Só sei que nada sei | Eliana de Freitas

busca | avançada
58048 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
>>> MAB FAAP recebe a exposição Ensaios de Inclusão
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Depressão
>>> Útil paisagem
>>> Tradução e acesso
>>> A proposta libertária
>>> Francis Ford Coppola
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> No início, era o telex
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
Mais Recentes
>>> Flexibilização Organizacional de Jorge N Pameira e Outros pela Fgv (2002)
>>> A Vitória da Verdade de Vera Lúcia Proença pela Lúmen (2002)
>>> O Erro Como Estratégia Didática de Neuza Bertoni Pinto pela Papirus (2009)
>>> Vai e Reconstrói a Minha Igreja de Pe. Roberto José Lettieri pela Palavra & Prece (2008)
>>> O Livro Dos Amores de Gabriel Chalita pela Companha Nacional (2005)
>>> As Valkírias de Paulo Coelho pela Coleção (1988)
>>> Einstein - o Engma do Universo de Huberto Rohden pela Martini Claret (2005)
>>> Nova Política Economica de Celso Furtado pela Paz e Terra (1976)
>>> O Que Atraiu Warren Buffett de Barnett C Helzberg Jr. pela Fundamentos (2009)
>>> Eros e Psique de Luiz Guasco pela Scipione (2012)
>>> A Menina do Vale de Bel Pesce pela Casa da Palavra (2012)
>>> Educação: Truques Velhos, Palavras Gasta de Antonio Luiz Mendes de Almeidas pela Quórum (2004)
>>> Fodors Econômico Itália de Fodors pela Do Autor (1995)
>>> Memoria de um Suicida de Yvone A Pereira pela Feb (2012)
>>> Contos Consagrados - Coleção Prestigio de M Cavalcante Proenca pela Ediouro (2000)
>>> Simplesmente Aloma de Aloma Moreira Sampaio pela Rebote (2013)
>>> Aventuras do Menino Chico de Assis de Luís Jardim pela José Olimpio (2000)
>>> Globalização a Olho Nu - o Mundo Conectado de Clóvis Brigagão e Gilbero M. A. Rodriguês pela Moderna (2004)
>>> Organizar seu Lar - 52 Maneira de acabar com a bagunça de Óba pela Melhoramentos (2014)
>>> 101 Solução Feng Shui de Nancilee Wydra pela Pensamento (2002)
>>> As Moscas Azuis de Carmem Posadas pela Planeta (2012)
>>> Adultérios de Aldo Naouri pela Martinsfontes (2009)
>>> Lojas - Motivos Que as Levam ao Sucesso Ou ao Fracasso de Adriano Godoy pela Qualymark (2004)
>>> Minha Vida Com Mestre de Paramahamsa Prajnanananda pela Lika (2001)
>>> Jornalismo investigatigação - O caso Quércia de Sérgio Buarque de Gustão pela Civilização Brasileira (1993)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 7/6/2010
Comentários
Leitores


Só sei que nada sei
Para que o Cristianismo? Para que o homem exerça a humildade. Somos geniais, descobridores do universo e agora criamos a vida sintética, porém, por não sermos Deus, ou por não sermos verdadeiramente cristãos, como queiram, cada façanha nossa reverte-se em poder e arrogância. Quanto mais conhecimento, mais soberba... Que pequenez! Nós, os pensadores, deveríamos ser os primeiros a admitir que, para os mistérios do universo, para a existência ou não da alma, para a existência ou não de Deus, a resposta correta é: Só sei que nada sei.

[Sobre "Para que o Cristianismo?"]

por Eliana de Freitas
http://www.elianadefreitas.recantodasletras.com.br
7/6/2010 às
09h17 200.171.248.6
(+) Eliana de Freitas no Digestivo...
 
Os peixeiros e o jornal
E além de tudo isso, jornal em papel serve para embrulhar peixe. Ninguém me conte que os peixeiros deixaram de usar jornal!

[Sobre "Pra que ler jornal de papel?"]

por Felipe Pait
http://fmpait.blogspot.com/
7/6/2010 às
08h58 70.19.151.212
(+) Felipe Pait no Digestivo...
 
A praça da Sé é o centro de SP
A praça da Sé é o centro e o coração do mundo, a arquitetura do lugar mostra um pouco da história e da poesia de quem passa por ali. Quanto à desgraça, a vagabundagem, é o retrato austuto de quem governa. Ou melhor, desgoverna. Num país que despreza os homens, surgem apenas os lupens.

[Sobre "Como se enfim flutuasse"]

por Manoel Messias Perei
http://www.pop.com.br
7/6/2010 às
08h58 189.79.209.131
(+) Manoel Messias Perei no Digestivo...
 
Como as outras línguas também
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. Para mim tanto faz se os outros sabem português. Quem não conhece, não sabe o que está perdendo. Antropofagicamente, eu como as outras línguas também. Quem só come um prato, não sabe o que está perdendo.

[Sobre "Brazilionaires"]

por Felipe Pait
http://fmpait.blogspot.com/
7/6/2010 às
08h54 70.19.151.212
(+) Felipe Pait no Digestivo...
 
O grito de revanche do ego
Contudo, um grito trágico, que não pode ser ouvido - que só tem valor dramático, porque não pode ser ouvido. Full of sound and fury, signifying nothing? Ésquilo, não acusou Deus, digo, Zeus, por querer monopolizar a sapiência ao punir Prometeu por este ter dado o fogo do conhecimento aos homens? Sófocles, querido de Nietzsche, não escreveu um enredo maquiavélico, condenando seu pobre protagonista Édipo a um destino cruel e cínico que parece brincar com os homens? E o que é realmente a catarse, senão um sentimento de auto piedade que o homem vitalista sente por si mesmo, ao olhar para o destino, para a Ordem, social ou divina, e se estimar um pobre vitimado? Aquilo que se denomina fruição artística não seria, nestes casos, o grito de revanche do ego ou o desejo de permanência de Eros no ser?

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por mauro judice
http://www.gizeditorial.com.br/maurojudice
7/6/2010 à
01h17 200.100.72.192
(+) mauro judice no Digestivo...
 
Falta de domínio dos instintos
Homem inteligente feito Nietzsche não cometeria erro assim elementar, a ponto de me fazer pensar se tal equívoco derivava de certa indigestão emocional do filósofo. Engano-me ou ele ruminava sua falta de domínio sobre as emoções, sobre seus instintos? Em sua obra "O nascimento da tragédia", afirma que o teatro grego chegou à perfeição pela reconciliação da "embriaguez e da forma", de Dioniso e Apolo, posteriormente corrompido pelo racionalismo de Sócrates. E quem mais dá limites à emoção instintiva que a razão? É realmente difícil esquecer o sonho idílico das festas dionisíacas, ou bacantes, com jovens apolíneos a correr atrás das filhas de Afrodite sem culpa, sem pecado... Um sonho tardio de desejo liberto, de hedonismo saciado, ao som dos ditirambos, que fizeram nascer o teatro... O que é afinal quase todo o teatro dramático grego, senão um grito de inconformismo contra qualquer espécie de cerceamento ao instinto, ao corpo, aos sentidos, quando limitados pelas razões pessoais ou sociais, Deus incluído?(continua)

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por mauro judice
http://www.gizeditorial.com.br/maurojudice
7/6/2010 à
01h14 200.100.72.192
(+) mauro judice no Digestivo...
 
Mito, fantasia, medo...
Só pra acrescentar: nunca vi ateus queimando ninguém na fogueira por não partilhar de suas ideias, nem tampouco atirando aviões contra prédios; o sonho de toda a pessoa religiosa é não descansar enquanto não colocar o mundo todo de joelhos partilhando de sua moral pífia. Segundo as religiões a teoria da evolução não existe... O que é importante frisar é que não há como abdicar da razão em nome de um mito, uma fantasia, medo.

[Sobre "Para que o Cristianismo?"]

por Gilson
7/6/2010 à
00h59 187.58.170.238
(+) Gilson no Digestivo...
 
O mais poderoso
E, para que esta discussão não vire um tratado teológico, me pergunto sobre Sócrates e os racionalistas de todos os tempos. Como pôde Nietzsche, com sua teoria de Vontade de Poder, considerar que o filósofo grego não tinha poder algum, queria muito ter e, por isso, inventou o mundo abstrato racional, para fugir da realidade? Caramba, o filósofo grego, assim como Jesus, parece ser o cara mais poderoso que eu possa imaginar?

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por dulce louzado
6/6/2010 às
20h05 201.93.70.24
(+) dulce louzado no Digestivo...
 
Ponta do iceberg do Lattes
Marcelo, isso que você escreve é só a "ponta do iceberg". Tem muita sujeira (intelectual e moral) nisso tudo, sujeira que conhecemos mas que, muitas vezes, por medo ou por interesse, fingimos não conhecer. Parabéns pelo lúcido texto.

[Sobre "Quanto custa rechear seu Currículo Lattes"]

por wiliam
5/6/2010 às
19h20 189.103.2.2
(+) wiliam no Digestivo...
 
Os cristãos, não o Cristo
de seu comportamento. Mas será que Nietzsche faria isto? Condenaria o exemplo cristão através de uma estratégia simplória: condenar o mestre pela má conduta ou mau entendimento teórico dos seguidores? E, se quisesse condenar o cristianismo, não deveria, por amor à verdade, acabar sua condenação com esta ressalva: Condeno os cristãos, sua conduta, sua teologia, mas não o Cristo? Deveríamos condenar a Filosofia porque ela foi rudimentar no passado? Se todo o pensamento evolui, porque nossa compreensão ao ensinamento de Jesus teria que ser diferente? É um conceito ontológico que uma mensagem distinta seja compreendida aos poucos e, quão maior é a luminosidade do mestre, mais extensa é a distância entre o compreendendo e o compreendido!

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por mauro judice
http://www.gizeditorial.com.br/maurojudice
5/6/2010 às
17h09 200.100.72.36
(+) mauro judice no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Exu Em Nova York
Cidinha da Silva
Pallas
(2018)



123 Respostas Sobre Drogas
Içami Tiba
Scipione
(1997)



Causa do Irmão Policarpo Novena do Sagrado Coração
Não Informado
Não Informado
(1991)



Ser Feliz o Grande Momento
Edson Ferrarini
Do Autor



102 Dálmatas Onde Está Albina? (2000)
Disney
Edelbra
(2000)



O Brasil Tem Cura
Rachel Sheherazade
Mundo Cristão
(2015)



Retrato do Brasil: da Monarquia ao Estado Militar - Vol. II
Não Identificado
Política
(1984)



O Poder Do Marketing De Exposições
Barry Siskind
Senac sp
(2009)



Movimentação Corpo Mente
Carmelita Olivindo
Gráfica Lcr
(2017)
+ frete grátis



Região e Destino Turistico
Jean Carlos Vieira Santos
All Print
(2013)





busca | avançada
58048 visitas/dia
2,2 milhões/mês