Paranóia? Onde? | Martim Vasques

busca | avançada
101 mil/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “A Maçã” estreia dia 7 de março no SESC Copacabana
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os livros que eu ganhei
>>> A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte
>>> Retrospectiva de cabeceira
>>> 12 de Novembro #digestivo10anos
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> Exercício de Egocentrismo Contido
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Um Bonde Chamado Desejo
>>> Blogging & News Production
>>> 17 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Steve Jobs - A Biografia de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2012)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (2009)
>>> A Árvore Seca de Alexei Bueno pela G. Ermakoff (2006)
>>> A vida fora da matéia de Vários Autores pela Racionalismo Cristão (2010)
>>> A Noite Das Bruxas de Agatha Christie pela Lpm Pocket (2008)
>>> Obaluae e Omulu - Coleção Os Orixás 1 de Antonio Alves Teixeira pela Pallas (1996)
>>> Quatro Vidas de um Cachorro de W. Bruce Cameron pela Harpercollins (2018)
>>> Radicci 6 - Coleção Lpm Pocket de Iotti pela Lpm (2007)
>>> O 14º Dalai Lama - uma biografia em mangá de Tetsu Saiwai pela Case (2014)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Cristo Redentor (2013)
>>> O Gita - Resumo e Significados de Rukmini Pati Prabhu pela Madras
>>> Dizionario Portughese Italiano Portughese de Carlo Parlagreco pela Antonio Villardi
>>> Explicações Detalhadas Sobre a Meditação Shinsokan de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2005)
>>> Surpresas Desagradáveis - O Pequeno Vampiro de Angela Sommer-Bodenburg pela Martins Fontes
>>> Física Clássica - dinâmica, estática, hidrostática de Caio Sérgio Calçada - José Luiz Sampaio pela Atual
>>> Tudo Sobre Yoga de Mestre Derose pela Lpm Pocket (2003)
>>> 3 exemplares: As 693 Questões dos 11 anos de Enem + revista Faap + colégios da Grande São Paulo de Material sobre Enem pela Ftd (2009)
>>> Agassi Autobiografia de Andre Agassi pela Globo (2010)
>>> 6/0 Dicas Do Fino - Ensinamentos Práticos De Um Campeão De Tênis Para Melhorar Seu Jogo de Fernando Meligeni pela Generale (2016)
>>> Ganhar Gastar Investir - O Livro do Dinheiro Para Mulheres de Denise Damiani -Cynthia de Almeida pela Sextante (2016)
>>> Poder E Alta Performance - O Manual Pratico Para Reprogramar Seus Habitos Promover Mudancas Profundas Em Sua Vida de Paulo Vieira pela Gente (2017)
>>> O Mistério Do Cinco Estrelas de Marcos Rey - Ale Abreu ilustrador pela Global (2018)
>>> Cartas A Povos Distantes - Coleção Espaço Aberto de Fabio Monteiro - André Neves ilustrador pela Paulinas (2015)
>>> 3 Revistas: Tudo Sobre Enem primeira e segunda Prova + tudo que você precisa saber de Material sobre Enem pela On Line (2010)
>>> Os Filhotes Do Vovô Coruja - Coleção Tan Tan de Eun Hee Na | Sook Kyung Kim pela Callis (2010)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 5/7/2002
Comentários
Leitores

Paranóia? Onde?
Prezado Gian: Seu texto tem pontos interessantes sobre a paranóia, mas infelizmente não passa dos pontos comuns já discutidos por todo mundo numa mesa de bar - e pontos equivocados, como chamar a Idade Média de "Idade das Trevas". Se vc ler Etienne Gilson, vai descobrir que a Idade Média não foi nada irracional e que a paranóia que dizem ter sido criado pela Igreja Católica era, na verdade, fruto de escolas dentro da Igreja e que foram expulsas pelo Papa por causa de seu cunho herético. Além disso, como vc pode chamar de "Idade das Trevas" uma época que tinha Santo Tomás de Aquino, Santo Agostinho, Abelardo, Meister Eckart e, bem no final, Dante Alighieri. Por acaso a nossa época - tão paranóica - tem como rivalizar com a honra destes nomes? No mais, se vc quer saber o que é realmente o efeito da paranóia na vida e na arte, leia Thomas Pynchon, em especial "V." e "O Leilão do Lote 49", ambos editados pela Cia de Letras. Um abraço e continue com seu trabalho Martim

[Sobre "A Soma de Todos os Medos"]

por Martim Vasques
5/7/2002 às
08h51 200.211.122.213
(+) Martim Vasques no Digestivo...
 
Em favor do que
Usei o termo "minoria sem defesa” parodiando as várias minorias altamente defendidas pelas inumeráveis ongs, que por sua vez são altamente patrocinadas pelo reduzidíssimo número de cofres mundiais. Não estou dizendo que ninguém deva ajudar ninguém. Mas o fato de haver mais ONGS em defesa dos meninos de rua no Rio de Janeiro do que propriamente meninos de rua, conforme levantamento da Universidade de Minas Gerais, talvez possa esclarecer o que digo. Ainda que as ONGS sejam o sinal de uma época de declínio do poder dos estados, eles também (quem tenha olhos que veja) cumprem o papel de desestabilizadores do próprio estado. Nesse sentido são globalistas e estão a favor, queiram ou não, saibam ou não, da nova ordem mundial. A paródia que usei foi para enfatizar a solidão de qualquer empreendimento intelectual. Incluindo a solidão financeira, principalmente quando as reflexões estão contra a maré. Com relação a transcendentalidade da tradições eu reafirmo, mas não disse que não são culturais. Disse que a cultura é posterior. A cultura é consequencia e não causa das religiões. Um pouco de história nos mostra isso. O estudo comparado das religiões nos indica também uma tradição primordial berço dos mitos e dos símbolos, cuja estrutura está muito além dos estruturalismos sociológicos ou antropológicos. O reducionismo sociológico ou econômico e o relativismo cultural pretendem destruir a supremacia do fenômeno transcendental, do mistério, do segredo, do sagrado. Substituir o universal pelo internacional é uma das metas. Dessa pobreza o marxismo não fala, pois ele próprio participa desse parricídio. Concordo que o volume de temas proposto resvala num nível perigoso de generalizações e que exige um nível intelectual brilhante. Não disse que o Felix tenha conseguido essa proeza, mas não pretendi julgá-lo por esse critério. Meu elogio foi por ter encontrado alguém que discute os mesmos problemas, que se inquieta pelas mesmas coisas, que tem a coragem de não parecer retrógrado, direitista, fdp ou sei lá o que mais. Com relação a bibliografia devo desculpar-me, quis dizer REFERÊNCIAS em geral, com suas notas, etc. Não podemos negar-lhe um agradecimento por essa gentileza, que são as notas de roda-pé, ainda que não concorde com suas reflexões. Que ele seja panfletário eu não concordo. Talvez seu artigo tenha a tônica dos panfletos, mas credito isso ao próprio objeto de sua reflexão, aliás ao nosso objeto de reflexão: a cadeia de relacionamentos entre os fenômenos culturais modernos. Não tenho dúvidas de que há um espécie de padrão entre os vários fenômenos culturais abordados. Difícil sintetizá-los, mas é necessário comentá-los, exercitar o intelecto para antever a unidade nesses vários aspectos da modernidade. Ainda que seja uma síntese fragmentária, característica própria da modernidade, mas que a cada dia observa-se uma linha mais clara entre esses vários fenômenos. Por falar em bibliografia permita-me citar alguns: O Mundo Moderno, de René Guénon; A Nova Era e a Revolução Cultural, de Olavo de Carvalho, são livros importantes para esse tema. De quem ele é a favor eu não posso responder por ele. Mas creio que a defesa foi em favor da racionalidade, da informação verdadeira, sem ideologismos.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por ronaldo
5/7/2002 às
07h04 200.249.133.135
(+) ronaldo no Digestivo...
 
panfleto, panfleto...
Finalmente, Ronaldo, você diz que o artigo de Felix Meier “não é panfletário”. Eu não tinha usado essa palavra, mas agora que você a apresentou, não tenho como deixar de dizer: ele é panfleto em estado puro, no sentido de que “ataca alguém ou algo com críticas irônicas”, de que é “polemista”./// Bem, então como definiríamos um artigo que, em vinte parágrafos, declara-se contra as causas: defesa das terras indígenas, a proteção ambiental, o marxismo, os intelectuais da USP, o Movimento dos Sem Terra, o Iluminismo da Revolução Francesa, o movimento gay, o movimento pela defesa dos descendentes de quilombolas, o movimento negro em geral, a CNBB, o próprio governo FHC, o gramscismo, o movimento feminista, o movimento em defesa do aborto, os movimentos de meninos de rua, as ONGs em geral, Lula, Fernando Gabeira?/// Como denominar esse formidável esforço generalizador, senão como a quintessência do panfleto?/// Só falta definir uma coisa: a favor de que ou de quem é o artigo? Só consegui pescar uma única exaltação, em réplica a um leitor: aos “ricaços que pagam impostos” e que garantem os seus (F. Meier) proventos de aposentado da União. Um final estranho, sem dúvida. Caberia ao autor se explicar melhor. Mas jamais poderíamos fugir de classificar o texto segundo a palavra que você mesmo trouxe: panfletário. Um desabafo panfletário contra todo e qualquer argumento ou movimento que desagrada ao autor.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
20h48 200.154.217.31
(+) Helion no Digestivo...
 
que minoria sem defesa?
Ronaldo, se eu li entrelinhas demais, desculpe. Vou ler de menos agora: quem é a “minoria sem defesa” com que você intitula seu comentário? Poderia explicar, por favor?/// Bem, se você acha que as tradições são fundamentalmente transcendentais e não culturais, como eu julgo ter entendido, não vamos discutir por isso. É a sua opinião e nem me parece ser o central nesse debate./// Você defende o artigo do Felix dizendo que a generalização é uma das características da racionalidade. Diria que é um dos momentos da mesma, mas não me parece que seja razoável a generalização que abarca da música do Tiririca a Gramsci, dos meninos de rua à Revolução Francesa. Apenas um intelectual com um estofo formidável conseguiria articular isso tudo sem fazer o resultado parecer uma geleia geral./// Ao contrário do que você diz, as “citações bibliográficas” não o redimem deste problema. Há um único livro citado, da Bibliex. Se você tanto condena o academicismo, não deveria também se entusiasmar com uma base bibliográfica assim tão pujante./// continua...

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
19h52 200.154.217.99
(+) Helion no Digestivo...
 
Minoria sem defesa
Helion, creio que você leu entrelinhas demais em meu comentário. Eu apenas fiquei entusiasmado com a oportunidade do artigo pois a situação atual pede tais intervensões. Com relação as tradições se ancorarem em racionalidades eu discordo pois os fundamentos são trasncendentais e não culturas. A racionalidade é ai posterior, vem a título de comentário ou suporte as várias esferas da realidade. O cultural é posterior e a antropolgia e a sociologia chega bem depois do fenômeno espiritual ter fundado a civilização. Não acho o artigo do Felix genérico. Há ótimas referências e com citações bibliográficas. Um artigo nem precisa ser tão específico assim. Não é um documento acadêmico (graças a Deus). Dizer que ele não foi racional pelo grau de generalização também é estranho. A generalização é inclusive uma das características da racionalidade. Ainda que tivesse sido genérico não foi falacioso, panfletário ou irresponsável. Se ele representa uma minoria não o é por vontade própria. Hoje em dia quem consegue ter uma visão de mundo mais abrangente e profunda que a patrocinada pela mediocridade midiática já é minoria. E uma minoria sem ongs para defesa. abraços

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por RONALDO
4/7/2002 às
14h04 200.249.133.135
(+) RONALDO no Digestivo...
 
A arte da crítica
É sabido que os "custos de entrada" na internet são baixos. Nesse sentido, é mais barato montar na web um site de venda de livros usados do que abrir um sebo numa rua comercial. Fazendo um paralelo com o jornalismo, os custos fora da internet também tendem a ser mais elevados. Como se pode imaginar, jornalistas de sucesso, como Daniel Piza, não "chegaram lá" apenas por serem inteligentes, cultos, articulados, mas porque também e sobretudo lutaram bravamente por seus lugares nas instituições em que atuam. Essa briga por espaço é frequentemente árdua e inclui aturar chefes intratáveis, almoços/jantares intermináveis, granjear simpatias e esquivar-se de armadilhas corporativas, etc. É humano e natural que alguém que tenha brigado tanto olhe com azedume para a nova mídia, no caso a internet, que altera as regras do jogo, reduzindo a importância relativa tão duramente conquistada. Concordo com você que ambos os "setores" só têm a ganhar na medida em que colaborarem mutuamente. Se a um lado, o internético, não chega a ser doloroso estender a mão, ao outro, o do jornalismo tradicional, caberá o bom senso de apertá-la. Evocando Bob Dylan, times they are changing...

[Sobre "Digestivo nº 88"]

por Toni
4/7/2002 às
13h13 200.180.4.212
(+) Toni no Digestivo...
 
Irracionalidades
Ronaldo, há diferentes tradições espirituais na humanidade. A manutenção de valores é uma delas. A busca por maior justiça social é outra. Nem sempre são incompatíveis, e ambas pretendem se ancorar também em diferentes racionalidades. Critiquei – pretendi que racionalmente – o artigo do Felix justamente por ser uma exposição genérica, que chamava de “bantustão” tudo aquilo que parecia lhe desagradar. O que não era, convenhamos, uma forma racional de argumentar. Cabia a ele rebater minha crítica, e não o fez, pelo menos até agora. O que não ajuda muito a sua afirmação de que ele expressa uma luta da “minoria culta e pensante” contra os “irracionais e desinformados”. Saudações.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
11h29 200.154.217.169
(+) Helion no Digestivo...
 
Irracionalidades
Excelente artigo, boa pesquisa e muito oportuno em tempos de irracionalidade como o nosso. A maioria da população "pensante" influenciada que está pela cultura moderna, revolucionária, desconstrucionista, reivindicatória, etc, terá forte aversão aos argumentos. Na verdade, estou quase convencido de que os argumentos não têm mais força contra a maré revolucionária, contra a desinformação e a ignorância. Os valores universais, as contribuições das várias tradições espirituais da humanidade estão sendo mumificadas por essa turba festiva. Creio que uma nova fase de grande irracionalidade está surgindo, dos dois lados, pois toda ação provoca uma reação contrária. Ninguém estará preparado pra isso, a não ser os de cultura e formação intelectual e espiritual.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por ronaldo
4/7/2002 às
09h51 200.249.133.135
(+) ronaldo no Digestivo...
 
A Grande Verdade
A grande verdade é a seguinte: comunistas, intelectuais, vegetarianos, indies, poetas concretos, argentinos, hippies e flamenguistas da Era Zico são muito chatos...

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Fernando Paiva
3/7/2002 às
16h43 200.170.143.127
(+) Fernando Paiva no Digestivo...
 
A odisséia da escrita
Deslumbrante a interpretação deste jovem e talentoso escritor. Sua sensibilidade em retratar o universo mais recôndito do homem e suas facetas é sublime. Como diria Clarice Lispector: "Não, não é facil escrever.É duro como quebrar rochas. Mas voam faiscas e lascas como aços espelhados" Parabéns meu jovem.

[Sobre "Direito de Sentido"]

por Marcia Bindo
3/7/2002 às
15h18 200.215.183.1
(+) Marcia Bindo no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Michelin Red Guide 2007 New York City: Restaurants & Hotels
Michelin Travel Publications
Michelin Travel Pubns
(2006)



O Tratado das Emoções
Thomaz Schmidt
Madras
(2002)



Mozart Sonatas y Fantasias para Piano Volumen 2
Ricordi
Ricordi
(1958)



Se nada der certo até os 30, você se casa comigo?
Karina Halle
Única
(2017)



Uma Sociedade Planejada
Anne Freedman
Edusp
(1976)



Uso do Hífen - Inclui 21 Mil Palavras Compostas e Seus Plurais + Expli
Eduardo Martins / Coord. Márcia Lígia Guidin
Manole
(2006)



/A Sentinela, Doce Revés, Do Início ao Fim e Sem Retorno
Robert Crais, Kevin A. Milne, Patricia MacDonald e Lyndon Stacey
Reader's Digest
(2011)



Pai Herói
Max Lucado
Thomas Nelson Brasil
(2014)



Cem Anos de Euclides da Cunha
Cem Anos
Ciee
(2009)



Fundamentos de Nutricion En El Deporte
Marcia Onzari
Grupo Ilhsa Sa
(2004)





busca | avançada
101 mil/dia
1,7 milhão/mês