Cordialidades | Vanessa Rosa

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
>>> A Carmen Miranda de Ruy Castro
>>> Lula, Chavez e Morales
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
Mais Recentes
>>> Napo um menino que não existe de Edson Bueno pela Positivo (2013)
>>> As mais belas histórias da Grécia Antiga de Josef Guggenmos pela Positivo (2014)
>>> The secret beach de Jane Rollason pela National Geographic Learning (2011)
>>> Questões do coração de Emily Giffin pela Novo conceito (2011)
>>> Um conto do destino de Mark Helprin pela Novo conceito (2014)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Arqueiro (2004)
>>> O Edifício de Murilo Rubião pela Positivo (2016)
>>> Enigma em Barcelona de Rosana Rios pela Callis (2018)
>>> Receita de ano-novo de Carlos Drummond de Andrade pela Companhia das letras (2015)
>>> Uma questão de confiança de Louise Millar pela Novo conceito (2013)
>>> Renato Russo: O filho da revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2012)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2017)
>>> Sociologia y Urbanismo de Norbert Schmidt-Relenberg pela Instituto de Estudios de Administracion Local (1976)
>>> Peter Pan A Origem da Lenda de J. M. Barrie pela Universo dos livros (2015)
>>> A Menina que ficou invisível de Valéria Portella e Marco Antonio Godoy pela Suinara (2018)
>>> O Mito da Marginalidade. Favelas e Política no Rio de Janeiro de Janice E. Perlman pela Paz e Terra (2002)
>>> Poemas Escolhidos de Gregório de Matos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Big Loira e Outras Histórias de Nova York de Dorothy Parker ( Tradução de Ruy Castro) pela Companhia Das Letras (1990)
>>> Doze Contos Peregrinos 7ª ed. de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1995)
>>> Rabisco um Cachorro Perfeito de Michele Iacocca pela Ática (2010)
>>> Mico Maneco de Ana Maria Machado e Claudius pela Salamandra (1988)
>>> Menino Poti de Ana Maria Machado e Claudius pela Salamandra (1998)
>>> O Amor nos Tempos do Cólera 5ª ed. (tradução de Antonio Callado) de Gabriel Garcia Márquez pela Record (1985)
>>> Tatu Bobo de Ana Maria Machado e Claudius pela Salamandra (1988)
>>> Jacaré Não Manda Carta de Julieta de Godoy Ladeira pela Atual (2011)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 29/7/2002
Comentários
Leitores


Cordialidades
Caro Alberto, Um texto curto e saboroso, trazendo a nós o grande Sérgio Buarque de Holanda, veio como a inspiração necessária a mais um começo de semana. Obrigada! Vanessa

[Sobre "Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial"]

por Vanessa Rosa
29/7/2002 às
11h56 200.173.123.2
(+) Vanessa Rosa no Digestivo...
 
Lendo E. F.
Evandro, fui "apresentado" aos seus artigos ao ler o "da arte opiniática", de maio último. O de hoje, se me permite, é mais "didático" do que "opiniático". Se o opiniático inovou e divertiu, o didático pacientemente instruiu, esclareceu. Também gostei dos comentários que se seguiram, em especial a oportunidade que se deu de comentar o engodo do multiculturalismo. Abraço e parabéns.

[Sobre "O pensamento biônico"]

por Toni
28/7/2002 às
13h44 200.154.144.165
(+) Toni no Digestivo...
 
Obrigados!
Gostaria de agradecer imensamente os ótimos comentários que li acima. Sidney, comunique-se comigo pelo e-mail: [email protected] A propósito, adorei seu comentário (número 2). Só não falei das fontes que você citou porque acho que elas merecem vários artigos, quase um pra cada uma delas. Sou leitor assíduo do "O Individuo". Vamos trocar umas idéias! Guilherme, obrigado por virar meu leitor e intérprete teórico! João Pessoa, valeu e parabéns pela receptividade à analogia marxismo/ multiculturalismo, pois a maioria das pessoas já a recusa a priori. Celso, não exagere, sou apenas um pobre mortal, habitante de um país marxista de terceiro mundo! E por último mas não menos importante, obrigado J. Jardim, realmente a sectarização nas universidades é uma barbaridade que já me fez desistir de muitas coisas e investir em outras. Enfim, gostaria de escrever muito mais, mas estou "em trânsito" até o dia 30 e não estou tendo muito acesso a computadores esses dias.

[Sobre "O pensamento biônico"]

por Evandro Ferreira
27/7/2002 às
22h53 200.154.61.77
(+) Evandro Ferreira no Digestivo...
 
Coisas ditas e não ditas
Bem-vindo à discussão, Helion. Observe que eu não escrevi que defender uma cultura IMPLICASSE LOGICAMENTE oprimir a outra, mas é o que se vê na hipocrisia multiculturalista. Daí a associação que - note - FRED REED fez entre luta de classes e multiculturalismo, que só tentei expor. A alta cultura, esteja embora definhando, é dada como dominante e expressão dos dominadores, assim como acontece com o liberalismo na economia. O uso político da intolerância cultural(disfarçada de tolerância) o texto que sugeri explica melhor do que eu poderia. Finalmente, a música erudita (já percebi que não concordarás) é intrinsecamente melhor do que o samba porque cumpre melhor do que ele sua função artística: "diz" muito mais, exprime bem mais, é muito mais rica em nuanças de expressão. Um grande abraço!

[Sobre "O pensamento biônico"]

por Guilherme
27/7/2002 às
22h10 200.193.27.195
(+) Guilherme no Digestivo...
 
multiculturalismo e revolução
Se me permitem. Não consigo imaginar como a defesa das culturas “politicamente fracas” possa se assemelhar à proposta da ditadura do proletariado. A defesa da tolerância é – ao contrário - muito mais aparentada à luta contra uma ditadura do que à imposição de uma ditadura. Discordar do preconceito do cristão não significa oprimi-lo ditatorialmente. É defender a existência de outros valores, e não eliminar os mais tradicionais. A não ser que discordar de um pensamento dominante seja “oprimi-lo”, o que seria uma contradição em termos./// O exemplo da música erudita versus a popular me parece infeliz. Afirmar a “superioridade” de uma cultura é mais do que “defender os dominadores”: é ignorar que há parâmetros não comparáveis, ou seja, que nenhuma das duas é superior a coisa nenhuma. Por sinal: se há, como você diz, dez pagodeiros para cada violinista, não estaria a cultura erudita – seguindo o seu raciocínio - na posição inferiorizada politicamente? Nesse caso, defender a erudição seria, aí sim, a autêntica tolerância cultural! Inverte-se o argumento.../// Uma última coisa: se o multiculturalismo não defende a tomada violenta do poder, como mesmo você reconhece, então como poderia ser “o substituto da revolução armada”? sinto muito, Guilherme mas, tal como o João pessoa, não captei a lógica.

[Sobre "O pensamento biônico"]

por Helion
27/7/2002 às
19h58 200.154.217.202
(+) Helion no Digestivo...
 
Saudades do livro!!
Vou fazer uma analogia macabra, mas meu envolvimento literário vai ao ponto da de terminar a obra e sentir o mesmo vazio de quando retornamos de um enterro de algum parente, fica aquela sensação de tristeza e ao mesmo tempo a necessidade de se voltar a viver sem aquilo que se foi. O envolvimento emocional com a obra é proporcional a inteligência expressa nela, duvido que alguém se importe de eliminar o personagem que anda pelo deserto em busca de sei lá o que, em o Diário de um Mago.....

[Sobre "Amando quem não existe"]

por Eduardo Vianna
27/7/2002 às
16h02 200.207.205.22
(+) Eduardo Vianna no Digestivo...
 
Os Nativos que se cuidem!!!!!!
Acredito que o destino de nosso menos potentoso povo indígena não deva ter sido muito diferente, dadas as facilidades de se deixarem dominar. O censo demográfico na época me parece que não funcionava muito bem, então não há a menor idéia de quanto se matou direta (armas de fogo) e indiretamente (trabalho forçado, pestes e doenças). O mais "fascinante" e amedrontador foi o papel desta mesma igreja católica no processo, consolidada ao longos de nossos anos como a maior instituição dos aspectos místicos humanos. O continente Africano escapou da barbárie histórica indireta sobre seus nativos, mas definha na ingerência da humanidade para estas questões de solidariedade, uma vez que padecem de epidemia de AIDS, Ebola...etc... Homem dito Branco, Cara Pálida....o que você fez com o mundo?

[Sobre "O Mistério dos Incas"]

por Eduardo Vianna
27/7/2002 às
15h40 200.207.205.22
(+) Eduardo Vianna no Digestivo...
 
De um copiador de Mondrian...
nunca vi descrição tão lúcida do mundo da moda!

[Sobre "Amando quem não existe"]

por el guapo
27/7/2002 às
14h33 200.158.20.153
(+) el guapo no Digestivo...
 
Tentando outra vez
Realmente minha primeira explicação, malgrado o endosso e o elogio do Sidney, estava ruim. Tento de novo. É que na verdade não se trata de analogia, como dei a entender, mas de um traço genético, legado do pai ao filho. O marxismo defende que existe a opressão de um classe sob outra pelo monopólio dos meios de produção; que só existe libertação pelo combate dos oprimidos contra os opressores; e que a cultura dominante é manifestação desse domínio e meio de o manter. Conseguintemente, surge o equivalente cultural da luta de classes: o multiculturalismo, defendendo as culturas politicamente fracas contra a forte. Porém, essa política cultural logo se mostra equivalente a uma ditadura do proletariado. O cristão não pode defender que o homossexualismo é um mal, ou é chamado de intoerante. Não se pode dizer que música erudita vale muito mais que o samba porque isso é defesa dos dominadores, ainda que haja no Brasil dez pagodeiros para cada violinista. A tolerância cultural mostra-se intolerância com a cultura acusada de opressora. O mecanismo de censura do inimigo é a regra "politicamente correta". Assim, repete-se no plano cultural o que Evandro nos contou da discussão econômica. Outra coisa: o multiculturalismo não defende a tomada violenta do poder, é verdade, mas justamente porque ele é o substituto da revolução armada, adotado quando se percebeu que a tática anterior não ia longe. São idéias irmãs. A respeito disso, o magnífico artigo de Olavo de Carvalho, "Do Marxismo Cultural": http://www.olavodecarvalho.org/semana/06082002globo.htm Espero agora ter sido mais claro. Um abraço!

[Sobre "O pensamento biônico"]

por Guilherme
27/7/2002 às
13h02 200.193.27.195
(+) Guilherme no Digestivo...
 
Que achado!
Agradeço a explicação, mas sinto muito, continuei sem entender. A semelhança apontada (ambos escolhem um inimigo, instigam revolta contra ele e utilizam o conflito para ganhar o poder político) não é uma caracteristica de todo e qualquer movimento político que almeja a conquista do poder? Inclusive da direita política, por exemplo? De maneira que a analogia permanece sem justificação, no meu entender. Há tambem outra coisa: nunca ouvi dizer que os multiculturalistas preguem a tomada revolucionária ou violenta do poder. Bem, continuo esperando uma explicação mais precisa. Procurarei ler o artigo recomendado, no entanto.

[Sobre "O pensamento biônico"]

por João Pessoa
27/7/2002 às
08h25 200.199.78.133
(+) João Pessoa no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Serena
Vera Fischer
Litteris
(2010)



A Moderna Agropecuária: o Drama da Sua Evolução - 2ª Ed.
Gilberto Moraes
Sagra (porto Alegre)
(1993)



Curso de Direito Penal - Parte Especial Volume 2
Rogério Greco
Impetus
(2011)



Maximas de Yogananda
Paramahansa Yogananda
Kier
(1986)



Um Caso Mortal
Paulo Condini
Moderna
(1995)



Extensão do Olho
Lourdes Fonseca Ricardo
Estação Liberdade
(1994)



Anuário do Staden Nº 36
Heinz Budweg
Fundação Martius
(1988)



Monsters You Never Heard Of
Raymond Van Over
Berkley Pub Group (mm)
(1988)



Quem esta Escondido? - Diversão na Floresta
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2017)



Textos Em Epidemiologia
Carlos Alfredo Marcílio de Souza e Outros
Seplan Cnpq
(1984)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês