Os novos tempos são sinistros | Carmelo Cañas

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> As Águas do Futuro
>>> Iecine abre inscrições para a Oficina de Roteiro
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Ditadura e seus personagens (I)
>>> Manual prático do ódio
>>> Sugerido para adultos?
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> O que em mim sente está lembrando
>>> Divisões históricas
>>> Comentaristas de Seriados
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Mais Recentes
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Galera Record (2002)
>>> O Poder dos Chakras de Autores Diversos pela Martin Claret (1995)
>>> O Marketing do Amor de Patrick Pin pela Novo Século (2004)
>>> Capital de Risco e Diplomacia Corporativa de Marcos Rechtman e Fernando Bulhões pela Cultrix (2004)
>>> Poesias de Fernando Pessoa pela L&pm Pocket (2013)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Rocco
>>> A Cidade Vazia de Fernando Sabino pela Record (1984)
>>> Sociedade dos Meninos Gênios de Lev Ac Rosen pela Novo Conceito (2014)
>>> Enciclopédia da Sexualidade de Domingo Alzugaray pela Três (1998)
>>> Celebrando a Jornada do Herói de Adélia Hill de Souza pela Riemma (2012)
>>> É Tudo tão Simples de Danuza Leão pela Harper Collins Br (2011)
>>> Gestão e Planejamento de Marketing de Vários Autores pela Fgv (2013)
>>> Os Socialismos Utópicos de Jean-christian Petitfils pela Círculo do Livro (1997)
>>> Tim Cook o Gênio Que Mudou o Futuro da Apple de Leander Kahney pela Intrinseca (2019)
>>> Pescador de Almas de Valter Turini pela Clarim (2006)
>>> The Good Dream -modern Reades Stage 2 de Eduardo Amos pela Moderna (1996)
>>> Sem Regras para Amar (espirito Schellida) de Eliana Machado Coelho pela Lumen (2003)
>>> As Chaves do Inconsciente de Renate Jost de Moraes pela Vozes (2003)
>>> Guia Prático - Calculadoras Hp 48 Hp 48 G/g+/gx de Glauco Pontes Filho pela Bidim (2000)
>>> As Três Irmãs de Tchekhov pela Abril
>>> Zen de Dr. Sheng Yen pela Sangirard
>>> Doze de Nick Mcdonell pela Geração Editorial (2004)
>>> Obras Completas de Machado de Assis, 29 - Crítica Literária de Machado de Assis pela N/d
>>> Nem Loiras Nem Lindas de Rosangela Moreira pela Giostri (2011)
>>> Clube da Tiara Em Mansões de Rubi - Princesa Charlote e o Baile de Ani de Vivian French pela Novo Seculo (2011)
COMENTÁRIOS

Quinta-feira, 16/2/2006
Comentários
Leitores


Os novos tempos são sinistros
Esse é um assunto complexo. Quando se trata de mídia escrita existem diversos fatores a serem análisados, sendo o principal deles o leitor. A mídia impressa precisa vender, e a Internet? Nesse sentido se forma o abismo. A confiança da nova geração de leitores tem que ser adquirida com qualidade, os novos leitores são exigentes (não porque sejam muito cultos, mas porque não se apegam facilmente a um autor), sendo assim, a midia de Internet tende a ficar saturada, pois "qualquer um" pode opinar. Sendo assim, o desapego dos novos leitores será uma constante nesse mundo virtual (com exceções). Logo, é complicado o "jornalista", cumprir uma missão social apenas com um site, a solução é no mínimo aliar, publicação com um "blog" ou seja lá o que for. Os novos tempos são sinistros, diferentes e muito inconstantes.

[Sobre "Sobre nossas ambições (equivocadas) de mass media"]

por Carmelo Cañas
16/2/2006 às
11h55 200.201.164.17
(+) Carmelo Cañas no Digestivo...
 
Orkut com reservas
Eu, particularmente, vejo o ORKUT com muita reserva. Sim, vi muitos brasileiros agredindo outros sem razão e principalmente pq brasileiro chama qualquer um e não somente gente conhecida. Tem até um site que faz isso pelo usuário, sem que ele precise conhecer alguém no ORKUT prá ser chamado. Meu trabalho principal no ORKUT hoje é treinar meu inglês, lidar contra o SPAM e sair de comunidades sem função além de joguinhos. No fundo o ORKUT "brasileiro" tem que ser muito peneirado por quem quiser encontrar conteúdo. Talvez a única comunidade que realmente me faça entrar lá seja um clube de leitura e comentários.

[Sobre "O Orkut é coisa nossa"]

por Eurandi Corvello
16/2/2006 à
00h12 201.1.60.164
(+) Eurandi Corvello no Digestivo...
 
Levando o Orkut a sério
Não consigo levar o ORKUT a sério. Imagino que a possibilidade de usar o Orkut seriamente esbarra, primeiro na exclusão digital e depois na qualidade de artigos e comentários postados no ORKUT. Seria necessario ter um perfil fantasma onde teriamos nossa verdadeira personalidade e um "perfil profissional", voltado somente para o "corretamente sério". Não, eu realmente não gosto desta superexposição que o Orkut traz. Comentários, "Scraps", tudo isto mostra o que o vírus "I Love You" revelou com precisão: somos todos carentes de atenção. E, Realmente somos extremamente numerosos no ORKUT, mas isso não implica em qualidade. É uma pena que, já no século 21 o acesso às necessidades básicas : educação, saúde, alimentação, moradia e emprego ainda seja um privilégio. Sempre que entro no ORKUT lembro de um quadro humorístico cujo bordão era "Não traz a máfia pro Brasil que esculhamba!". 8)

[Sobre "Por que eu não escrevo testimonials no Orkut"]

por Eurandi Corvello
15/2/2006 às
23h58 201.1.60.164
(+) Eurandi Corvello no Digestivo...
 
Para o Diego (parte 2)
(Continuando...) Não que eu queira me mostrar, mas simplesmente pq são recados inofensivos, que não fazem ninguém saber mais ou menos de mim ao lê-los. Saber que saí ontem ou que minha namorada gosta de mim? Ora, isso é público e notório no meu círculo de convivência, :-) Mas, como dito, é particular. Meu objetivo com o texto era defender uma posição e ir contra alguns tabus criados em torno do Orkut. Defenderei sempre a permanência dos scraps, quando bem utilizados e na sua real função. Sei de gente que teve problemas com isso, mas qualquer ferramenta mal utilizada pode ser transtorno. Aí a culpa não é da ferramenta, mas de quem não sabe utilizá-la. Valeu mesmo pelas considerações, elas apenas enriquecem o debate. Forte abraço!

[Sobre "Tabus do Orkut"]

por Marcelo Miranda
15/2/2006 às
22h30 201.19.141.240
(+) Marcelo Miranda no Digestivo...
 
Para o Diego (parte 1)
Diego, muito bom o seu retorno, e concordo com muita coisa que vc falou. Confesso que nem pensei muito no lance do Orkut estar servindo a empresas de RH e mesmo à polícia, é um dado que eu deveria ter abordado no texto. Agora, acho que enviar ou não um email não tem relação com os scraps, teoricamente. Eu frisei no artigo que o scrapbook facilita a vida justamente por não se precisar de todos os emails, servindo como mural de RECADOS, e não necessariamente de MENSAGENS. E no fim, eu defendo o uso responsável e correto dos scraps como forma de harmonizar as relações do Orkut sem que se obrigue as pessoas a "cancelarem" os scraps ou mesmo sair do site. Realmente é uma decisão pessoal, mas eu discordo de que o scrapbook seja algum livro aberto. Depende da relação que vc mesmo cria com ele - se vc dá liberdade, as pessoas escrevem. Eu, por exemplo, gosto de trocar scraps saudáveis com os amigos, e são coisas que não tenho motivos pra que não fiquem expostas.

[Sobre "Tabus do Orkut"]

por Marcelo Miranda
15/2/2006 às
22h29 201.19.141.240
(+) Marcelo Miranda no Digestivo...
 
Orkut não é brincadeira 2/2
(Continuando...) Apagar um scrap não desvirtua, de maneira nenhuma, a essência interativa do Orkut. Por que não enviar um bom (e agora velho, pelo jeito) e-mail? Por que não deixar um scrap pedindo, por exemplo, o MSN da pessoa (se ele não estiver disponível no perfil)? Perfis no Orkut e scraps expõem as pessoas. Deletar essas mensagens é apenas uma tentativa de minimizar essa exposição, que a meu ver é pouco saudável quanto o conteúdo dessas mensagens é bastante pessoal. Mas vai de cada um, claro. Há aqueles que estão dispostos a se expor, há aqueles que preferem controlar essa exposição. Ninguém tem a obrigação de transformar sua vida num livro aberto, e nem todo mundo tem essa disposição. É isso.

[Sobre "Tabus do Orkut"]

por Diego Maia
15/2/2006 às
21h43 201.1.136.229
(+) Diego Maia no Digestivo...
 
Orkut não é brincadeira 1/2
Marcelo, não concordo contigo, especialmente no item dos scraps. O Orkut não é uma brincadeira: já foi usado pela polícia para prender criminosos (pedófilos, líderes de gangues de torcidas organizadas, etc.), e é até utilizado por recrutadores de RH para avaliar candidatos a vagas de emprego! Por mais que queiramos NÃO levá-lo a sério, tratá-lo como mera brincadeira, o Orkut já não funciona mais assim. Em decisão tomada recentemente, apaguei todos os meus scraps recebidos, cerca de 1500, trabalhão que me tomou quase 1 hora. Valeu a pena. É como uma libertação. Não devo nada a ninguém, mas isso não quer dizer, de maneira nenhuma, que estou disposto a abrir minha vida para qualquer um lê-la. Muitos scraps têm conteúdo bastante pessoal que eu detestava ver ali, publicado pra todo mundo ver. É uma escolha que diz respeito à privacidade do usuário, não a uma suposta interferência na interatividade entre ele e seus amigos. (Continua...)

[Sobre "Tabus do Orkut"]

por Diego Maia
15/2/2006 às
21h35 201.1.136.229
(+) Diego Maia no Digestivo...
 
Orkut 'a moda antiga
Achei o seu e-mail bastante sincero, estava pensando em entrar no Orkut e sair depois, mas agora desisti, e' muito complicado ficar preso numa coisa que voce nao quer. Talvez seja melhor encontrar amigos 'a moda antiga!!!

[Sobre "Por que quero sair do Orkut (mas não consigo)"]

por Haylon Araujo
15/2/2006 às
20h04 201.30.188.66
(+) Haylon Araujo no Digestivo...
 
sensível, fluente, encantador
Sou mineira, nascida em Belo Horizonte, e tive muito prazer em ler seu texto - sensível, fluente, encantador. Meu enteado, paulistano, hoje com 20 anos, quando tinha 10, ouvia minhas histórias sobre a vida em Minas Gerais e, certa vez, contou-me que seu grande sonho era conhecer um cavalo. Mal pude acreditar no que me dizia. Mas era verdade. Ele jamais tinha visto um. Penso que não tenha se deparado, até hoje, com um cavalo.

[Sobre "Copacabana-Paulista-Largo das Forras"]

por Rina
15/2/2006 às
19h45 201.17.217.106
(+) Rina no Digestivo...
 
Concordo!
Pequenos comentários meus: sobre o Cocadaboa.. excelente! E sobre o Avast, há tempos eu o utilizo e endosso as palavras do autor. É isso! Saudações.

[Sobre "Digestivo nº 266"]

por Manoel Pinho Filho
15/2/2006 às
19h05 201.31.114.27
(+) Manoel Pinho Filho no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




X-Men Nº 110
Marvel
Abril Jovem
(1997)



Micro e Macro Economia um Enfoque Crítico
Fabio Gomes da Silva
Vozes
(1983)



Folclore Col para Entender Vol. 3 (1991)
Maria de Cassia Nascimento Frade
Global
(1991)



A Cidade e a Cidade
China Mieville
Boitempo
(2014)



Tecnologia de Alimentos - 2ª Edição
José Evangelista
Atheneu
(1989)



Blueprint Two - Workbook
Brian Abbs; Ingrid Freebairn
Longman do Brasil
(1995)



O Apito do Trem
Cesar Arruda Castanho
Clube do Livro
(1976)



A Morte do Gourmet
Muriel Barbery
Companhia das Letras
(2009)



A Guerra das Estrelas (1964-1984)
Carlos Chagas
L&pm
(1985)



Literatura Comentada: José Louzeiro
José Louzeiro
Abril
(1982)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês