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco"]

por Rogério Prado
31/5/2002 às
13h56 200.194.102.154
(+) Rogério Prado no Digestivo...
 
Faltou um
Olá, Bruno Na lista de livro de Stephen Jay Gould publicados no Brasil faltou Viva o Brontossauro. Abraço P.S. Stephen Jay Gould era grande mesmo. Quem o leu sabe disso. http://pradomacedo.blogspot.com

[Sobre "Paz é conto da Carochinha"]

por Rogério Macedo
28/5/2002 às
14h02 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
Gould não era nenhum pancrácio
Não sabia que Stephen Jay Gould estava morto. Sei que lutou durante muito tempo contra um câncer. Mas isso faz uns dez anos... Li vários de seus ensaios, verdadeiros elixires a desanuviar os olhos dos leigos em ciências naturais. Gould era erudito. Um cientista que não via o mundo apenas com a lente da sua ciência. Combinava várias lentes. Queria pegar o leitor de jeito. Para falar de probabilidades, contava suas idas aos jogos de basquete quando criança. Seus textos estão repletos de referências históricas e literárias. Para se ter uma idéia, o ensaio "Koprotkin não era nenhum pancrácio", em que Gould põe luz sobre alguns conceitos de luta evolutiva, começa com uma carta que Tolstoi escreveu aos filhos pouco antes de morrer numa gélida estação ferroviária. O que dizer? Estou triste.

[Sobre "Na zdorovie!"]

por Rogério Macedo
27/5/2002 às
16h27 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
Ainda me restam 35 anos
Olá, Alexandre Depois que saí da infância, daquela época em que para tremer de medo no sofá me bastava a voz da Cuca (hoje tenho medo da Dona Benta), comecei a nutrir preconceito contra a TV. Confesso que atualmente esse preconceito continua, e é tão imenso quanto bobo e desnecessário. Gostaria de ver mais TV, pois a presença dessa caixinha no canto da sala pode ser útil e agradável. Não é possível que nos trinta e cinco anos que me restam de vida não surja um Joss Whedon que possa encontrar portas abertas na TV brasileira. Juliano, não sei de cor a grade da programação televisiva, mas posso afirmar, com preconceito e tudo: canais abertos são lixo total, escorrendo salmoura. Já vi, não gostei, não vejo mais (exceto um futebolzinho de vez em quando ou um filme antigo na madrugada). O orçamento nunca me permitiu fazer uma assinatura de TV, mas depois de ler a coluna do Alexandre talvez eu pense duas vezes antes de jogar fora o próximo panfletinho de promoções para novos assinantes. Abraços Rogério

[Sobre "Joss Whedon"]

por Rogério Macedo
24/5/2002 às
13h11 200.194.102.154
(+) Rogério Macedo no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Marketing Estratégico (lacrado)
Antônio Cláudio Santiago, Edilberto Camalionte
Dvs
(2004)



São Paulo é Legal - Patrimônio
Vanessa Sobrino / Bernardo França
Olhares
(2013)



O Romance Inacabado de Sofia Stern
Ronaldo Wrobel
Record
(2016)



For Your Eyes Only
Ian Fleming
Longman
(1973)



A Graça da Coisa
Martha Medeiros
L&pm Editores
(2014)



Voltaire, Volume 2/ Helvétius os Pensadores
Nova Cultura
Nova Cultural
(1988)



Business Result: Elementary: Teachers Book
John Hughes
Oup Oxford
(2013)



O Pastor Que Deus Usa - o Trabalho Pastoral Segundo a Palavra
Eugene Peterson
Textus
(2003)



Uma Rua Como Aquela
Lucília Junqueira de Almeida Prado
Record
(1980)



A Inovação Tecnológica no Ambiente de Trabalho
Thiago de Carvalho e Silva
Lumen Juris
(2015)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês