a voz do dono, o dono da voz | Felipe Eugênio

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Death Note - O Musical reestreia no Teatro Miguel Falabella
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Rush (1984)
>>> O governo mente para si mesmo
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
Mais Recentes
>>> Em Causa Própria de William J. Coughlin pela Record (1994)
>>> As Esganadas de Jô Soares pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sabá de Nicholas Clapp pela Manole (2002)
>>> Querida Mamãe: Obrigado por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Estados Unidos, Militarismo e Economia da Destruição de Gilson Dantas pela Achiamé (2007)
>>> Do Paraíso e do Poder de Robert Kagan pela Rocco (2003)
>>> Capitalismo da gênese à crise atual de Marcos Fabio Martins de Oliveira pela Unimontes (1989)
>>> Livro - Quem Ama Não Adoece de Marco Aurélio Dias da Silva pela Best Seller (1994)
>>> Selva de Batom de Candace Bushnell pela Record (2007)
>>> O anjo de Hitler de William Osborne pela Seguinte (2013)
>>> Eurico, o presbítero de Alexandre Herculano pela Circulo do livro (1981)
>>> Relato de un Náufrago de Gabriel García Márquez pela Verticales de Bolsillo (2008)
>>> Viagem ao Céu - Saci Texto Integral Capa Dura de Monteiro Lobato pela Círculo do Livro (1984)
>>> Semideuses e Monstros de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Vingança de Ian St. James pela Record (1991)
>>> Vanguarda operária: elite de classe? de Vania Malheiros Barbosa Alves pela Paz e Terra (1984)
>>> Moisés Vol. 1 um Príncipe sem Coroa de Gerald Messadié pela Bertrand (2001)
>>> Os contos de Giuseppe Tomasi di Lampedusa pela Berlendis (2001)
>>> Trilogia Andrew Pyper Darkside de Andrew Pyper pela Darkside (2015)
>>> Você Só Não para de Fumar Se Não Quiser de Alberto Colares Soares pela Do Autor (2007)
>>> Revista Ventura n. 34 de vários pela Ventura Cultural (2000)
>>> Três Mestres da Poesia Contemporânea de J. M. Ibánez Langlois pela Nerman (1988)
>>> Tudo o Que Você Precisa Saber Para Fazer Uma Boa Viagem: Guia do Passageiro de Infraero Aeroportos; Anac pela Infraero (2012)
>>> Cisão de Lívia Sganzerla Jappe pela Viveiros de Castro (2009)
>>> O Reino de Clive Cussler; Grant Blackwood pela Novo Conceito (2012)
COMENTÁRIOS

Sábado, 10/4/2004
Comentários
Leitores


a voz do dono, o dono da voz
Lanço um ademais - sim, os narradores são os autores. É preciso dizer, espalhar por aí, que os indivíduos somos "trezentos, trezentos e cincoenta"! Que escritores existem em tudo aquilo que escrevem mesmo sem zelarem pelas cicatrizes do evento narrado. A dificuldade para os leitores é apenas esta: perceber a coexistência do homem-letra, com a mulher-poema, e com o andrógino-ensaísta; todos são a mesma matéria envolvida pelo ectoplasma do desejo (certa coleção de balas perdidas). Há uma pulsão de rabiscar o entorno e a si. E o escritor, que acumula conjugados dentro de si, pouco se importa com a Copacabana que ele seja. Ao invés do Senso, é caro saber da qualidade dos inquilinos desta mesma espinha dorsal. Toda paixão, ao se encontrar e se perder, vive uma sina tranqüila. É inevitabilidade habitual do apreciador de café, cinema, livros e cerveja: saber da literatura como a fratura exposta do caleidoscópio comum-de-cada-dia. Se alguém incompreende, tanto pior, os rabiscos virarão depósito de um devir. Uma próxima geração te compreenderá menos; no entanto, se valendo de inconteste terremoto, a fortuna, logo agregarão algum "ismo" ao seu - outrora - marginal nome. E desta ficção, a História não pára de tecer relatos... Tampouco a ficção se cansa d’através disso cozer a História. Se a narrativa minha soa profética, azar do escritor; posto que mal consigo ser leve quando divago. Minha pena tem concreto embora escreva - é uma pluma macia que não voa, se enterra; não comenta, casmurra. Falo mal do narrador porque posso, estou isento dele, sou leitor e estou leitor.

[Sobre "Autor não é narrador, poeta não é eu lírico"]

por Felipe Eugênio
10/4/2004 às
15h15 200.149.199.76
(+) Felipe Eugênio no Digestivo...
 
Por quê?
Sim, pergunto porque é tão difícil, no Brasil, um autor novo conseguir uma editora que se proponha a publicá-lo. Acredito que tudo o que acontece na vida é uma conseqüência de algo. O seria esse algo que funciona como empecilho para os novos escritores, de maneira geral? É simples, creio eu, a resposta. Vivemos num mundo dominado pela vontade do lucro. Uma editora que não veja grande possiblidade de venda de um livro não quer se arriscar a um gasto com leitura de avaliação e tampouco com revisão. Como vc mesmo mencionou, são poucos e caros esses profissionais. Também esse fato não deixa de ser uma conseqüência de outro -o brasileiro lê pouco. Temos pouquíssimas bibliotecas públicas e, nas escolas, a leitura é pouco e mal estimulada. É errado dizer-se ao jovem ou à criança o que devem ou não devem ler. Que os deixem ler o melhor lhes aprouver, pois o importante é ler - seja uma revista, um jornal, um livro bobo... enfim, ler é um hábito que, uma vez adquirido, fica. Com o tempo, o jovem irá selecionar o que ler. Outra forma de se estimular a leitura é a televisão. Quando são apresentadas mini-séries ou mesmo outros programas onde são apresentados temas interessantes o público tele-espectador é levado a comprar o livro, a se envolver e a ter interesse em saber mais sobre o assunto. Se o número de leitores aumenta, a venda de livros aumenta, as editoras vão empregar mais avaliadores de manuscritos e os novos escritores terão mais e melhores oportunidades. Será um sonho? Acho que não. Finalizando, peço aos novos escritores que, podendo, não desistam!

[Sobre "Os desafios de publicar o primeiro livro"]

por Regina Mas
9/4/2004 às
21h02 200.167.32.176
(+) Regina Mas no Digestivo...
 
Quase bravamente resistindo...
Bem, eu concordo e não concordo com vc... Tenho 40, portanto sou da geração vinil... Comprei meu primeiro cd player e meu primeiro cd (The Dark Side Of The Moon) em 1987, e confesso, tive a minha primeira decepção. O som não é o mesmo, o do vinil é infinitamente superior, não estou falando da execução sem chiados e sim da qualidade sonora. As letras do encarte do cd são praticamente invisíveis, quando estes são contemplados com encarte, o que nem sempre acontece. Este sentimento pode até ser chamado de saudosista, mas o prazer de manusear um álbum de capa dupla com encarte é quase indiscritível. Esta é uma das grandes falhas do cd, mas concordo que uma revolução está lançada, o perfil do usuário e consumidor de cd´s está mudando drasticamente. O pessoal monta sua própria coletânea baseada em critério algum, o que para o pessoal da minha geração é um sacrilégio. Vc não pode misturar Neil Young com Ivete Sangalo, Lou Reed com Fala Mansa e passar o restante dos seus dias sem pagar pelo crime cometido. A minha dúvida é: estarão as majors do mercado fonográfico preparadas para isto? Hoje, tudo é muito rápido, efêmero e descartável. Qual a necessidade de se ter o cd de determidado artista, se é possível e absurdamente mais barato se montar um cd com as preferidas gastando R$ 1,00 na mídia e tendo paciência e saco para baixar músicas de sites de trocas de arquivos? Agora, se isto é a crônica de uma morte anunciada, não faço a menor idéia, continuo a comprar discos de vinil e adquirindo cd´s. Confesso ainda relutar na compra de cd´s piratas, mas provavelmente este é um escrúpulo que abandonarei em breve.

[Sobre "Para mim e para você, o CD teve vida curta"]

por Tito Pinheiro
8/4/2004 às
19h56 200.175.180.160
(+) Tito Pinheiro no Digestivo...
 
Dos melhores
Realmente é um dos melhores filmes que assisti nos últimos anos. Ainda não entendi pq não foi lançado em DVD, pois é certamente um filme para se ter em casa.

[Sobre "O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje"]

por Felipe Addor
7/4/2004 às
19h27 200.152.212.130
(+) Felipe Addor no Digestivo...
 
Cidade de Deus
Marcos, em primeiro lugar, gostaria de cumprimentar você pelo artigo. Porém, discordo da colocação que você faz a respeito do fato de que o filme acaba chocando apenas por estarmos tratando da morte do filho de Deus, já que não teríamos o mesmo impacto se não estivéssemos tratando de Jesus, mas de um de seus filhos desafortunados. Creio que o inverso desta proposição seria mais adequado. Acho que o mais chocante (e, no meu ponto de vista, o maior mérito do filme) é que ele é uma demonstração viva das possibilidades de utilização da violência, da tortura... De forma que, se o homem foi capaz de fazer o que fez com Cristo (não foi Gibson quem fez isso, mas aqueles homens de quase 2000 atrás), com o filho de Deus, imagine onde podem chegar os requintes de crueldade contra um dos chamados desafortunados. A própria Cidade de Deus carioca pode ser uma resposta para esta afirmação.

[Sobre "A Paixão de Cristo e Cidade de Deus"]

por Rafael Pereira
6/4/2004 às
16h55 200.18.53.198
(+) Rafael Pereira no Digestivo...
 
É isso aí!
Parabens Alexandre, ótimo texto. Assisti o filme e realmente, na minha opinião, é "o melhor filme de música já feito em terras brasileiras".

[Sobre "O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje"]

por Anita Schwarzwalder
6/4/2004 às
09h35 200.186.151.97
(+) Anita Schwarzwalder no Digestivo...
 
Concordo!
Perfeito e irretocável seu texto. Tenho um coluna no site da Superinteressante chamada "Retratos" e vira e mexe amigos e conhecidos querem me analisar pelas crônicas. Ou entendê-las por minhas características pessoais. E minha resposta é exatamente essa: narrador não é autor e o texto é meu, mas não só meu. abraço,

[Sobre "Autor não é narrador, poeta não é eu lírico"]

por luciana pinsky
4/4/2004 às
17h54 201.1.23.63
(+) luciana pinsky no Digestivo...
 
orkut: google explica
pois é julio. para complementar o teu texto, o orkut é afiliado ao google. só aí dá pra ver q a coisa não é de brincadeira. o pessoal do google não dá ponto sem nó. vide o blogger (q foi absorvido pelos caras) e agora o anunciado g-mail, q segundo eles vai revolucionar o conceito de e-mail grátis. é isso. sales

[Sobre "Digestivo nº 169"]

por Augusto Sales
7/4/2004 às
11h51 200.155.195.79
(+) Augusto Sales no Digestivo...
 
Preconceito ontem e hoje
Aline Pereira escreve que a afirmação, por Gilberto Freire, de que "desvirginar uma negrinha" era encarado como um ótimo remédio para curar a sífilis significa uma contradição na sua tentativa de minimizar o racismo brasileiro. Entretanto, o que diria a articulista quanto ao fato de que na África Negra hoje em dia ainda se acredita que desvirginar uma jovem é o melhor remédio para curar os portadores do vírus da AIDS?

[Sobre "Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial"]

por Elso
4/4/2004 às
10h37 200.147.0.191
(+) Elso no Digestivo...
 
uma pequena ressalva
Nanda Rovere, grato pela indicação desse projeto Geraldo Carneiro. Cabe fazer, entretanto, uma pequena ressalva: ao contrário do que vocë afirma, Camões jamais escreveu um poema denominado "Por mares nunca dantes navegados". Este texto é o terceiro verso da primeira estrofe de "Os Lusíadas": "As armas e os barões assinalados/ que da ocidental praia lusitana/ por mares nunca dantes navegados/ passaram ainda além da Taprobana etc."

[Sobre "Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro"]

por Elso
4/4/2004 às
10h17 200.147.0.191
(+) Elso no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia da Gravidez - o Desenvolvimento do Seu Bebê da Concepção ao Parto
Walter Oda
Nova Cultural
(2001)



O Fantasma de Canterville - Série Reencontro / 8ª Ed - Confira !!!
Oscar Wilde
Scipione
(1997)



Iscas de Ambrosia
Márcio Cotrim
Leitura
(2009)



Abrindo Caminhos Em Programação
Não Identificado
Ti
(1977)



A Origem das Espécies
Charles Darwin
Itatiaia
(2002)



Relíquias da terra do ouro - Brasil
Edgard de Cerqueira Falcão
Graphicars
(1946)



Leis Penais Especiais e Sua Interpretação Jurisprudencial
Alberto Silva Franco / Outros
Revista dos Tribunais: São Pa
(1995)



Le Corps Extrême Dans les Sociétés Occidentales
Olivier Sirost
Lharmattan
(2005)



Contos e Lendas de Macau
Alice Vieira
Sm
(2006)



Vida Discipular - Volume 03 (novo)
Avery T. Willis Jr.
Lifeway Press





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês