Inteligência aderente | mauro judice

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
>>> Projetonave e Caco Pontes lançam temporada de espetáculos online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
>>> 20 de Maio #digestivo10anos
>>> A bem-sucedida invenção do gaúcho
>>> Chá das Cinco com o Vampiro, de Miguel Sanches Neto
>>> Reflexões sobre um século esquecido (1901-2000), por Tony Judt
Mais Recentes
>>> Diamond, guns, bacteria and steel and the fates of human societies de Kiryat Afekim pela Biblioteca Afekim (1999)
>>> Meditações de Sylvia Brown pela Light com (2005)
>>> Mernieku laiki de Kaudzites REinis e Kaudzites Matis pela Latvijas Valsts Izdevnieciba (1964)
>>> Desejo de kianda de Paftala Wish pela kinneret, Zmora-Bitan, Dvir (2011)
>>> Genocidio na "Terra das mil coisas" em Ruanda de Benjamin Neuberger pela The open university (1994)
>>> Ditaduras de Kenneth Libertal pela The open university
>>> The rise and fall of the third reich de William L. Shirer pela Schocken Publishing (1976)
>>> Berlitz Pocket Guide - O guia de viagem mais vendido do mundo de Vários Autores pela Berlitz (2006)
>>> O cantor escravo de Yitzhak Bashevis pela Dell (2002)
>>> Shimon Zimmer imaginou que você estava vivo de (Shimon Zimmer) pela Ônibus - Literatura israelense (1997)
>>> Papagaio Illeglio de Klili pela Dvir (2006)
>>> Da Crise do Antigo Regime à Revolução Liberal, 1799 - 1820: uma cronologia de Fernando de Castro Brandão pela Europress (2005)
>>> Jack Croak e os hipopótamos ferviam em suas piscinas de William S. Burroughs pela Achuzat Bayit (2011)
>>> Cachaça: Ciência, Tecnologia E Arte de Blucher pela Blucher (2021)
>>> Anúncios de serviços de prostituição em cafetões de Israel Neich pela The EU (2006)
>>> Spot´s First Walk de Eric Hill pela G. P. Putnam's Sons (1981)
>>> Oxford's famous faces de John Dougill pela Oxford (1987)
>>> Essential BULATS: Business Language Testing Service de David Clark pela Cambridge University Press (2006)
>>> Rosies Walk de Pat Hutchins pela Simon (2021)
>>> Falar Arábico - Novo metodo de aprendizagem de Yonahan Elihi pela Minroa Consulting and Trainin group (2004)
>>> Lugar seguro? A lei de Israel é segura? - Problemas no tratamento dado pelo Estado de Israel aos refugiados e requerentes de asilo de Vários Autores pela Tel Aviv university (2003)
>>> O beijo da morta de Celestina Arruda Lanza pela Feb (1933)
>>> Méthode Berlitz - Pour l'enseignement des langues modernes de M.D. Berlitz pela Berlitz (1916)
>>> Almas mortas de Nikolai E. Google pela A nova biblioteca (2013)
>>> Mendemondák a vilagtortenet furcsasagai (facsimile) (Mendemonds são as esquisitices da história mundial) de Bela Toth pela Konyvkucko (1896)
COMENTÁRIOS

Quarta-feira, 2/6/2010
Comentários
Leitores


Inteligência aderente
Note, caro Patez, que destaco trechos do pensamento nietzschiano com intenção de trazer o raciocínio ao plano da apreciação objetiva. Move-me, quero deixar claro, a aflitiva sensação de que algo tenha me escapado na leitura de Nietzsche. Não sei se isto já lhe ocorreu, esta circunstância de não conseguirmos concordar com pensador de fulgurante inteligência, a ponto de questionarmos a toda hora se realmente entendemos o que diz. Nosso filósofo é, provavelmente, a inteligência mais aderente ao pensamento pós-moderno, e escuto-o reverberar nas palavras dos eminentes pensadores e escritores atuais, mais que Heidegger e Wittgenstein (não sei se, nas esferas acadêmicas, dá-se o mesmo). Por isso, anseio que alguém me explique o pensamento de nosso filósofo, sobretudo quando leio certos posicionamentos dele os quais reputo como erros elementares. Um exemplo: tomemos a obra "O Anticristo", capítulo 41, onde lemos sobre a morte de Jesus (continua no comentário a seguir):

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por mauro judice
http://www.gizeditorial.com.br/maurojudice
2/6/2010 às
23h55 200.100.72.42
(+) mauro judice no Digestivo...
 
Uma verdadeira aula!
Uma verdadeira aula! Sinceramente, todos os pretensos artistas deveriam ler este seu texto. Hoje não se vendem mais discos, mudou a coisa, vendem-se shows! Os downloads de música envergaram a lei, estão aí... Se bem que, será preciso também mudanças na lei. Vou dar um exemplo de um cantor que vendeu muito disco, ganhou dinheiro, mas é pouco conhecido no Brasil, aliás aqui pouco viveu, só até meados da década de 70: Morris Albert, o maior vendedor de discos deste país, só com "Feelings" vendeu mais de 180 milhões, já chegando no total perto de 240 milhões no mundo todo. Hoje a maior renda é de shows e direitos autorais. Nossos tempos são outros e já se discute também a questão do domínio público e não do domínido DO público, já com ações em jurisprudência internacional. É preciso como você diz, estar atento, não basta experiência!

[Sobre "Música ainda é profissão?"]

por Celito Medeiros
http://www.celitomedeiros.com
2/6/2010 às
15h37 189.26.7.32
(+) Celito Medeiros no Digestivo...
 
O Anticristo tem as respostas
Caro sr Judice, devo dizer-lhe que os tais "nietzschianos" conclamados a lhe prestar esclarecimentos sobre as ponderações deste filósofos estão mui quietos, talvez não queiram se dar ao trabalho, o que no meu caso não o é, mas as respostas que busca está no livro que vsa. deve conhecer como "O Anticristo", do qual foi extraído o texto em questão... se folheá-lo outra vez verá que não têm os tais "nietzschianos" que lhe fornecer outros dados, pois o próprio Nietzsche o fará. Quanto à Jesus Cristo, qual foi ou é o seu sistema filosófico, quais livros escreveu? Nietzsche por vezes ataca o "cristianismo", o que foi deturpado através do catolicismo e anteriormente por Paulo de Tarso. Para o filósofo, o Buda Sidarta diz não à vida pelo fato de buscar o nirvana, a filosofia do nada absoluto. Como pode o cristianismo dizer sim à vida se busca uma vida fora desta realidade, se sua realização de felicidade ou bem viver, como queira, virá após a morte, uma supra-realidade mascarando a realidade?

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por Carlos Patez
http://www.capatez.zip.net
2/6/2010 às
13h42 189.19.67.141
(+) Carlos Patez no Digestivo...
 
Nietzsche e o racionalismo
Nietzsche detestava o racionalismo, foi contrário ao pensamento kantiano e a ideia do "eterno retorno" não encontrou eco na dialética hegeliana, pois a historiografia não era a tônica de seu pensamento, enquanto, da dialética, sim, vez que para nosso filósofo não há mundo verdade, não há absoluto, o conhecimento é apenas um minuto mentiroso da história de um universo indiferente, como já se disse. Ele negou quantos mais grandes sistemas metafísicos criados pelo raciocínio intelectivo que se pretendem cosmogônicos, mas acabam por se tornar "razão tirânica". Sócrates plantou na Grécia - que perdera a inocência primitiva - o domínio da lógica e do Logos. Eram agora cidades-estados, e a hegemonia de poder da alma de seu povo se exteriorizava à expansão ao vizinho, à Guerra do Peloponeso. Nietzsche não podia gostar do pensamento cristão ou búdico, igualmente imantados ao Logos na razão, na confiança plena da lógica como instrumento de realização, digo, felicidade, conquanto fossem domados os sentidos humanos.

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por mauro judice
http://www.gizeditorial.com.br/maurojudice
2/6/2010 às
13h14 201.93.70.187
(+) mauro judice no Digestivo...
 
Renato e Joseph, agradeço
Renato e Joseph, agradeço pelos comentários. @Renato, que surpresa ter você como leitor... Mesmo discordando, vejo que se interessa.

[Sobre "Não julgue o público"]

por Olívia Mindêlo
2/6/2010 às
10h36 187.113.166.188
(+) Olívia Mindêlo no Digestivo...
 
Tenho apenas uma lamúria
Já há algum tempo venho maravilhando-me com a ampla disponibilidade de livros surgida com o advento da internet; Google Books, Archive.org, bibliotecas nacionais (Portugal, Espanha, França, Japão)... são tantas as alternativas que "quebram algemas"... Como exemplos, é possível baixar e ler tesouros como "Lendas e Narrativas" (dois volumes) de Alexandre Herculano, ou "A New Guide to the English Tongue", de Thomas Dilworth. Mesmo eu, através dessa disponibilidade, pude escrever uma adaptação da "Fábulas de Esopo" a partir da tradução direta do grego de Manuel Mendes da Vidigueira, desde uma publicação em Paris, de 1848, disponibilizada pela Wikimedia.org. Tenho apenas uma lamúria: essa ampla gama bem que poderia ter surgido em minha juventude; assim teria a possibilidade de maior cabedal... Parabéns pelo texto! Abraços. Joseph Shafan

[Sobre "iPad"]

por Joseph Shafan
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/shafan
2/6/2010 às
04h11 189.46.161.230
(+) Joseph Shafan no Digestivo...
 
O público não é só estatística
Lúcido e interessante texto. Creio ser necessário mais abordagens acerca do "público", esse "ser" no mais das vezes apenas considerado como estatística. Parabéns! Abraços. Joseph Shafan

[Sobre "Não julgue o público"]

por Joseph Shafan
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/shafan
2/6/2010 às
03h51 189.46.161.230
(+) Joseph Shafan no Digestivo...
 
Discordo, mas gosto
Caríssima Olívia, mesmo quando discordo, sempre gosto de ler seus textos. :)

[Sobre "Não julgue o público"]

por Renato Lima
http://www.cafecolombo.com.br
2/6/2010 à
01h51 4.59.1.2
(+) Renato Lima no Digestivo...
 
Afirmação da vida
Patez, tento compreender. Fico feliz em verificar que consegui entender este ponto e até concordar com Nietzsche, quando você diz: "o que Nietzsche faz é simplesmente afirmar a vida com toda a sua potência sem negá-la jamais", ponto que o filósofo enfatizou em sua teoria da vontade de poder (ou quando substitui a "vontade culpada" de Schopenhauer pela "vontade feliz"). Mas acho que desejamos entender por que ele parece considerar que Jesus ou Buda negaram a vida ou não a afirmaram em toda sua potência. Já que até o momento não apareceu nenhum nietzschiano que dissesse com todas as letras quais são as censuras do filósofo neste sentido, gostaria de lembrar as críticas que ele opôs a Sócrates e me corrija se não estiverem próximas às feitas aos mestres espirituais. Na obra "O Nascimento da Tragédia", ele afirma que a tragédia atingiu a perfeição por ter conciliado "a embriaguez e a forma" de Dioniso e Apolo, e entrou em decadência com o surgimento do racionalismo socrático. Estou correto?

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por mauro judice
http://www.gizeditorial.com.br/maurojudice
1/6/2010 às
20h59 200.100.72.115
(+) mauro judice no Digestivo...
 
Nietzsche é mais que isso
Caro Mauro Judice, vossa senhoria me deixa cada vez mais propenso em duvidar que realmente entendeu o que o citado filósofo escreveu... Quanto a negar os tais líderes espirituais, é realmente um tanto quanto normal em se tratando de um filósofo que sempre refutou as representações religiosas que tais líderes professavam, o ideal ascético desde os bramanes, passando pro Sidarta já foi há muito tempo desmistificado pelo buda Nitiren Daishonin! Quanto a Jesus, será que ele realmente era feliz? O que Nietzsche faz é simplesmente afirmar a vida com toda a sua potência sem negá-la jamais! Por que teríamos que afirmar que tal filosofia é correta apenas por achar que seu fundador era feliz? Quanto a ser filho de Eros, acho que foi mais um exagero de vsa. Mas cá entre nós, as formas perfeitas e saudáveis são sempre as mais almejadas, ao menos para os pouco hipócritas! Qual seria a vantagem em não gostar e pouco cuidar do próprio corpo, ou mutilá-lo, ou martirizá-lo? Nenhuma, Nietzsche é mais que isso!

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por Carlos Patez
http://www.capatez.zip.net
1/6/2010 às
18h12 189.19.67.141
(+) Carlos Patez no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Dogmática Jurídica - 1ª Edição - Coleção Fundamentos do Direito
Rudolf Von Jhering
Ícone
(2013)



Casa-grande & Senzala - 51ª Edição - 7ª Reimpressão (2013)
Gilberto Freyre
Global
(2013)



Lingua, Literatura e Produção de Textos - Ensino Médio - Vol. 3
Jose de Nicola
Scipione
(2009)



O Futuro da Democracia - 11ª Edição
Norberto Bobbio
Paz e Terra
(2009)



Históricas Políticas
Obras Completas de J. M. Vargas Vila
Ramón Sopena



Encontre Deus na Cabana
Randal Rauser
Planeta
(2010)



Sonho de um Cristão
Panorama
Panorama
(2002)



Cânticos Alegres Jardim da Infância
Dario Pires de Araújo
Casa Publicadora Brasileira
(1985)



My Job Doce Ilusão
José Augusto Figueiredo
Evora
(2013)



Objetos de Uso pessoal
Rex Reed
Nova cultural
(1986)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês