Digestivo Blogs

busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nasi e Scandurra apresentam clássicos do IRA! no Sesc Santo André
>>> Douglas Germano apresenta 'Umas e Outras'
>>> Mostra de Cinemas Africanos acontece em São Paulo e Curitiba a partir de 6 julho
>>> Iecine abre inscrições para a Oficina de Crítica e Fruição Cinematográfica
>>> CLUBE DO CONTO APRESENTA 'UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE' COM A ESCRITORA AVE TERRENA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Setembro
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> Shakespeare de graça!
>>> 3 de Agosto #digestivo10anos
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
>>> Raul Seixas: Última Entrevista
>>> O primeiro parágrafo
>>> Spamzines, blogs e literatura
>>> Equipe econômica
>>> O jornalismo cultural no Brasil
Mais Recentes
>>> Bíblia Sagrada - tamanho de bolso com zipper da SBB de Deus. Autores diversos pela Sociedade Bíblica do Brasil (2014)
>>> Aventuras de Pedro Malasartes - 1ª Ed de Nelson Albissú pela Cortez (2009)
>>> O Brasão do Lince Dourado (confira) de Giselda Laporta Nicolelis pela Pioneira (1979)
>>> Irmãos na Fé: um Padre e um Espírita a Serviço de Jesus / 1ª Ed de Clotilde Fascioni pela Ide (2012)
>>> Confie Em Mim - Confira!! de Harlan Coben, Marcelo Mendes pela Arqueiro (2009)
>>> Fortaleza Digital de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Elaboração de Trabalhos Acadêmicos - 3ª Ed de Marise Teles Condurú pela Ufpa (2007)
>>> Deu no Jornal (confira) de Moacyr Scliar pela Edelbra (2009)
>>> Uma Prova de Amor de Emily Griffin pela Novo Conceito (2013)
>>> Unfinished Tales - Confira !!! de J. R. R. Tolkien / Livro de Bolso pela Harpercollins Publishers (1998)
>>> Guia de Viagem Portugal / 8ª Ed - Confira !!! de National Geographic pela Abril (2008)
>>> Saara Palco de Redenção - pelo Espírito Claudinei de Eurípedes Kuhl pela Petit (2003)
>>> Dicionário Fraseológico Comercial Alemão - Português de Závada e Eberle pela Brandstetter-Verlag (1978)
>>> Um Bate Papo Sobre o Gestão Empresarial Com Erp de Ernesto Haberkorn pela Saraiva (2007)
>>> Educando Seu Bolso (imperdível!!!) de Daniel Meinberg; Ewerton Veloso e Outros pela Gutenberg (2017)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Descubra uma França Diferente / Capa Dura de Stela Bueno pela Edição Própria (2002)
>>> O Guia Definitivo do Mochileiro das Galáxias - Capa Dura de Douglas Adams pela Arqueiro (2016)
>>> Contribuição à Critica da Economia Política de Karl Marx pela Folha de São Paulo (2015)
>>> Para Gostar de Ler - V. 07 - Crônicas 6 / 18ª Ed - Confira !!! de Luis Fernando Verissimo e Outros pela Ática (2002)
>>> Como Podem os Intelectuais Trabalhar para os Pobres de Épuras do Social pela Global (2004)
>>> Pluf, o Fantasminha o Dragão Verde (confira!) de Maria Clara Machado pela Cia das Letrinhas (2001)
>>> 10 Mais Feliz - Como Aprendi a Silenciar a Mente - Confira! de Dan Harris pela Sextante (2015)
>>> Relações Sociais e Serviço Social no Brasil de Marilda Iamamanto pela Cortez (1982)
>>> Sentimento do Mundo - Coleção Folha Grandes Escritores Brasileiros 4 de Carlos Drummond de Andrade / Capa Dura pela Folha de São Paulo (2008)
BLOGS

Quarta-feira, 22/6/2022
Digestivo Blogs
Blogueiros

 
Armas da Primeira Guerra Mundial.

As armas da Primeira Guerra Mundial levaram a uma matança sem precedentes. As armas da Grande Guerra, criadas ou modificadas pelas forjas da Revolução Industrial, foram amplamente utilizadas para vencer o conflito mundial. Sete, estilhaçar, queimar e sufocar... Todas eram válidas para matar o maior número possível. inimigos quanto possível em menos. Tempo, acreditando que a guerra terminaria rapidamente. Metralhadoras, lança-chamas, gases venenosos, aviões e tantas outras armas foram incorporadas à guerra das potências imperialistas. As pessoas provaram como todos os dias Somos ingênuos e adaptáveis ​​quando se trata de encontrar novas maneiras de matar os outros. A lista a seguir mostra muitas das armas que causaram milhões de vítimas durante a Primeira Guerra Mundial: 1 rifle 2 metralhadoras 3 lança-chamas 4 artilharia 5 armas químicas 6 submarinos 7 tanques 8 aviões Fonte: Armas da Primeira Guerra Mundial
[Comente este Post]

Postado por Blog de Lane Mello
22/6/2022 às 11h56

 
Você está em um loop e não pode escapar


Fonte: filmestipo.com



No cinema, um mago viaja por multiversos incontáveis. No streaming, filmes e séries voltam no tempo para reviver um tempo anterior. Na realidade (realidade?), a história parece se repetir continuamente. Como não podemos abrir um portal e atravessar o tempo, de repente, você se pergunta: é um déjà vu , ou isso está acontecendo?

Esse sentimento pode parecer uma sensação isolada, mas não é. Vejo depoimentos, imagens, pessoas, que realmente vislumbram um certo tempo, não muito distante, imaginam e sonham que, de algum modo, “as coisas poderiam voltar ao que era antes”.

É mais complexo que “O feitiço do tempo”, filme de 1993, no qual o personagem acorda sempre no mesmo dia. Talvez nossa condição contemporânea, especialmente dos últimos anos, nos empurre para uma nova sensação, um desejo, de retorno e repetição.


Filme “Feitiço do tempo”. Fonte: https://media.fstatic.com/


É uma especulação. As percepções e suas tentativas de explicação, surgem quando especulamos. Mas, busquemos um fundamento mais, digamos, concreto. O mito do eterno retorno, tão conhecido e interpretado nos mais variados campos, pode servir como esse fundamento.

Não caberia aqui, evidentemente, abordar as várias interpretações que esse mito teve, desde a filosofia de Nietzsche à psicanálise freudiana. Fiquemos com a interpretação da mitologia de Mircea Eliade , presentes, nos livros “O mito do eterno retorno” e “Mito e realidade”.



Mais especificamente, tomemos a sua interpretação do ato de regeneração do tempo das origens. As sociedades arcaicas, diz Eliade, necessitam regenerar-se periodicamente. Os rituais de regeneração sempre se ligam a um ato, momento, exemplar, arquetípico e, em geral, cosmogônico, como o surgimento do mundo.

A vida do homem arcaico está ligada às categorias essenciais, mitos primordiais, atos arquetípicos e não a eventos. (Deixa eu logo fazer essa observação, antes que eu seja apedrejado por uma antropologia: hoje, uma certa interpretação antropológica chama sociedades arcaicas de tradicionais e modernas de complexas; estou usando os termos literais de Eliade).


Fonte: submarino.com.br


Esse homem não carrega o peso do tempo, mesmo nele vivendo, exatamente porque sua concepção temporal se liga à ideia das origens.

Quando, no tempo, a realidade cai em desgraça, quando o homem se afasta de seus modelos, exemplos, anula-se o tempo e, então, para essa concepção arcaica, é possível ir, novamente, em busca das origens, em busca de uma renovação.

Isso se revela em mudanças cíclicas, como as fases lunares, ou em eventos mais cataclísmicos, como o apocalipse, nos quais a realidade se degenera em “pecado” para, em seguida, se regenerar.

A ideia do tempo da modernidade, um tempo linear irreversível, de rememorar os mais variados atos históricos que devem ser guardados, registrados, está distante da concepção de tempo cíclico atemporal das sociedades arcaicas.

Mas, então, o que explicaria essa sensação de eterno retorno contemporânea, presente na realidade e na ficção?

Estaríamos voltando à ideia de um necessário retorno às origens? Estaríamos buscando substituir um tempo decaído por um tempo exemplar, menos caótico, menos catastrófico, mais estável e compreensível?

Não tenho respostas definitivas, mas impressões. Em primeiro lugar, como sabemos e o próprio Mircea Eliade deixa claro, o mito não finda com a sociedade moderna, mas ele se modifica.

Os exemplos são vários, desde os rituais que atravessam a vida, os mitos da literatura, dos quadrinhos, do cinema e tantos outros. A questão é que, na vida moderna, diferentemente da ficção, o mito tende a operar dentro do tempo irreversível, que não pode anular os momentos “profanos” que se afastam dos modelos.


”A persistência da memória”, 1931. Salvador Dalí. Fonte: https://pt.wikipedia.org/


O que significa, por exemplo, que dentro desse tempo, os momentos de guerras, catástrofes, pandemias, permanecem dentro do tempo da modernidade. Pode-se argumentar que aprendemos com eles, ou que eles são inevitáveis.

Mas, como vimos, para a concepção arcaica, a noção do tempo não se mede dessa forma, daí por exemplo, podermos afirmar que para essa ideia do homem arcaico o tempo é sempre presente. E, quando esse presente se apresenta distante dos seus modelos originários míticos de origem, pode-se recorrer aos mais variados rituais para refundá-lo, trazer um novo tempo.

Não exatamente o mesmo tempo anterior, mas o voltar a origem, ao modelo, ao arquétipo, de certo modo, regenera o tempo, dando-lhe outra configuração. O estimado leitor já entendeu que, na nossa sociedade moderna, somos incapazes de realizar tal feito, justamente porque nosso tempo parte do princípio de linearidade, da ideia de continuidade. A palavra é progresso.

Se somos fundados na ideia de linearidade e progressão do tempo e, com isso, da história, carregamos o peso dos fatos ocorridos e não podemos anulá-los.

Daí, por exemplo, a ideia de subversão da dor, do sofrimento, passar pela concepção de mudança, subversão, revolução. Mas, mesmo essa ideia, é atravessada dentro de um tempo que evolui, que não volta a um tempo de origem, de arquétipo.


”Contos do loop”, série de streaming


O homem moderno talvez sinta isso como impossibilidade, o que, ao mesmo tempo, pode explicar seu sentimento de um desejo de retorno.

Olhamos para trás e desejamos que determinado tempo voltasse, olhamos para dois anos atrás e queríamos que os anos que se seguiram não tivessem acontecido. Exatamente porque o que se seguiu foi preenchido por desprazer, queda, catástrofe.

Nossa ideia moderna de progresso no tempo nos obriga a caminhar para frente, carregando nas costas, memória, o fardo da história.

Talvez a enorme quantidade das produções imagéticas que criam loops temporais, portais interdimensionais, viagens no tempo, do cinema, do streaming, reflita esse desejo, satisfazendo, assim, esteticamente, nossa necessidade de retorno.

Pode ser sintomático que desejemos, através das imagens espetaculares de outros mundos e realidades proporcionadas pela técnica contemporânea, vivenciar outras realidades, um desejo de retorno e, contraditoriamente, isso nos coloque em uma simulada tentativa de desafiar o tempo. Nosso eterno retorno é outro.

O homem arcaico, com sua concepção religiosa e mágica – e, ironicamente, exatamente por isso é chamado de arcaico – realizava tal façanha dentro do seu próprio tempo.



Como não podemos realizar tal feito, um mago, no cinema, realiza um ritual e abre um portal de onde várias réplicas de pessoas e mundos surgem e, então, escapamos, imageticamente, de nosso tempo. De repente, você se pergunta: é um déjà vu, ou isso está acontecendo? Loop!


Relivaldo Pinho é autor de, dentre outros livros, “Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia, ed. ufpa ”

[email protected]

Esse texto foi publicado no Diário online e em relivaldopinho.wordpress.com.



[Comente este Post]

Postado por Relivaldo Pinho
21/6/2022 às 19h39

 
O Apocalipse segundo Seu Tião

Um Golpista, um ladrão, um boquirroto e um traíra, são os principais personagens do próximo filme de suspense que será gravado nos estúdios da Vera Cruz ou Santa Cruz ou Brajolândia. Ainda a ser decidido.
A produção financiada pela Bolsa da Viuva Alegre, contará, aínda, com a participação de grupos folklóricos de todas as regiôes culturais, totais, colegiais, meia e arquibancada.
O protagonista que atende pelo vulgo de Cavalo Paraguaio tem mostrado sua altíssima dedicação ao papel de Caudilho de feijão, Assim como o ladrão está impecável na caracterização de Barrabás Wood, numa fusao bizarra entre o personagem bíblico e o conhecido "heroi"das florestas inglesas do passado.
O Boquirroto tem se esmerado no aperfeiçoamento de sua iniquidade inigualável, disparando diátribes, insultos, grosserias, provocações hilárias e poses de fanfarrão de kitchinete.
O Traíra está perfeito no papel de "perdido no espaço", carregando o seu gravador de reuniões secretas ou reservadas, e uma conta paga, de pensão, para justificar o seu endereço, já que o tal domicílio está pendurado nas nuvens da distração das assessorias. Os demais figurantes seguem procurando seus figurinos nas araras ( cabides) do estúdio, tentando entender os scripts, as falas e as sugestões dos assistentes de direção.
A espectativa por uma grande produção está provocando um volume considerável de notas e notícias na mídia e nas redes sociais, movidas a papo furado e fofocas de banheiro de cortiço.
A recomendação é para manter os documentos em dia, onde o passaporte, os certificados de vacina, o CPF, a cédula de identidade e a CNH, devem estar bem protegidas, preferencialmente junto ao corpo, em envelope plastico, impermeável, sem esquecer aguns trocados em diversas moedas, ( sempre dentro da lei!) para a eventualidade de uma boa oferta para um passeio turistico.
O loco, meu.

[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
8/6/2022 às 11h01

 
A vida depende do ambiente, o ambiente depende de

Sinto falta do céu de passarada,
Do verde escuro das matas,
Dos rios perenes e suas corredeiras,
Das quedas d'água ou cascatas,
Do homem que cuidava da terra,
Saudosos rios e saudosas matas.

Preservar o meio ambiente,
Parece-me parte da evolução,
Estará o homem regredindo?
Seus atos geram muita confusão,
Os biomas da terra vão sumindo,
A natureza entrando em decomposição.

O homem precisa da natureza,
Como a terra, a água e o ar,
Das suas minúsculas criaturas,
Que vivem para o solo fertilizar,
Dos arbustos as grandes árvores,
Sem esses a vida pode estagnar

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
5/6/2022 às 10h04

 
Para não dizer que eu não disse

Massa humana, de manobra são os seguidores, por cabresto, da vontade pessoal de um pseudo líder. Do coletivo para o individual.

O conselho é como café, toma quem quer. O que eu falo é parte da minha verdade, não da sua.

Não perca o seu tempo, com quem está fora do tempo, como tantos é apenas mais um néscio.

É desconcertante dizer: fim, não é o fim, mas o recomeçar para um novo fim.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
4/6/2022 às 18h21

 
Espírito criança

Nesse azul de imensidão tamanha,
Uma branca nuvem que passa,
Formato de folha, um coelho, carneiro,
Mais uma e mais outras vão passando,
Cá embaixo estou eu a observar.

Menino deixe as nuvens passar,
A mulher mãe, assim falava,
Enquanto eu, com a mente navegava,
Para mais e mais figuras encontrar,

Ninguém ouvia o meu falar,
No silêncio, peraltice de criança,
Guardo até hoje na lembrança,
Mas não consigo explicar.
O menino de tino fino, ainda existe em mim.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/6/2022 às 12h35

 
Poeta é aquele que cala

A vida é um livro de poesias,
Poesia é tudo que você cala,
Você pensa mais não fala,
Você sonha mas não faz,
Quisera eu ser capaz,
De descrever um sorriso,
De desvendar um olhar,
Flutuar no paraíso,
Queria ouvir o silêncio,
Traduzir o significado,
Daquilo que não foi dito,
Naquele beijo roubado.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/6/2022 às 12h30

 
A dor

O choro mais intenso,
É o sentimento mais profundo,
É o dolorido sem dor,
No fundo da nossa alma,
A lágrima verte para dentro,
Por isso do gosto amargo,
Essa é a dor mais doída,
Do plebeu ao fidalgo.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
1/6/2022 às 12h29

 
Parei de fumar

O habito de fumar encontrou abrigo na minha geração, como um dos seus modos de afirmação. Beber qualquer bebida alcoólica completava a muleta, aumentando o sentimento de poder, de estar próximo a ser ou até sentir-se adulto.
Hoje Sabemos o mal que o tabaco traz para a saúde, apesar da eventual sensação de prazer, que os fumantes dizem encontrar no cigarro ou mesmo em outros produtos de tabaco.
Parei com o cigarro faz um bom tempo.
Fiquei menos fedorento, mais disposto, com o olfato e paladar absurdamente melhorados e deixei de incomodar aos mais inteligentes, que não se deram ao risco do tabagismo ou desistiram antes de mim.
Quando um vizinho vai para a varanda tocar fogo na mecha, mesmo em andar mais afastado, percebo o sinistro odor. Pior é caminhar pela rua e sentir a pobreza tabagista consumindo as verdadeiras bombas paraguaias, cigarros contrabandeados, cujo fedor se propaga sem qualquer respeito. Sinto pena e nojo.
Começar a fumar é sempre precedido de uma atividade subliminar, enfiada em nossas mentes através dos outdoors, clipes, fotos nas revistas mais elegantes, anúncios finamente elaborados, mostrando gente bonita, elegante, bem sucedida, em lugares maravilhosos e bem decorados. Mulheres lindas, sufocantemente atraentes e varões corajosos, intrépidos, heróicos, fortes, poderosos, atléticos e suas baforadas sinistras.
Quando vamos ao cinema a marca que está pagando para aparecer, acho que chamam de merchandising, está em todos os cantos e momentos mais dramáticos, românticos ou bonitos do filme. O espectador desavisado, distraído com a narrativa, vai levando marteladas no subconsciente:
Ser vencedor, ser bonito, ser heróico, inteligente, grande sedutor e conquistador passa, obrigatoriamente, por fumar cigarros, charutos e até, o prosaico cachimbo.
O álcool não fica atrás.
Uma cena com dois executivos poderosos começa mostrando os copos curtos e cubos de gelo, que serão rapidamente cobertos por alguma bebida forte e, se os negócios forem bem,os cigarros ou charutos aparecem.
O mesmo acontece quando a história é com valentões, etc.
Num outro viés, vamos ter licores, vermutes, vinhos comuns ou espumantes, e, na melhor das hipóteses, a cerveja, hoje metida a besta, cara, exclusiva, cheia de ciência, especialistas, cronistas, e muito blá blá blá.
A turma que cria vontades ou dificuldades para vender produtos ou soluções é a mais diabólica, fascinante inteligente e propulsora de negócios bons ou maus.
Conforme a índole dos geniais inventores de desejos e expectativas, o bem e o mal, o inútil e o indispensável vão fazendo a economia rodar.
Aqui percebo similitude com os acontecimentos recentes da atividade política que se imaginou melhor, mais confiável e certeira em suas promessas e afirmativas.
O cheiro horrível do tabaco e do álcool que infesta corpos, mentes, roupas, cabelos e boca, permite analogia quando vemos cadáveres insepultos de um passado politico rejeitado, saindo de covas que não imaginávamos tão rasas.
Nomes contaminados por sinistra convivência com os dilapidadores da Bolsa da Viúva, com o que de mais repulsivo e enojante controlou a nossa ingênua e generosa Republica, aparecem serelepes e incensados, de banho tomado e cabelo penteado, no desenho daquilo que se imaginou impoluto. Figuras horrendas ainda vivas no cenário nacional confraternizando entre si, preparando mais uma desfeita para nossa mais profunda e determinada fé na redenção do Pais.
Nossa confiança na reabilitação econômica, política, cívica, moral.
Os cinqüenta e sete milhões e algumas centenas de milhares de eleitores votaram na esperança da neutralização dos contumazes operadores de mamatas,não nos patifes que engambelaram boa parte do eleitorado e ainda se acham capazes de continuar atrapalhando a nossa vontade de progresso, precedido de muita ORDEM.
A nossa expectativa não é pelo cheiro de podre, contaminante e hediondo, semelhante ao do tabaco ou do mau hálito dos bebedores contumazes, que simbolicamente, sentimos quando vemos declinados os nomes dos que continuam posando de autoridade em ou sobre alguma coisa.
A nossa esperança está sob ataque.
Dize-me com quem andas e te direi que és.
Andar com patife, corrupto, ladrão, prevaricador,ou incompetente, deixa marcas indeléveis tal como uma tatuagem. Se apagar fica a cicatriz. Se deixar, revela o passado.
Estamos esperando que desliguem a vitrola, as entrevistas, o blá blá blá e queremos de volta o que nos foi prometido, berrado, jurado.
Ou, o que for imoral e ilegal, vai continuar se alternando e engordando a malta dos privilegiados amigos e serventes dos patifes bons de pose e conversa.
Queremos a nossa esperança mantida viva, sem sustos, espantos ou aflições.


[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
25/5/2022 às 09h54

 
Asas de Ícaro

Ícaro, filho de Dédalo, tentou subir aos céus com asas feitas com penas de gaivotas e cera de abelha. Queria fugir do Labirinto onde estava preso, juntamente com seu pai.
A lenda de Ícaro e o sonho de voar alto, ganhar o espaço, vencer, também traz advertências e conselhos quanto a cuidados com o calor do Sol, evitando o derretimento da cera, alem do perigo de voar baixo, perto das águas do mar, encharcando as penas, aumentando o peso e provocando afogamento.
Uma lenda. Uma história fantástica.Ficção à moda antiga.
Observo a estante bem ali na minha frente, repleta de encadernações de projetos, pastas com documentos, pilhas de papéis rascunhados com ideias, aulas, diagramas, mapas.
Vida colecionada em lembranças de um passado de trabalho, criação, e realizações. Igualmente, testemunhos de enganos, sonhos não concluídos ou realizados, tempo perdido, enfim, uma papelada inerte, absolutamente inútil.
As gavetas da estante parecem cestas trançadas pelas mãos da autoconfiança, da coragem e da fé, cheias de penas de gaivotas virtuais, ainda sujas com os restos da cera, igualmente virtual, imaginada a partir dos livros, aqui favos do mel do conhecimento, colecionados na mesma estante, em outras prateleiras.
Cada encadernação, cada pasta, cada maço de papel grampeado rabiscado com alguma idéia, os mapas e roteiros para execução de tarefas, as notas e registros, enfim cada lembrança contida remete a um vôo. A maior parte bem sucedidos, mas nenhum pouso definitivo no topo do penhasco das ambições. Apenas visitas.
O calor do Sol das vitória provocava a fusão da cera da humildade, da serenidade, do equilíbrio.
Os ventos do reconhecimento sempre atenuaram o planeio em voos, quase nunca suaves, rumo ao fundo do vale da existência.
A cada descida observei as escarpas riscadas por diversas trilhas tortuosas, abertas em direção ao cume, repletas de gente lutando para vencer as armadilhas da vida em busca dos sonhos.
No meio do paredão, atado por correntes flamejantes, reconheci o Titã Prometeu sofrendo seu eterno castigo, apenas por ter dado aos humanos o segredo do conhecimento.
Ah, Prometeu, o rebelde…
Hoje as gaivotas passam voando aqui na frente da varanda do apartamento onde moro, sem correr nenhum risco de serem depenadas. O mel vem livre da cera e sempre está presente na primeira refeição, sinalizando a perenidade do sabor doce, não importa quem o está experimentando.
Os voos estão limitados ao espaço do viveiro: do poleiro para o bebedouro, do bebedouro para o poleiro ou para o pote de ração. As lembranças se alternam entre as delícias dos êxitos e as dores dos castigos.
Uma vez Icaro, outra vez Prometeu…
RA

[Comente este Post]

Postado por Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
21/5/2022 às 12h49

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A vida além do véu
Rev. G. Vle Owen
Heb
(1945)



100 Receitas Rápidas para Comer À Noite
Vários Autores
Ds
(2016)



O Coruja
Aluísio Azevedo
Global
(2008)



A Magia do Eu Posso
Elcio Souto e Sandra Meirelles
Mystic
(2002)



Bonsai Basics - a Step-by-step Guide to Growing
Christian Pessey e Remy Samson
Sterling Ii
(1993)



A Antiga Ciência e Arte da Cura Prânica com Cristais
Choa Kok Sui
Ground
(1997)



Ultra-fast Asp. Net -build Ultra- Fast and Ultra-scalable Web
Richard Kiessig
Apress
(2009)



The Fiery Cross
Diana Gabaldon
A Dell Book
(2005)



Fundações e Direito Terceiro Setor
Edson José Rafael
Melhoramentos
(1997)



Ressureição
Machado de Assis
Edigraf




>>> A Lanterna Mágica
>>> BLOG DO EZEQUIEL SENA
>>> Githo Martim
>>> Abrindo a Lata por Helena Seger
>>> Blog belohorizontina
>>> Blog da Mirian
>>> Blog da Monipin
>>> Blog de Aden Leonardo Camargos
>>> Blog de Alex Caldas
>>> Blog de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Blog de Anchieta Rocha
>>> Blog de ANDRÉ LUIZ ALVEZ
>>> Blog de Angélica Amâncio
>>> Blog de Antonio Carlos de A. Bueno
>>> Blog de Arislane Straioto
>>> Blog de CaKo Machini
>>> Blog de Camila Oliveira Santos
>>> Blog de Carla Lopes
>>> Blog de Carlos Armando Benedusi Luca
>>> Blog de Cassionei Niches Petry
>>> Blog de Cind Mendes Canuto da Silva
>>> Blog de Cláudia Aparecida Franco de Oliveira
>>> Blog de Claudio Spiguel
>>> Blog de Dinah dos Santos Monteiro
>>> Blog de Eduardo Pereira
>>> Blog de Ely Lopes Fernandes
>>> Blog de Enderson Oliveira
>>> Blog de Expedito Aníbal de Castro
>>> Blog de Fabiano Leal
>>> Blog de Fernanda Barbosa
>>> Blog de Geraldo Generoso
>>> Blog de Gilberto Antunes Godoi
>>> Blog de Hector Angelo - Arte Virtual
>>> Blog de Humberto Alitto
>>> Blog de João Luiz Peçanha Couto
>>> Blog de JOÃO MONTEIRO NETO
>>> Blog de João Werner
>>> Blog de Joaquim Pontes Brito
>>> Blog de José Carlos Camargo
>>> Blog de José Carlos Moutinho
>>> Blog de Kamilla Correa Barcelos
>>> Blog de Lane Mello
>>> Blog de Lúcia Maria Ribeiro Alves
>>> Blog de Luís Fernando Amâncio
>>> Blog de Marcio Acselrad
>>> Blog de Marco Garcia
>>> Blog de Maria da Graça Almeida
>>> Blog de Nathalie Bernardo da Câmara
>>> Blog de onivaldo carlos de paiva
>>> Blog de Paulo de Tarso Cheida Sans
>>> Blog de Raimundo Santos de Castro
>>> Blog de Renato Alessandro dos Santos
>>> Blog de Rita de Cássia Oliveira
>>> Blog de Rodolfo Felipe Neder
>>> Blog de Sonia Regina Rocha Rodrigues
>>> Blog de Sophia Parente
>>> Blog de suzana lucia andres caram
>>> Blog de TAIS KERCHE
>>> Blog de Thereza Simoes
>>> Blog de Valdeck Almeida de Jesus
>>> Blog de Vera Carvalho Assumpção
>>> Blog de vera schettino
>>> Blog de Vinícius Ferreira de Oliveira
>>> Blog de Vininha F. Carvalho
>>> Blog de Wilson Giglio
>>> Blog do Carvalhal
>>> Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
>>> Blog Ophicina de Arte & Prosa
>>> Cinema Independente na Estrada
>>> Consultório Poético
>>> Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
>>> Cultura Transversal em Tempo de Mutação, blog de Edvaldo Pereira Lima
>>> Escrita & Escritos
>>> Eugênio Christi Celebrante de Casamentos
>>> Flávio Sanso
>>> Fotografia e afins por Everton Onofre
>>> Impressões Digitais
>>> Me avise quando for a hora...
>>> Metáforas do Zé
>>> O Blog do Pait
>>> O Equilibrista
>>> Relivaldo Pinho
>>> Ricardo Gessner
>>> Sobre as Artes, por Mauro Henrique
>>> Voz de Leigo

busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês