É pena | Regina Mas

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 23/2/2004
Comentários
Leitores


É pena
Seu artigo é excelente. A crítica feita às tele novelas, válida e muito bem abordada sob todos os aspectos. A mini série Um só Coração, não é a única. Houve outras como Memorial de Maria Moura extraída do livro do mesmo nome de Rachel de Queiroz e, mesmo e termos de tele novelas, tivemos as de época, como Escrava Isaura, Sinhá Moça e outras de cujo nome não me lembro agora. É pena que havendo tão bons romances de escritores brasileiros, não se aproveite mais, passando para a tela da TV, dando mais fácil acesso à literatura brasileira a todos os que não têm poder aquisitivo para compra de livros ou para o aluguel em bibliotecas privadas. Ainda assim, concordando com sua crítica, mas tentando enfocar o assunto com lentes mais otimistas, admitamos que, embora repetitivas e mesmo tolas, elas ainda são um produto de exportação. Além disso, dão oportunidade aos nossos atores que, não fossem as novelas, estariam à mingua visto que o teatro é, para o nosso público, um produto caro que alcança somente pequena parte da população. E mais, parece-me que somente agora, após um longo período de estagnação, o cinema vem se destacando novamente, mesmo em âmbito internacional. Parabéns pelo seu artigo! É um alerta para que se cuide com mais carinho da produção das tele novelas.

[Sobre "A discreta crise criativa das novelas brasileiras"]

por Regina Mas
23/2/2004 às
13h49 200.167.32.176
(+) Regina Mas no Digestivo...
 
Miopia urbana
Caro Pedro, parabéns pela escolha e qualidade na abordagem do tema. Infelizmente, não conseguimos estabelecer qualquer ligação entre o urbanismo e a cidadania e essa incapacidade está refletida nos projetos das edificações, nos planos diretores das cidades e nas legislações municipais de uso do solo. Os obstáculos urbanos, as calaçadas estreitas ou esburacadas, a preferência dada aos automóveis, a setorização que mata a diversidade, os isolamentos condominiais que impedem a convivência espontânea, tudo isso é causa e efeito dessa nossa miopia, que tira a nitidez do desenho da cidade e não vê o homem que nela habita. Um abraço. Bernardo Carvalho Goiânia-GO

[Sobre "A casa do homem"]

por Bernardo Carvalho
20/2/2004 às
23h40 200.221.153.116
(+) Bernardo Carvalho no Digestivo...
 
parabéns pelo site...
Oi Julio! Conheci o Digestivo e adorei este site, sempre que sobra um tempinho lá estou eu... como sempre, quietinha no meu canto, apreciando um pouquinho de cultura. Aliás, beijos e parabéns pelo site...

[Sobre "Digestivo nº 164"]

por Cecília Barão
20/2/2004 às
20h17 200.98.45.182
(+) Cecília Barão no Digestivo...
 
Alberto da Cunha Melo
Como pernambucano, mas, principalmente, como apaixonado pela poesia de Alberto da Cunha Melo, registro o prazer que me deu ler o seu belo artigo sobre o conterrâneo jaboatonense (não sei se você sabe, mas ele é natural deste velho burgo das vizinhanças do Recife...). Alberto da Cunha Melo é um poeta enorme, com um nome enorme, apesar do silêncio com que se fez em torno dele por tanto tempo. Produziu sua obra com beneditina devoção, por vezes concedendo, mas de modo geral se esquivando, da quase obrigação de embrenhar-se no pequeno ambiente cultural da província, ignorado que foi pelos círculos que definem quem terá acesso aos cadernos culturais e aos mecanismos de atribuição de honrarias. A respeito do artigo, queria somente lhe chamar a atenção para algo que me parece uma imprecisão. Trata-se de elemento circunstancial, que nada interfere na essência do escrito, mas que não custa nada corrigir, se por acaso julgar pertinente. Pelo que sei, "quicongo" não é um lugar, mas uma língua, a língua dos bakongos, povos que habitam as regiões mais ou menos marginais em relação ao rio Congo. O Aurélio define "quicongo" como "congolês", o que absolutamente não é a mesma coisa, mas, enfim... O que quero frisar é que, salvo engano, não tem qualquer sentido o gentílico "quicongolês". O correto, no meu modo de ver, é definir "Yacala" como palavra kikongo para “homem”. Grato pela atenção.

[Sobre "Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia"]

por Evaldo Costa
20/2/2004 às
17h53 200.149.219.202
(+) Evaldo Costa no Digestivo...
 
Algumas observações
Caríssimo Paulo, concordo plenamente quando diz que, em alguns casos, chega a faltar respeito por parte do 'escritor' para com o leitor. E concordo tb que esse tipo de escritor (os que faltam com respeito com o leitor) mereça o esquecimento. Veja bem, acredito numa diferença entre o cara ruim e que falta com respeito (pra mim, esse é o cara que não tem a menor preocupação com a grafia correta das palavras, comete erros de concordância e que, no caso de obras de época ou jornalísticas, divulgam dados e informações equivocadas) e o escritor que embora acerte informações e escreva as palavras de forma correta EU considero ruim. Os que se enquadram no primeiro grupo, devem ser, sem sombra de duvida, esquecidos e combatidos. Já os que compoem o segundo grupo, podem ser interpretados das mais variadas formas. Digo tudo isso só pra dizer que achei seu texto um pouco radical. Imagino que deva estar revoltado com a quantidade de coisas ruins que aparecem por aí - assim como tb estou - mas, nesse caso, devemos, sim, nos preocupar em 'educar' o leitor para que consuma o que realmente tem qualidade, respeitando suas diferenças e gostos. Com sua observação final, vc ridiculariza os que viram no seu texto uma forma de censura, mas foi exatamente isso que vc deixou nas entrelinhas. Desculpe-me, mas percebi no seu texto uma ponta de arrogância, que talvez tenha sido inconsciente. Mas, ainda assim, não sugiro que vc cometa harakiri ou que vá tomar um porre de saquê. Só não foi feliz. Abraço.

[Sobre "O Último Samurai Literário"]

por Maykon Souza
19/2/2004 às
12h24 200.148.36.3
(+) Maykon Souza no Digestivo...
 
Literatura e macarrão-com-tudo
Sempre gostei de cozinhar e de escrever. Desconfio que em ambos os ofícios produzo resultados medíocres, porém corretos. Criei certa vez um prato - não chega a ser uma receita, uma vez que a forma e o conteúdo variam sempre - que apelidei de "macarrão com tudo". Eu era bem mais jovem, e a gororoba servia muito bem para matar a fome pós-balada. Um dia um amigo provou o "macarrão-com-tudo" e disse que eu deveria abrir um restaurante, que aquilo era maravilhoso demais. Creditei o elogio à fome da madrugada e às más disfarçadas intenções do meu amigo de comer não só o macarrão - mas a autora do prato. Com meus escritos não foi diferente - quando tinha coragem de mostrá-los a alguém, choviam elogios, inclusive de um professor que passou a repetir diariamente "você tem que cursar jornalismo, não desperdice este talento..." Os anos passaram... fui a um restaurante caro, aliás um "café" num shopping, para comer a comida-filhote daqueles outros restaurantes carésimos da famiglia... e não é que havia um prato, que muito lembrava meu macarrão-com-tudo das madrugadas pós-balada? Só que tinha a grife da famiglia e custava uma fábula. Assim acontece com a literatura. Aliás, houve mesmo um caso de suicídio do chefe de cozinha de Luís XV, que matou-se ao desconfiar que um jantar de honra que preparara não saíra a contento. Um exagero. Há espaço para big-macs, para pastel de feira, e para os pratos franceses, um tiquinho de comida dentro do prato, enfeitado à exaustão e alçado à categoria de arte. Autores a quem muitos tratarão como iguaria, não passam de gororoba para o autor desta coluna. É tudo questão de gosto, de horário e do tamanho da fome.

[Sobre "O Último Samurai Literário"]

por Cozete Gelli
19/2/2004 às
08h13 200.234.70.134
(+) Cozete Gelli no Digestivo...
 
Zeca e pão com mortadela
No círculo incessante dos modismos, tudo que é in vira out, tudo que é up um dia é tachado como down. Foi assim com as havaianas, com o fusca, com o pastel de feira, com a mortadela. E é assim com Zeca Pagodinho. Desconfio que exista um submundo, os tais "antenados", que elenquem todas as coisas ou pessoas em baixa para lançá-las como "cult" no tempo apropriado. Foi assim com Zé do Caixão. Até Clodovil está sendo exumado por Alexandre Herkovitch. Imagino que estes "muderrnos" passem uma hora de seu dia pensando nas coisas "de raiz", nas "brasilidades" que possam desenterrar. Para a gente é bom, porque não precisa mais omitir que a-do-ra pastel de feira, sempre adorou. Não precisa esconder o CD do Zeca Pagodinho embaixo daquele da Marisa Monte, do outro da Adriana Calcanhoto. Dá uma liberdade danada assumir uma certa breguice de vez em quando. É confortável, assim como as havaianas são mais confortáveis para os pés e para o bolso que as "manolos" americanas. É claro que sempre irão existir os intelectuais preferindo mussarela de búfala e rúcula no seu ciabata (comprado, claro, numa boulangerie). Enquanto a gente come divertidamente nosso pãozinho com mortadela, ali mesmo na padaria da esquina...

[Sobre "Digestivo nº 161"]

por Cozete Gelli
19/2/2004 às
08h13 200.234.70.134
(+) Cozete Gelli no Digestivo...
 
Algumas mudanças
Olá... Faço ainda uma observação: Além das semelhanças nas tramas das novelas, parece que o conceito de "bons atores" mudou bastante! As novelas boas a que assisti (algumas já citadas em seu texto) tinham atores realmente bons... com alguma essência! O que vemos hoje na tv - claro que há exceções - são atores mal preparados, que com certeza só estão na tal novela por indicação de alguém do meio... Quantos bons atores não conseguem um papel na tv por não se encaixarem no padrão de beleza da emissora? É fácil notar que nos últimos anos só foram contratados atores jovens "bonitinhos" mas que não têm experiência suficiente para criar um bom personagem!! A minissérie (que de mini não tem nada) "Um só coração" poderia ser mil vezes melhor se a história de amor entre os protagonistas não ofuscasse a bela história de São Paulo... A tv aberta precisa sim passar por transformações. A começar pela substituição de programas sensacionalistas por algo mais informativo, cultural e principalmente útil!

[Sobre "A discreta crise criativa das novelas brasileiras"]

por Stephanie Maluf
18/2/2004 às
19h06 200.184.129.2
(+) Stephanie Maluf no Digestivo...
 
O segundo sexo
É a primeira vez que leio os seus textos e o tema abordado me deixou fascinada. No momento sou uma estudiosa do percurso histórico da mulher e me instiga, sobretudo, saber qual foi a estrada tomada para chegarmos na contemporaneidade como sendo o segundo sexo (assim como Simone de Beauvoir nos definiu). Abençoado o ventre da mulher. Tenho duas filhas e sei um pouco dos mistérios que nos ronda. Abraço Eliane

[Sobre "Mulheres de cérebro leve"]

por Eliane Cristina dos
18/2/2004 às
19h08 200.103.65.179
(+) Eliane Cristina dos no Digestivo...
 
escritores ruins
Não sei como vim parar aqui, mas gostei muito do texto. A internet e a facilidade para publicação de livros criaram uma leva enorme de escritores ruins. Talvez essa falta de vergonha na cara dos "escritores" venha da perda do hábito de leitura do povo em geral. Quanto menos exigente o leitor, menos preocupado com qualidade será o escritor... E durma com um barulho desses... Abraço!

[Sobre "O Último Samurai Literário"]

por Saladin
18/2/2004 às
16h15 200.255.40.96
(+) Saladin no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MÁGICO DE OZ - COL. CLÁSSICOS PARA SEMPRE
MAURÍCIO DE SOUSA
GIRASSOL
(2015)
R$ 9,00



FLASHES
MANOEL RAMOS E NEIDE RAMOS
EDITORAÇÃO
(2002)
R$ 15,00



A MAQUINA DO AMOR
JACQUELINE SUSANN
ABRIL
(1985)
R$ 6,00



ESCOLA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL
VITOR HENRIQUE
CULTRIX
(1983)
R$ 18,90



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
ATICA
R$ 5,00



DEZ CONVERSAS - DIÁLOGOS COM POETAS CONTEMPORÂNEOS
FABRÍCIO MARQUES
GUTENBERG
(2004)
R$ 17,90



JUS SANGUINIS
MARCOS ELIAS
RAMA
(2009)
R$ 4,00



O ESPAÇO NA POESIA E NA PINTURA ATRAVÉS DO PONTO DE FUGA
MARSHALL MCLUHAN E HARLEY PARKER
HEMUS
(1975)
R$ 38,00



A ARTE DA LINGUAGEM CORPORAL - DIGA TUDO QUE PENSA SEM PRECISAR FALAR
JAMES BORG
SARAIVA
(2011)
R$ 39,90



CARTAS DE MANÚ
MÓNICA PALACIOS
SOUL
(2019)
R$ 35,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês