Paranóia? Onde? | Martim Vasques

busca | avançada
60832 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 'CASACORPO' de Pati Rigon na Galeria Alma da Rua II
>>> O espetáculo “A Caminho da Escola - Ato de Violar” estreia neste fim de semana no Teatro Gonzaguinha
>>> Concerto reunirá Orquestra da Colômbia e Ensemble Multipiano
>>> Poeta cearense Priscilla Pinheiro estreia na literatura infantojuvenil com livro de poemas
>>> Ambulantes leva show de novo álbum para o Centro Cultural Galeria Olido
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A importância de ser prudente e outras peças, de Oscar Wilde
>>> Oito países e uma língua reunidos pelo cinema
>>> Escritor, jovem escritor
>>> Escritor, jovem escritor
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> É a mãe!
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Poesia em Fibonacci
>>> O novo macarthismo
Mais Recentes
>>> Box Literatura Estrangeira Um Homem Bom é Difícil de Encontrar e Outras Histórias Volume 3 de Flannery O'connor pela Tag, Nova Fronteira (2020)
>>> Livro Cozinhando Com Os Chefes de Vários Autores pela Abril
>>> Livro Private Missão Jogos Olímpicos - Londres 2012 de James Patterson pela Arqueiro (2012)
>>> Teen Magazine Tara Reid November 2001 de Teen Magazine pela Teen Magazine (2001)
>>> Comospolitan Magazine Rachel Bilson - November 2006 - EUA de Comospolitan Magazine pela Comospolitan Magazine (2006)
>>> Lucky Magazine - Hayden Panettiere Heroes Star - February 2008 - EUA de Lucky Magazine pela Lucky Magazine (2008)
>>> A Caixa de Pandora - Coleçao Contos da Mitologia de Adriana Bernardino - Getulio ilustrador pela Ftd (1999)
>>> Na Idade Media Era Assim de Bruna Renata Cantele pela Do Brasil (2000)
>>> Mademoiselle Magazine - Sexy Things & Abs - May 1997 - EUA de Mademoiselle Magazine pela Mademoiselle Magazine (1997)
>>> Os Fundamentos da Fisica 2 - Termologia; óptica e ondas de Ramalho; Toledo; Nicolau pela Moderna Ltda. (1994)
>>> Livro Visão Espírita Da Educação de Marcus Alberto De Mario pela O Clarim (1999)
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2010)
>>> Cálculo II - Diferencial e Integral de G. S. S. Ávila pela Livros Técnicos e Científicos (1979)
>>> O Lugar da Mulher de Paulo Montero; outros pela Graal (1982)
>>> The Gentle Art of Smoking de Alfred H. Dunhill pela Max Reinhardt (1968)
>>> Livro Pai Rico Pai Pobre: O Que Os Ricos Ensinam A Seus Filhos Sobre Dinheiro de Robert Toru Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> Introdução à programação Linear de W. Allen Spivey pela Cne (1975)
>>> Seleções da Revista do Som nº 4 - 1978/1979 de Antenna pela Antenna (1979)
>>> Livro Destrinchando. Uma História De Casamento, Carne E Obsessão de Julie Powell pela Record (2010)
>>> Logística Empresarial de Ronald H. Ballou pela Atlas (2008)
>>> Cálculo Diferencial e Integral 4 de Thomas Finney pela Livros Técnicos e Científicos (1983)
>>> Livro Currículo Na Educação Infantil, Diciplinas: Projetos e Pedagogia de Fátima Salles e Vitória Faria pela Atica (2012)
>>> O Mercador De Veneza Hq de Wlliam Shakespeare pela Farol Literário (2012)
>>> Les Miserables In Two Volumes (Vol. 1 e 2) de Victor Hugo pela Wordsworth Classics (1994)
>>> The Complete Parent de Nancy Van Pelt pela Review & Herald (1985)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 5/7/2002
Comentários
Leitores

Paranóia? Onde?
Prezado Gian: Seu texto tem pontos interessantes sobre a paranóia, mas infelizmente não passa dos pontos comuns já discutidos por todo mundo numa mesa de bar - e pontos equivocados, como chamar a Idade Média de "Idade das Trevas". Se vc ler Etienne Gilson, vai descobrir que a Idade Média não foi nada irracional e que a paranóia que dizem ter sido criado pela Igreja Católica era, na verdade, fruto de escolas dentro da Igreja e que foram expulsas pelo Papa por causa de seu cunho herético. Além disso, como vc pode chamar de "Idade das Trevas" uma época que tinha Santo Tomás de Aquino, Santo Agostinho, Abelardo, Meister Eckart e, bem no final, Dante Alighieri. Por acaso a nossa época - tão paranóica - tem como rivalizar com a honra destes nomes? No mais, se vc quer saber o que é realmente o efeito da paranóia na vida e na arte, leia Thomas Pynchon, em especial "V." e "O Leilão do Lote 49", ambos editados pela Cia de Letras. Um abraço e continue com seu trabalho Martim

[Sobre "A Soma de Todos os Medos"]

por Martim Vasques
5/7/2002 às
08h51 200.211.122.213
(+) Martim Vasques no Digestivo...
 
Em favor do que
Usei o termo "minoria sem defesa” parodiando as várias minorias altamente defendidas pelas inumeráveis ongs, que por sua vez são altamente patrocinadas pelo reduzidíssimo número de cofres mundiais. Não estou dizendo que ninguém deva ajudar ninguém. Mas o fato de haver mais ONGS em defesa dos meninos de rua no Rio de Janeiro do que propriamente meninos de rua, conforme levantamento da Universidade de Minas Gerais, talvez possa esclarecer o que digo. Ainda que as ONGS sejam o sinal de uma época de declínio do poder dos estados, eles também (quem tenha olhos que veja) cumprem o papel de desestabilizadores do próprio estado. Nesse sentido são globalistas e estão a favor, queiram ou não, saibam ou não, da nova ordem mundial. A paródia que usei foi para enfatizar a solidão de qualquer empreendimento intelectual. Incluindo a solidão financeira, principalmente quando as reflexões estão contra a maré. Com relação a transcendentalidade da tradições eu reafirmo, mas não disse que não são culturais. Disse que a cultura é posterior. A cultura é consequencia e não causa das religiões. Um pouco de história nos mostra isso. O estudo comparado das religiões nos indica também uma tradição primordial berço dos mitos e dos símbolos, cuja estrutura está muito além dos estruturalismos sociológicos ou antropológicos. O reducionismo sociológico ou econômico e o relativismo cultural pretendem destruir a supremacia do fenômeno transcendental, do mistério, do segredo, do sagrado. Substituir o universal pelo internacional é uma das metas. Dessa pobreza o marxismo não fala, pois ele próprio participa desse parricídio. Concordo que o volume de temas proposto resvala num nível perigoso de generalizações e que exige um nível intelectual brilhante. Não disse que o Felix tenha conseguido essa proeza, mas não pretendi julgá-lo por esse critério. Meu elogio foi por ter encontrado alguém que discute os mesmos problemas, que se inquieta pelas mesmas coisas, que tem a coragem de não parecer retrógrado, direitista, fdp ou sei lá o que mais. Com relação a bibliografia devo desculpar-me, quis dizer REFERÊNCIAS em geral, com suas notas, etc. Não podemos negar-lhe um agradecimento por essa gentileza, que são as notas de roda-pé, ainda que não concorde com suas reflexões. Que ele seja panfletário eu não concordo. Talvez seu artigo tenha a tônica dos panfletos, mas credito isso ao próprio objeto de sua reflexão, aliás ao nosso objeto de reflexão: a cadeia de relacionamentos entre os fenômenos culturais modernos. Não tenho dúvidas de que há um espécie de padrão entre os vários fenômenos culturais abordados. Difícil sintetizá-los, mas é necessário comentá-los, exercitar o intelecto para antever a unidade nesses vários aspectos da modernidade. Ainda que seja uma síntese fragmentária, característica própria da modernidade, mas que a cada dia observa-se uma linha mais clara entre esses vários fenômenos. Por falar em bibliografia permita-me citar alguns: O Mundo Moderno, de René Guénon; A Nova Era e a Revolução Cultural, de Olavo de Carvalho, são livros importantes para esse tema. De quem ele é a favor eu não posso responder por ele. Mas creio que a defesa foi em favor da racionalidade, da informação verdadeira, sem ideologismos.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por ronaldo
5/7/2002 às
07h04 200.249.133.135
(+) ronaldo no Digestivo...
 
panfleto, panfleto...
Finalmente, Ronaldo, você diz que o artigo de Felix Meier “não é panfletário”. Eu não tinha usado essa palavra, mas agora que você a apresentou, não tenho como deixar de dizer: ele é panfleto em estado puro, no sentido de que “ataca alguém ou algo com críticas irônicas”, de que é “polemista”./// Bem, então como definiríamos um artigo que, em vinte parágrafos, declara-se contra as causas: defesa das terras indígenas, a proteção ambiental, o marxismo, os intelectuais da USP, o Movimento dos Sem Terra, o Iluminismo da Revolução Francesa, o movimento gay, o movimento pela defesa dos descendentes de quilombolas, o movimento negro em geral, a CNBB, o próprio governo FHC, o gramscismo, o movimento feminista, o movimento em defesa do aborto, os movimentos de meninos de rua, as ONGs em geral, Lula, Fernando Gabeira?/// Como denominar esse formidável esforço generalizador, senão como a quintessência do panfleto?/// Só falta definir uma coisa: a favor de que ou de quem é o artigo? Só consegui pescar uma única exaltação, em réplica a um leitor: aos “ricaços que pagam impostos” e que garantem os seus (F. Meier) proventos de aposentado da União. Um final estranho, sem dúvida. Caberia ao autor se explicar melhor. Mas jamais poderíamos fugir de classificar o texto segundo a palavra que você mesmo trouxe: panfletário. Um desabafo panfletário contra todo e qualquer argumento ou movimento que desagrada ao autor.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
20h48 200.154.217.31
(+) Helion no Digestivo...
 
que minoria sem defesa?
Ronaldo, se eu li entrelinhas demais, desculpe. Vou ler de menos agora: quem é a “minoria sem defesa” com que você intitula seu comentário? Poderia explicar, por favor?/// Bem, se você acha que as tradições são fundamentalmente transcendentais e não culturais, como eu julgo ter entendido, não vamos discutir por isso. É a sua opinião e nem me parece ser o central nesse debate./// Você defende o artigo do Felix dizendo que a generalização é uma das características da racionalidade. Diria que é um dos momentos da mesma, mas não me parece que seja razoável a generalização que abarca da música do Tiririca a Gramsci, dos meninos de rua à Revolução Francesa. Apenas um intelectual com um estofo formidável conseguiria articular isso tudo sem fazer o resultado parecer uma geleia geral./// Ao contrário do que você diz, as “citações bibliográficas” não o redimem deste problema. Há um único livro citado, da Bibliex. Se você tanto condena o academicismo, não deveria também se entusiasmar com uma base bibliográfica assim tão pujante./// continua...

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
19h52 200.154.217.99
(+) Helion no Digestivo...
 
Minoria sem defesa
Helion, creio que você leu entrelinhas demais em meu comentário. Eu apenas fiquei entusiasmado com a oportunidade do artigo pois a situação atual pede tais intervensões. Com relação as tradições se ancorarem em racionalidades eu discordo pois os fundamentos são trasncendentais e não culturas. A racionalidade é ai posterior, vem a título de comentário ou suporte as várias esferas da realidade. O cultural é posterior e a antropolgia e a sociologia chega bem depois do fenômeno espiritual ter fundado a civilização. Não acho o artigo do Felix genérico. Há ótimas referências e com citações bibliográficas. Um artigo nem precisa ser tão específico assim. Não é um documento acadêmico (graças a Deus). Dizer que ele não foi racional pelo grau de generalização também é estranho. A generalização é inclusive uma das características da racionalidade. Ainda que tivesse sido genérico não foi falacioso, panfletário ou irresponsável. Se ele representa uma minoria não o é por vontade própria. Hoje em dia quem consegue ter uma visão de mundo mais abrangente e profunda que a patrocinada pela mediocridade midiática já é minoria. E uma minoria sem ongs para defesa. abraços

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por RONALDO
4/7/2002 às
14h04 200.249.133.135
(+) RONALDO no Digestivo...
 
A arte da crítica
É sabido que os "custos de entrada" na internet são baixos. Nesse sentido, é mais barato montar na web um site de venda de livros usados do que abrir um sebo numa rua comercial. Fazendo um paralelo com o jornalismo, os custos fora da internet também tendem a ser mais elevados. Como se pode imaginar, jornalistas de sucesso, como Daniel Piza, não "chegaram lá" apenas por serem inteligentes, cultos, articulados, mas porque também e sobretudo lutaram bravamente por seus lugares nas instituições em que atuam. Essa briga por espaço é frequentemente árdua e inclui aturar chefes intratáveis, almoços/jantares intermináveis, granjear simpatias e esquivar-se de armadilhas corporativas, etc. É humano e natural que alguém que tenha brigado tanto olhe com azedume para a nova mídia, no caso a internet, que altera as regras do jogo, reduzindo a importância relativa tão duramente conquistada. Concordo com você que ambos os "setores" só têm a ganhar na medida em que colaborarem mutuamente. Se a um lado, o internético, não chega a ser doloroso estender a mão, ao outro, o do jornalismo tradicional, caberá o bom senso de apertá-la. Evocando Bob Dylan, times they are changing...

[Sobre "Digestivo nº 88"]

por Toni
4/7/2002 às
13h13 200.180.4.212
(+) Toni no Digestivo...
 
Irracionalidades
Ronaldo, há diferentes tradições espirituais na humanidade. A manutenção de valores é uma delas. A busca por maior justiça social é outra. Nem sempre são incompatíveis, e ambas pretendem se ancorar também em diferentes racionalidades. Critiquei – pretendi que racionalmente – o artigo do Felix justamente por ser uma exposição genérica, que chamava de “bantustão” tudo aquilo que parecia lhe desagradar. O que não era, convenhamos, uma forma racional de argumentar. Cabia a ele rebater minha crítica, e não o fez, pelo menos até agora. O que não ajuda muito a sua afirmação de que ele expressa uma luta da “minoria culta e pensante” contra os “irracionais e desinformados”. Saudações.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
4/7/2002 às
11h29 200.154.217.169
(+) Helion no Digestivo...
 
Irracionalidades
Excelente artigo, boa pesquisa e muito oportuno em tempos de irracionalidade como o nosso. A maioria da população "pensante" influenciada que está pela cultura moderna, revolucionária, desconstrucionista, reivindicatória, etc, terá forte aversão aos argumentos. Na verdade, estou quase convencido de que os argumentos não têm mais força contra a maré revolucionária, contra a desinformação e a ignorância. Os valores universais, as contribuições das várias tradições espirituais da humanidade estão sendo mumificadas por essa turba festiva. Creio que uma nova fase de grande irracionalidade está surgindo, dos dois lados, pois toda ação provoca uma reação contrária. Ninguém estará preparado pra isso, a não ser os de cultura e formação intelectual e espiritual.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por ronaldo
4/7/2002 às
09h51 200.249.133.135
(+) ronaldo no Digestivo...
 
A Grande Verdade
A grande verdade é a seguinte: comunistas, intelectuais, vegetarianos, indies, poetas concretos, argentinos, hippies e flamenguistas da Era Zico são muito chatos...

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Fernando Paiva
3/7/2002 às
16h43 200.170.143.127
(+) Fernando Paiva no Digestivo...
 
A odisséia da escrita
Deslumbrante a interpretação deste jovem e talentoso escritor. Sua sensibilidade em retratar o universo mais recôndito do homem e suas facetas é sublime. Como diria Clarice Lispector: "Não, não é facil escrever.É duro como quebrar rochas. Mas voam faiscas e lascas como aços espelhados" Parabéns meu jovem.

[Sobre "Direito de Sentido"]

por Marcia Bindo
3/7/2002 às
15h18 200.215.183.1
(+) Marcia Bindo no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro de Bolso - Gratidão
Oliver Sacks
Oliver Sacks
(2015)



Livro Capa Dura Café
Jane Pettigrew
Nobel
(1999)



Nouvelles Histoires Doutre-monde
Jacques Papy
Casterman
(1967)



A Bola Dourada
Nicole de Cock
Ftd
(2009)



Para filosofar: Introdução à filosofia
Severo Hryniewicz
Edição do autor
(1997)



Pense Gerencie Ganhe
Daniel Sévigny
Madras
(1999)



Extensão Ou Comunicação?
Paulo Freire
Paz e Terra
(1977)



Tirando Dúvidas De Português
Odilon Soares Leme
Barros, Fischer E Associados
(2015)



Prática Pedagógica, Aprendizagem E Avaliação Em Educação A Distância
Iolanda Bueno De Camargo Cortelazzo
Intersaberes
(2014)



Livro Informática Desenvolvendo para Web Usando o Visual Studio 2008
Ramon Duraes
Brasport
(2008)





busca | avançada
60832 visitas/dia
2,1 milhões/mês