o seu silêncio | beatriz

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Abril Cultural
>>> Seu Marketing é uma Bos de Mark Stevens pela Cultrix (2006)
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record (1979)
>>> Sonho de uma Noite de Verao de William Shakespeare; Fernando Nuno pela Objetiva (2003)
>>> Desarrollo de La Personalidad En El Niño de Mussen Conger Kagan pela Trillas (1974)
>>> Gatota Replay de Tammy Luciano pela Novo Conceito (2012)
>>> Mais Tempo Mais Dinheiro de Gustavo Cerbasi; Christian Barbosa pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> O Inverso da Nossa Desesperança de John Steinbeck pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa de Takesky Tachizawa pela Atlas (2005)
>>> História de Vavy Pacheco Borges pela Brasiliense (1994)
>>> Didática: Aprender a esnsinar de Ilza Martins Sant´Anna, Maximiliano Menegolla pela Loyola (2000)
>>> New Moon de Stephenie Meyer pela Atom (2006)
>>> Lições de Vida de Anne Tyler pela Novo Conceito
>>> Projeto Literário - Delicativo IV Poesia Contos Cronicas de Diversos pela Dellicata (2009)
>>> Soneto de Fidelidade e Outros Poemas de Vinicius de Morais pela Ediouro (2003)
>>> Dead of Winter de P. J. Parrish pela Pinnacle Fiction
>>> A Hora dos Assassinos de Henry Miller pela L&pm Pocket (2003)
>>> Divida Externa - para o Capital, Tudo para o Social, Migalhas de Marco Arruda pela Vozes (2001)
>>> Sistema de Informações Gerenciais na Atualidade de Marco Antonio Masoller Elouterio pela Intersaberes (2015)
>>> Os Delírios de cpnsumo de Becky Bloom de Sophie Kinsella pela record (2009)
>>> Hotshot Puzzles: Amazon Alert Level 2 (hotshots) de Paul Davies pela Oxford University Press (1994)
>>> Frommers Argentina de Michael Luongo; Charlie Omalley; Christie Pashby pela Elsevier/alta Books (2009)
>>> Você sabe usar o poder da mente de Jim Reis pela Senac (2009)
>>> Jograis e Celebrações - Datas Civicas e Comemorativas de Bernardo Cansi pela Paulinas (1981)
>>> Dias Azuis Claros e Escuros de Ulisse Tavares pela Global (1986)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 18/2/2005
Comentários
Leitores


o seu silêncio
São tão intrigantes, os campos de idéias desse escritor, o tratamento que a vida lhe deu e então o seu silêncio. A hipótese que me vem rodeiam certas interrogações sobre ele: No momento em que nega uma disposição com o outro, expressa que não a quer de ninguém? Quando não escreve mais, não acredita mais no homem? Se não acredita mais no homem, é pq se conheceu de tal forma que julga que não há um porquê? A existencia não é um risco? Se não se sente uma energia extraordinária em algum momento que faça tudo valer a pena, no que se apoiar quando se está boiando no esgoto? Se há a lembrança dessa energia, por que não desejar que ela continue a existir, mesmo que não todo o tempo, e sinta que existe algo pelo que se empenhar, caminhar, correr e por que não dançar? Não acho que Raduan parou de escrever por que há um excesso de verdade no mundo, mas talvez não tenha encontrado (no sentido mais profundo de encontro) mais motivação e sentido para sua energia criadora, para qualquer crença que o inspire, que passem pelo seu crivo individual. Acho que suas obras foram gritos desafogados de si e pensando que "o escritor escreve-se para que o leitor se leia" o corte dessa "comunicação" foi por uma distância incalculável que se deu.

[Sobre "A solidão povoada de Raduan"]

por beatriz
18/2/2005 às
18h09 200.175.135.2
(+) beatriz no Digestivo...
 
Sábias palavras de um amigo
Gostaria de parabenizar meu mestre e amigo pelo excelente texto, aproveitando o ensejo para convidá-lo a visitar a velha turma da 1AFIN (hoje, 3AFIN) na sala 106C.

[Sobre "Sobre a leitura dos clássicos"]

por Marcelo Zanzotti
18/2/2005 às
17h23 200.206.72.162
(+) Marcelo Zanzotti no Digestivo...
 
para onde se está indo...
Oi, Julio! Mais uma vez leio teu texto com grande prazer. E vou contar que houve uma identificação com a parte "somos pobres de conteúdo", pois me deparei com uma situação minha assim há um tempo atrás. Despertei para a procura de um entendimento mais profundo sobre o meio e sobre mim há pouco tempo, aos 17 anos, tarde não? Pois é, foi quando pude entrar em um cursinho particular, e me encantar com Aulas (com letra maíscula, porque só o aluno que vive sabe a grande diferença entre uma aula ministrada por um professor que tem uma boa capacitação e disposição e os que não tem -sem esquecer neste caso o estímulo da remuneração e bom local de trabalho-) e a existência do extraordinário conhecimento me deu um banho, e passei, pelo que observo hoje, por estágios comuns dessa procura. A Filosofia, idealismos, entre outros interesses, tiveram efeitos vazios em um primeiro momento, pois não encontraram algum respaldo de noções que pudessem direcioná-los. E estive como "mero produto do meio". No entanto, a melhor coisa foi que continuei caminhando, e num sinal percebi como estava vazia, como era falso achar que tinha e emitia opiniões minhas, quando parava para pensar, e encontrava pouca bagagem intelectual (também por ler pouco). Não que esperava ter uma compreenssão incrível de algo, nem maturidade para perceber o mundo como é, mas tinha muito pouco, tanto que sentia que havia um potencial, pois havia vontade, mas me sentia presa a uma restrição de informações que poderiam enveredar para conhecimentos. Enfim, não que pense que hoje já cheguei em algum lugar, pois percebo que é uma inclinação a um exercício constante, de ler, ver, refletir, viver, e cada vez mais reconhecer o quão pouco é diante do que existe. Mas como é bom na passagem do ano, parar e sentir que o tempo não simplesmente passou, mas sim ele aconteceu, ele foi produtivo e analisando entendimentos de ontem, percerber que eles estão mudando, sendo acrescentados, transformados. Penso hoje que, não sei se todos, mas em momentos na vida o mais importante não é onde está, mas para onde se está indo... Um abraço

[Sobre "Apocalípticos, disléxicos e desarticulados"]

por Beatriz
18/2/2005 às
16h50 200.175.135.2
(+) Beatriz no Digestivo...
 
o governo não pensa na cultura
Ode ao desincentivo do Governo. Se hay governo, soy contra. O governo atual não pensa na cultura e quando pensa, caga. Veja os exemplos do Gilberto Gil. Quando estava fora do governo, era muito mais antivo como militante cultural do que agora. Não se vê inventivo cultural para a população de baixa renda. São tantos artistas sem amparo, tentando custear seus sonhos e projetos com o suor dos seus esforços. Falta uma politica cultural eficiente. O PT não tem uma politica cultural. Muito se discutiu mas não se chegou a lugar nenhum.Desde os primeiros passos discutidos em Diadema, nos primeiros esncontros de cultura do partido. Lá estava eu, esperançoso e acreditando que alguma coisa iria mudar. Tudo está como antes no País de abrantes. Merda. Clovis Ribeiro

[Sobre "Perdemos público em 2004? E daí?"]

por Clovis Ribeiro
17/2/2005 às
21h43 201.6.102.57
(+) Clovis Ribeiro no Digestivo...
 
LiteraturaFemininaBrasileiraHj
O texto da moça (ela deve ter menos de trinta anos, ou aparenta ter, ao menos nas fotos e nas letras) me chocou profundamente. Antes de tudo pelo seu caráter anódino. Não diz nada, só insinua com bastante elegância e nenhuma prova concreta, sem sequer posicionamento algum. O texto da autora Christiane Tassis, ou Chris Kitti (seria uma referência a Hello Kitti?) me parece uma tentativa de sedução vazia, com até mesmo elogios a sua própria voz(!) que antes de ser certamente metafórico é infeliz, muito infeliz em meu entender. O texto de Julio me divertiu, o da moça me chocou por sua inépcia. Um abraço, de uma escritora que se esconde temendo ser tomada por apenas uma pessoal retrucadora, mas que antes disso, está aburdamente chocada.

[Sobre "Digestivo nº 213"]

por Marina Cássia
15/2/2005 às
17h55 200.165.247.150
(+) Marina Cássia no Digestivo...
 
Nem mesmo a internet!
Nada substitui um livro! Nem mesmo a internet! Ainda que se sinta alergias às velhas folhas de um livro! Os sebos contam suas histórias... Muito boa a reportagem!

[Sobre "O discreto charme dos sebos"]

por Rosa Nina
14/2/2005 às
11h25 201.8.190.12
(+) Rosa Nina no Digestivo...
 
o horror que não horroriza
Parabens, Daniela Sandler. Enquanto o inexplicavel, o absurdo, o horror que não horroriza permear os "homens animais" da nossa civilizacao, a humanidade necessita de vigiliantes eternos. Precisamos rever continuamente nossos valores e a historia pode muito nos ensinar..

[Sobre "Abrir os portões de Auschwitz sessenta anos depois"]

por Salim Ibrahim Levi
13/2/2005 às
11h17 200.164.49.98
(+) Salim Ibrahim Levi no Digestivo...
 
Boquiaberto li essas linhas
Boquiaberto li essas linhas sobre o grande livro de Machado, "Dom Casmurro". Ao ler os comentários sobre as já citadas linhas, fiquei um pouco mais tranquilo. Entre essas pude perceber que o autor citava Ibrahim Sued como o único que "tivera a coragem de açoitar a obra em tela, tendo-a classificado como chatérrima". Vocês todos estão certos, meus queridos, inclusive o gênio da raça, o colunista social Ibrahim. Antônio Cândido, Houaiss e outros tantos estão errados ou, melhor, são uns chatos. E, agora, me vem à mente a seguinte questão: será que existe vida inteligente naqueles que, nos dias de hoje, não chegaram ainda aos 50 anos ou quase isso?

[Sobre "Machado e Érico: um chato e um amigo"]

por Roberto Morrone
12/2/2005 às
23h10 200.158.37.232
(+) Roberto Morrone no Digestivo...
 
blogando desesperadamente
Cara, cabamba, carao. Você deixou pirada a minha cabeça. Sabe, Julio, eu nunca tinha pensado sobre isso antes. É muita informação para minha cuca, cara. Caramba. Estou blogando desesperadamente e as vezes acho que me perdi em tantos caminhos. São tantas as emoções. Mas cada blog deve ter um sentido. Sinto isso. Sabe, cada um diz sobre alguma coisa específica: poemas, musicas, vampiros, etc. Vou continuar pensando sobre tudo isso que você colocou para se pensar. Clovis Ribeiro

[Sobre "A internet e os blogs"]

por Clovis Ribeiro
12/2/2005 às
22h06 201.6.102.57
(+) Clovis Ribeiro no Digestivo...
 
como tomar banho
"Julgo ser a literatura algo como o ato de tomar banho: só se consegue fazer bem sozinho..." Mas a verdade é que para alguns a necessidade de se sentir como "membro" de determinada camada social vem muito antes da necessidade de se realizar, pura e simplesmente, longe e alheio a regras. Institucionalizam a leitura e o banho (por exemplo, em clubes nudistas). Mas ai' me dizem: ha' uma necessidade de se compartilhar, de se discutir.. Mas por um outro lado o que se vê é, na maioria das vezes, guerra de egos... Assim, concordo e apreciei muito essa sua preleção a respeito da necessidade de um retorno ao bom e velho banheiro, ali no silêncio, junto com nossos bons e velhos autores (ou mesmo com os novos, sem a forçada necessidade de cita-los depois). Sobra apenas a boa sensação de prazer e gratidão pelo que se leu, mas sem uma necessidade de se retornar a isso depois. Um bom é fulgaz encontro.

[Sobre "Uma conversa íntima"]

por Fabio Lino
12/2/2005 às
18h40 200.161.83.82
(+) Fabio Lino no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Textos - Compreensão, Interpretação e Produção - 3
Antonio Simplício Rosa e Agostinho Dias
Ao Livro Tecnico
(1986)



Direito Administrativo Em Mapas Mentais, V. 2
Varios Autores
Impetus
(2016)



O Bhagavad-Gita Como Ele É
A.C. Bhaktivendanta Swami Prabhupãda
Parma



Principles of Operations Management
Jay Heizer e Barry Render
Pearson
(2013)



Só por amor
Mônica de Castro
Vida e Consciência
(2008)



Vai Dar M.... Solucoes para Seu Projeto Não Afundar
Francisco Higa
Gente
(2004)



Paratii Entre Dois Pólos
Amyr Klink
Companhia das Letras
(1992)



Gabinete de Curiosidades
Luis Filipe Sarmento
Landmark
(2017)



O monge e o executivo: Uma história sobre a essência da liderança
James C. Hunter
Sextante
(2004)



Chamas do Desejo - Harlequin Jessica - Ed. 124 - 2 Histórias
Sarah Morgan e Kate Hewitt
Harlequin Books
(2010)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês