Comentários de Cozete Gelli | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> Hebraica SP apresenta a peça “Preciso Falar de Amor Sem Dizer Eu Te Amo”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Vamos fazer o português entrar na moda!
>>> Imagina se fosse o contrário
>>> Xamãs & Concurseiros
>>> Publicar um livro pode ser uma encrenca
>>> O orvalho vem caindo
>>> Escândalo na cidade cinzenta
>>> Only the paranoid survive
>>> O belo e o escalafobético
>>> Guia para escrever bem ou Manual de milagres
Mais Recentes
>>> O Poder do Marketing - Livro Clipping Col o Poder do Poder de Manville Avalon - Martin Claret pela Martin Claret (1998)
>>> Os Princípios de Liderança de Jack Welch 24 Lições de Jeffrey A. Krames pela Sextante (2006)
>>> Como Motivar Sua Equipe de Anne Bruce pela Sextante (2006)
>>> Trabalho Em Grupo Semi-autônomo de Pedro Proscurcin pela Sts (1995)
>>> Motivação Total Col Autoprogramação Mental Livro Clipping de Martin Claret pela Martin Claret (1999)
>>> Sucesso Agora Col Autoprogramação Mental Livro Clipping de Martin Claret pela Martin Claret (1999)
>>> Otimismo Sempre - Cole Autoprogramação Mental Livro Clipping de Martin Claret pela Martin Claret (1999)
>>> Perguntas e Respostas Sobre Liderança - Série Fast Business de Robert Back pela Edicta (2005)
>>> Calidad Sin Lagrimas de Philip Crosby pela Cecsa (1991)
>>> Programação para o Desenvolvimento de Jan Tinbergen pela Jan Tinbergen (1969)
>>> Marketing Comercialização de Heidingsfield e Blankenship pela Fundo de Cultura (1965)
>>> Chefia Sua Técnica e Seus Problemas de Wagner Estelita pela Fvg (1972)
>>> Estudos Complementares da Otica Oftalmica de Jorge Motta Marketing na Ótica pela Senac
>>> Democracia Empresarial Já! (autografado) de B. Milioni pela Sts (1992)
>>> Relações Humanas de Michael Williams pela Atlas (1972)
>>> Teoria da Organização Moderna de Mason Haire pela Atlas (1966)
>>> Apoio Financeiro - Como Conseguir de Maria Elena Noriega e Milton Murray pela Textonovo (1997)
>>> Custo Industrial de Ludwig J. M. Klauser pela Atlas (1970)
>>> Administração da Produção de Martin K. Starr pela Edgard Blucher (1971)
>>> Biblioteca Relações Humanas 3 - Direção e Liderança de Alberto Montalvão pela Egéria
>>> Análise de Balanços de Sérgio de Iudícibus pela Atlas (1981)
>>> Marketing do Treinamento de B Milioni pela Nobel (1990)
>>> Política dos Negócios de Lenita C. Camargo pela Mestre Jou (1967)
>>> Cartas de um Executivo a Seu Filho de G Kingsley Ward pela Record
>>> Sucessão e Conflito na Empresa Familiar de João Bosco Lodi pela Pioneira (1987)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 4/7/2005
Comentários
Cozete Gelli


Escrever até ficar bem...
Quase sempre considero que escrevo mal. Seu texto, delicioso, reforçou minha auto-avaliação. Benevolente, penso que hoje escrevo menos mal que ontem. Resta então resistir ao prazer da leitura como forma de lazer, e passar à rigidez do estudo, da análise, da desconstrução dos textos. Que alento. Trabalho, sem dúvida, mas recompensas futuras acenam. Obrigada. Vou agora ler (meticulosamente) a segunda parte de seu texto...

[Sobre "Como escrever bem — parte 1"]

por Cozete Gelli
4/7/2005 às
02h05 200.227.194.171
 
Há esperança
Bom saber que Gullar volta à baila. Há algum tempo que a poesia vinha obtendo status de gênero literário de menor importância para leitores, e de menor apelo comercial para editores. E não há nada melhor para tempos tão ásperos do que poesia. Ainda que o engajamento seja sublimado em detrimento da sensibilidade...

[Sobre "Nas vertigens de Gullar"]

por Cozete Gelli
9/12/2004 às
12h02 200.168.122.123
 
Jornalismo ou Marketing?
Sempre achei que o ofício de escrever releases - e mais abrangentemente, das próprias assessorias de imprensa - pendesse mais para o marketing do que para o jornalismo. Num mundo ideal (e portanto utópico), caberia ao jornalista a função investigativa, a crítica imparcial, o expressar de opiniões isentas de influências. O release é apenas uma ferramenta de marketing, e deveria ser visto tão somente como um panfleto, uma peça de informação que visa promover este ou aquele produto, mesmo que irresistivelmente bem redigido, embalado e pronto para o consumo. Mas isso, só mesmo em um mundo ideal...

[Sobre "Release: subsídio ou substituto?"]

por Cozete Gelli
27/7/2004 às
12h29 192.168.133.47
 
A Foreign Caetano
Acredito, sim, que paira um movimento para tirar de Caetano sua aura de poeta genial. E não há nada de inconsciente nisto. Diz respeito àquilo a que já me referi antes, à tal roda permanente de modismos, onde tudo que é bom vira ruim, e tudo que era ruim vira bom. Para quem (aqui me incluo) não faz a mínima questão de ostentar o rótulo de moderno e antenado na “basic t-shirt” do dia, Caetano é Caetano. Simples (e monocórdico) assim. Vai na contramão da corrente, soltando um “mesmo” quando esperavam “mais”. Regravou Peninha e Odair José, lançou um CD em inglês no momento em que o mundo execra países de língua inglesa. Sua genialidade tornou-se mais macro, mais estratégica. Mas ainda assim, defendo, genialidade. Menos tímido e nada espalhafatoso, resta a Caetano esperar que a roda incessante dos modismos resolva de novo que ele é bom, é moderno, é genial. Que as bacantes da modernidade terminem pois de degluti-lo, devora-lo, para que daqui há um tempo, Caetano possa, novamente, redentoramente, ser digerido.

[Sobre "Digestivo nº 173"]

por Cozete Gelli
11/6/2004 às
12h18 192.168.133.51
 
Literatura e macarrão-com-tudo
Sempre gostei de cozinhar e de escrever. Desconfio que em ambos os ofícios produzo resultados medíocres, porém corretos. Criei certa vez um prato - não chega a ser uma receita, uma vez que a forma e o conteúdo variam sempre - que apelidei de "macarrão com tudo". Eu era bem mais jovem, e a gororoba servia muito bem para matar a fome pós-balada. Um dia um amigo provou o "macarrão-com-tudo" e disse que eu deveria abrir um restaurante, que aquilo era maravilhoso demais. Creditei o elogio à fome da madrugada e às más disfarçadas intenções do meu amigo de comer não só o macarrão - mas a autora do prato. Com meus escritos não foi diferente - quando tinha coragem de mostrá-los a alguém, choviam elogios, inclusive de um professor que passou a repetir diariamente "você tem que cursar jornalismo, não desperdice este talento..." Os anos passaram... fui a um restaurante caro, aliás um "café" num shopping, para comer a comida-filhote daqueles outros restaurantes carésimos da famiglia... e não é que havia um prato, que muito lembrava meu macarrão-com-tudo das madrugadas pós-balada? Só que tinha a grife da famiglia e custava uma fábula. Assim acontece com a literatura. Aliás, houve mesmo um caso de suicídio do chefe de cozinha de Luís XV, que matou-se ao desconfiar que um jantar de honra que preparara não saíra a contento. Um exagero. Há espaço para big-macs, para pastel de feira, e para os pratos franceses, um tiquinho de comida dentro do prato, enfeitado à exaustão e alçado à categoria de arte. Autores a quem muitos tratarão como iguaria, não passam de gororoba para o autor desta coluna. É tudo questão de gosto, de horário e do tamanho da fome.

[Sobre "O Último Samurai Literário"]

por Cozete Gelli
19/2/2004 às
08h13 200.234.70.134
 
Zeca e pão com mortadela
No círculo incessante dos modismos, tudo que é in vira out, tudo que é up um dia é tachado como down. Foi assim com as havaianas, com o fusca, com o pastel de feira, com a mortadela. E é assim com Zeca Pagodinho. Desconfio que exista um submundo, os tais "antenados", que elenquem todas as coisas ou pessoas em baixa para lançá-las como "cult" no tempo apropriado. Foi assim com Zé do Caixão. Até Clodovil está sendo exumado por Alexandre Herkovitch. Imagino que estes "muderrnos" passem uma hora de seu dia pensando nas coisas "de raiz", nas "brasilidades" que possam desenterrar. Para a gente é bom, porque não precisa mais omitir que a-do-ra pastel de feira, sempre adorou. Não precisa esconder o CD do Zeca Pagodinho embaixo daquele da Marisa Monte, do outro da Adriana Calcanhoto. Dá uma liberdade danada assumir uma certa breguice de vez em quando. É confortável, assim como as havaianas são mais confortáveis para os pés e para o bolso que as "manolos" americanas. É claro que sempre irão existir os intelectuais preferindo mussarela de búfala e rúcula no seu ciabata (comprado, claro, numa boulangerie). Enquanto a gente come divertidamente nosso pãozinho com mortadela, ali mesmo na padaria da esquina...

[Sobre "Digestivo nº 161"]

por Cozete Gelli
19/2/2004 às
08h13 200.234.70.134
 
Necessidade de aparecer
De verdade, nunca tive saco para ler estes tais blogs, embora para todo lado você se depare com comentários - reais ou virtuais - sobre eles. Para mim, são um tipo de doença típica da realidade, aí sim, bem semelhante aos reality shows. Todo mundo quer aparecer, todo mundo quer ser elogiado, visto, comentado. A Sabrina quer mostrar o peito na Playboy, a Fernanda Young se esfalfela para se mostrar diferente e culta/cult no Saia Justa, a Malu Mader faz um esforço danado para reunir jornalistas e dizer: a mídia me persegue, quero sossego... Os blogueiros não tem bunda para mostrar, nem cacife para bancar uma boa assessoria de imprensa, então escrevem tudo o que podem - nem sempre o que devem - nestas porcarias virtuais. É o jornalzinho da classe, mimiografado, finalmente revisitado e colocado a disposição de todos (que tiverem tempo e paciência...)

[Sobre "A internet e os blogs"]

por Gelli
22/5/2003 às
21h57 200.177.192.136
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Brasil 2015: as Descobertas do Crescimento
Juarez Lopes de Araujo
Deloitte
(2010)



A Escola Livre de Sociologia e Política
Varios Autores
Sociologia e Politica
(2009)



Direito Tributário Brasileiro
Luciano Amaro
Saraiva
(1997)



Tutela Jurisdicional Cumprimento dos Deveres de Fazer e Não Fazer
Salvador Franco de Lima Laurino
Elsevier
(2010)



A Jangada
José de Barros Pinto
Saraiva
(1955)



Direito Constitucional - Volume 2. Série Advocacia Pública
Ricardo Vieira de Carvalho Fernandes (org)
Método
(2011)



Coaching - Mude seu mindset para o sucesso - volume 1
Jaques Grinberg
Literare Books International
(2018)



A Política Interna de Turismo no Brasil: 1992-2002
José Henrique da Silva Júnior
Carte
(2004)



Manual do Engenheiro - Volume 7 - Tomo 1 e Tomo 2
Francisco Jose San Martin
Globo
(1974)



Um Assassinato um Mistério um Casamento
Mark Twain
Rideel
(2007)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês