Comentários de Haroldo Amaral | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
>>> Projetonave e Caco Pontes lançam temporada de espetáculos online
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
>>> Anonimato: da literatura à internet
>>> Inesquecíveis aventuras
>>> 20 de Maio #digestivo10anos
>>> A bem-sucedida invenção do gaúcho
>>> Chá das Cinco com o Vampiro, de Miguel Sanches Neto
>>> Reflexões sobre um século esquecido (1901-2000), por Tony Judt
Mais Recentes
>>> Meninos refugiados escrevem suas vidas de Vários Autores pela Comitê de Combate ao Genocídio (2008)
>>> Buscando a Luz de Aliança pela Aliança (2021)
>>> Bumba, Nosso Boi de Empíreo pela Empíreo (2021)
>>> Bullying de Leader pela Leader (2021)
>>> A garota dos correios de Stefa Zweig pela Modan Ti (1982)
>>> Buddha de Ordem do Graal pela Ordem do Graal (2021)
>>> O Voo das Aguias de Jack Higgins pela Record
>>> O Voo das Aguias de Jack Higgins pela Record
>>> Borgestein de Sergio Bizzio pela Zikit Publishing House (2014)
>>> Os grandes filosofos - Marx de Terry Eagleton pela Yedioth Ahronoth: Livros Hemed (2001)
>>> A trégua de Primo Levy pela Biblioteca Afekim (1940)
>>> Diamond, guns, bacteria and steel and the fates of human societies de Kiryat Afekim pela Biblioteca Afekim (1999)
>>> Meditações de Sylvia Brown pela Light com (2005)
>>> Mernieku laiki de Kaudzites REinis e Kaudzites Matis pela Latvijas Valsts Izdevnieciba (1964)
>>> Desejo de kianda de Paftala Wish pela kinneret, Zmora-Bitan, Dvir (2011)
>>> Genocidio na "Terra das mil coisas" em Ruanda de Benjamin Neuberger pela The open university (1994)
>>> Ditaduras de Kenneth Libertal pela The open university
>>> The rise and fall of the third reich de William L. Shirer pela Schocken Publishing (1976)
>>> Berlitz Pocket Guide - O guia de viagem mais vendido do mundo de Vários Autores pela Berlitz (2006)
>>> O cantor escravo de Yitzhak Bashevis pela Dell (2002)
>>> Shimon Zimmer imaginou que você estava vivo de (Shimon Zimmer) pela Ônibus - Literatura israelense (1997)
>>> Papagaio Illeglio de Klili pela Dvir (2006)
>>> Da Crise do Antigo Regime à Revolução Liberal, 1799 - 1820: uma cronologia de Fernando de Castro Brandão pela Europress (2005)
>>> Jack Croak e os hipopótamos ferviam em suas piscinas de William S. Burroughs pela Achuzat Bayit (2011)
>>> Cachaça: Ciência, Tecnologia E Arte de Blucher pela Blucher (2021)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Sexta-feira, 1/11/2002
Comentários
Haroldo Amaral


duas categorias
Alexandre, acho que seria ótimo dividir os casos em duas categorias: (1) situações, como, por exemplo, filmes em que atores mirins... (2) expressões utilizadas, seja em textos, seja no linguajar do dia a dia. Digo isso porque penso que para os casos de situações o máximo que se pode fazer é não nos permitirmos estar em qualquer delas, e para os casos de expressões, seria possível a você, além de citá-las, sugerir alternativas razoáveis. Penso até que, assim, seria possível você retomar todo o assunto e reapresentá-lo de forma mais apetitosa ainda. E sei que poucos poderiam fazer isso tão bem quanto você. Então, fica aqui a minha sugestão. Um grande abraço. Haroldo Amaral

[Sobre "Sinais de Vulgaridade - Parte II"]

por Haroldo Amaral
1/11/2002 às
22h18 200.191.105.77
 
a questão sobre "deficientes"
José Knoplich, vou lhe contar um fato do qual nunca mais me esqueci. Por volta de 88 uma prática que andava comum eram as campanhas na TV para arrecadação de fundos para esta ou aquela criança para que ela pudesse ir aos Estados Unidos e passar por alguma cirurgia "salvadora". Um amigo meu, daquele tipo "científico" e "teimoso" que não deixa nada passar, chegou pra mim e disse que tinha feito um cálculo com mínima margem de erro cujo resultado era que a soma de dinheiro gasta em cada um daqueles casos de crianças a serem salvas, seria suficiente para salvar da morte por simples fome "n" crianças (não me lembro mais qual era o "n", mas era muito alto). Conclusão - disse-me ele - se dependesse de mim, eu preferiria deixar a criança morrer e salvar as "n" da morte por uma causa muito mais simples e tremendamente mais vergonhosa para todos nós, componentes da civilização. Confesso que não gostei daquela opinião dele. Na verdade, discutimos tão seriamente por causa daquilo que quase perdemos a amizade. Depois passaram-se anos em que perdi o contato com aquele amigo. Há pouco tempo me lembrei disso e cheguei à conclusão de que nem eu nem ele tínhamos razão. Compreendi que se trata de uma questão delicada e complexa. Pra terminar, cheguei à conclusão de que ainda vamos esperar por algum "luminar" da humanidade que possa dar uma solução "decente", "lógica" e "humana" a essa questão. Sinto muito, mas acho que a questão sobre "deficientes" enfrenta "dificuldades" que demandam ainda algum tempo para que possam ser tratadas também com "decência", "lógica" e "humanidade". Talvez isso só venha a ocorrer depois que todas as outras pessoas, que são uma massa colossal, que sofrem pelo simples fato de serem pobres e até miseráveis, recebam um tratamento minimamente justo e humano. Sinto muito por estar manifestando esse meu pessimismo. Um abraço.

[Sobre "Quando a incapacidade é valorizada"]

por Haroldo Amaral
28/9/2002 às
19h56 200.227.143.19
 
Você "matou a pau"
Alexandre, nem há mais o que dizer, Deus meu!!!! Você "matou a pau". "Dissecou", como diria algum monstrinho. Isso sim é relevante: este seu agudo sentido que, numa estupenda síntese, diz tudo que a gente quis dizer a vida toda e nunca conseguiu. Esta sua matéria é mais um monte de quilates que vou adicionar com muito carinho e alegria de garimpeiro bem-sucedido ao meu depósito de diamantes, ou seja, à coleção que faço de textos que considero amostras inequívocas da inteligência humana. Parabéns, Alexandre. Um abraço

[Sobre "Maldita Ciência"]

por Haroldo Amaral
28/9/2002 às
19h34 200.227.143.19
 

Grande!! Grande!! Boa Alexandre!!! O trecho a seguir de sua matéria é uma das coisas mais espetaculares que já vi escritas. É simplesmente antológico: "Nem os realistas aguentam o realismo; só não sei como os materialistas aguentam o materialismo. Como a sequência do pesadelo em Ana Karênin, Deus deveria ser incluído na nossa visão de mundo por uma simples questão de "bom" gosto. Desculpe-me por acrescentar o "bom" ao trecho. É só uma travessura minha. Alexandre, isso é uma das manifestações mais inteligentes que já vi até hoje. E olha que já tenho 55 anos e bastante experiência. Parabéns.

[Sobre "Onze pontos sobre literatura"]

por Haroldo Amaral
31/8/2002 às
21h47 200.191.116.223
 

Parabéns, Felix pela sua matéria sobre a eleição de Paulo Coelho para ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras. Na verdade, a julgar pelos componentes do time da ABL nos últimos anos, nem mesmo vejo qualquer valor ou honra em se ocupar uma das cadeiras deles, mas já que "aquilo" existe e subsiste, vá lá. Quanto ao Paulo Coelho, todo mundo nalha o "cara" como se ele fosse culpado de alguma coisa, como se ele tivesse encontrado algum meio mágico de obrigar as pessoas a lerem suas obras. Santo Deus!!! O cara escreve, uma Editora publica e as livrarias tentam vender. Que culpa o escritor tem se milhares e milhões de pessoas, vão até às livrarias e, de livre e espontânea vontade, compram seus livros. Conheço a obra do Paulo Coelho e, de fato, acho que ele não se caracteriza como um "literato", mas nem ligo pra isso porque julgo que uma boa história é sempre uma boa história; se for magistralmente escrita, do ponto de vista literário, ótimo, mas se for escrita de forma razoável, inteligível, muito bom também. Afinal, muitos podem escrever como literatos, mas poucos podem inventar boas histórias. Sou autor de 32 livros técnicos e de dois romances, e não tenho nenhum prurido em dizer que gosto muito dos livros do Paulo Coelho. Afinal, se mais de 40 milhões de pessoas compraram seus livros, está mais do que claro que, nunca se deve mesmo, discutir com o sucesso. Com certeza, os livros dele devem ser bons, ou então, há algum mistério nessa história. Já me alonguei muito. Mais uma vez, parabéns pela sua honesta e autêntica matéria, e um grande abraço. Haroldo Amaral.

[Sobre "Paulo Coelho na Loucademia"]

por Haroldo Amaral
1/8/2002 às
21h58 200.191.105.74
 
Pelo fim da palavra VIP
Alexandre, acho que você está coberto de razão. Eu também antipatizo muito com quase tudo que você denunciou. Gostei da forma enfática e até um pouco sarcástica (mas perfeita) com que você comentou as idiotices que se pratica a todo momento com a nossa língua. Contudo, não posso deixar de comentar, embora podendo estar enganado, é claro, sobre a forma do futuro simples que você colocou como preferencial. Acho que há a figura do tal do "futuro promessivo" que significa que algo será feito um dia num futuro que até poderá ser longínqüo, enquanto que na forma composta com o presente (vou devolver) passa-se a idéia de que a ação será realizada em breve, já-já, logo-logo, e, nesse caso, dou preferência à forma que corresponde à situação mais real, ou seja, de que a ação será realizada logo. Portanto, quando um amigo me emprestar um livro e me perguntar sobre a devolução após leitura, vou sempre preferir dizer que "vou devolver". Tenho receio de que, ao responder "devolverei", ele pense que pretendo "um dia" (não se sabe quando), se me der na telha, isso terá ocorrência. Não sei se estou certo pensando assim. Parabéns pela matéria. Um abraço.

[Sobre "Pelo Fim da Palavra VIP"]

por Haroldo Amaral
15/2/2002 às
14h45 200.191.154.160
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Bonde e a Linha - um Perfil de J. Carlos
Cássio Loredano
Capivara
(2002)



O Zodíaco e o Amor - a Afetividade e os Astros
Dinaê S. Gelhardt
Eku
(2004)



Sombras de Identidade
Gershon Shaked
Associação
(1988)



A Rosa e o Dragão
Vanessa Neves Pereira
Tlb
(2013)



Fundamentos e Possibilidades da Econometria
Alfonso G. Barbancho
Forum
(1970)



A Construção Social da Cor - 2ª Edição - Diferença e Desigualdade ...
José D Assunção Barros
Vozes
(2009)



Descobrindo a Geometria Fractal: para a Sala de Aula - 3ª Edição
Ruy Madsen Barbosa
Autêntica
(2005)



Irmã Com Irmã Se Paga
Ivana Versiani
Ftd
(1994)



Do Meu Coração para Oseu
Mart de Haan
Ministérios Rbc
(2008)



História do Rosto: Exprimir e Calar as Emoções - 1ª Edição
Jean-jacques Courtine & Claudine Haroche
Vozes
(2016)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês